WhatsApp Twuitter

Terça, 13 de junho de 2017, 11h16

Presidente interino do PSDB nega chantagem do PMDB


O presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), negou nesta segunda-feira, 12, que o PSDB tenha decidido permanecer na base aliada do presidente Michel Temer em razão de chantagem do PMDB. ‘Só li nos jornais. A mim, não chegou nenhuma chantagem‘, afirmou. O tucano cearense ressaltou que sua reunião com o presidente do PMDB, senador Romero Jucá (RR), na última quinta-feira, 8, foi ‘super amistosa‘, sem pressões.

Antes do encontro, Jucá afirmou em entrevista que, se o PSDB desembarcasse, seria difícil para o PMDB apoiar um tucano nas eleições de 2018. A fala gerou mal-estar entre tucanos, como o líder do PSDB na Câmara, Ricardo Tripoli (SP).

Segundo Tasso, a decisão da legenda tem o objetivo de preservar a governabilidade e, assim, a aprovação das reformas ‘O PSDB esta dentro desse governo em nome da estabilidade e das reformas que são necessária. Nossa maior preocupação são os desempregados que estão ai e não deixar que essa crise econômica venha a piorar‘, disse.

Incoerência

Tasso também reconheceu que há uma incoerência no fato de o partido ter decidido, ao mesmo tempo, se manter na base aliada do governo Michel Temer e recorrer contra a absolvição do peemedebista pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). ‘Com certeza existe uma incoerência nisso, mas é a incoerência que a história nos colocou‘, afirmou em entrevista coletiva após a reunião dos tucanos.

Tasso afirmou que, como presidente do partido, não deixará de reconhecer que houve corrupção e uso de dinheiro público nas eleições de 2014 por parte da chapa Dilma-Temer. ‘Achamos que houve corrupção e uso do dinheiro público nas eleições de 2014. Não temos menor duvida sobre isso. Não temos porque ficar calados se temos ainda o recurso para provar nossa convicção‘, disse. Segundo ele, o tipo de recurso só será definido após o TSE publicar o acórdão do julgamento. 



// matérias relacionadas

Quinta, 17 de agosto de 2017

20:00 - Governo buscará diálogo com parlamentares para aprovar nova meta fiscal

Quarta, 16 de agosto de 2017

21:38 - Temer alega que reformas ajudam o Brasil a não precisar de nova Constituição

16:55 - Temer justifica nova meta fiscal em razão da queda da inflação e da arrecadação

14:22 - Decreto de Temer cassa concessão da BR-153 explorada pela Galvão Engenharia

Terça, 15 de agosto de 2017

16:10 - Por determinação de Temer anúncio da nova meta é antecipado

14:45 - Padilha diz que meta fiscal deve ficar em torno de R$ 159 bilhões

Segunda, 14 de agosto de 2017

17:35 - Temer diz que 'está muito na moda a garantia da lei e da ordem'

15:19 - Recomeça reunião no Planalto com Temer, Meirelles e Dyogo

14:30 - Brasil receberá visita de técnicos americanos para inspeção veterinária

13:30 - Governo deve anunciar hoje mudança da meta fiscal


// leia também

Sexta, 18 de agosto de 2017

15:48 - Moro manda bloquear R$ 6 mi das contas de Vaccarezza

14:34 - Prisão tem base em delações contraditórias, diz defesa de Vaccarezza

14:03 - PF acha R$ 122 mil em dinheiro na casa de Vaccarezza

08:46 - Ex-gerente da Petrobrás acusado de propinas chora a Moro por liberdade

08:18 - Ex-deputado Cândido Vaccarezza é preso em nova fase Lava Jato

Quinta, 17 de agosto de 2017

23:30 - Gilmar Mendes manda soltar mais 1 empresário do setor de transportes

22:30 - Marcus Pestana será relator do projeto que altera metas fiscas

20:30 - Na CPI da Previdência, secretário da Receita propõe redução de desonerações

19:48 - Decisão do STF sobre impeachment de Temer sai até próxima semana

15:16 - Lula pede a Moro que suspenda interrogatório de setembro