WhatsApp Twuitter

Sexta, 16 de junho de 2017, 18h25

Aécio pede que sua eventual prisão seja julgada no plenário do STF


A defesa do senador Aécio Neves (PSDB-MG) pediu hoje (16) ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o pedido de prisão contra ele seja julgado por todos os 11 integrantes da Corte, em plenário, e não pela Primeira Turma, composta por cinco ministros, conforme previsto.

Está marcada para terça-feira (20), na Primeira Turma, o julgamento de dois recursos: um do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que quer a prisão preventiva de Aécio, e outro do próprio senador pedindo que seja assegurada sua liberdade.

Para julgar a questão, os ministros deverão analisar a aplicação ao caso do artigo 53 da Constituição, segundo o qual os parlamentares “não poderão ser presos, salvo em flagrante de crime inafiançável”.

O advogado Alberto Zacharias Toron, que representa Aécio, argumentou que o tema afeta a relação entre os poderes, e, por isso, deve ser analisado pela composição completa do Supremo, “diante do inegável alcance político/institucional que a controvérsia assume”.

Ao negar um primeiro pedido da PGR pela prisão de Aécio, o ministro Edson Fachin, então relator do caso, mencionou a garantia constitucional do parlamentar, mas disse que, em um momento posterior, o assunto deveria ser melhor discutido em plenário. Entretanto, após a redistribuição do processo, a pedido da defesa, o novo relator, Marco Aurélio Mello, pautou a questão para a Primeira Turma.

Nesta semana, a Primeira Turma do STF decidiu, por 3 votos a 2, manter Andréa Neves, irmã de Aécio, presa preventivamente, ao julgar improcedente um recurso da defesa.

Votaram a favor da prisão os ministros Luís Roberto Barroso, Rosa Weber e Luiz Fux, enquanto o relator, Marco Aurélio Mello, e Alexandre de Moraes votaram pela soltura da investigada.

Adiamento

O advogado de Aécio Neves pediu também, em uma segunda petição nesta sexta-feira, que o julgamento de sua eventual prisão seja adiado em ao menos dez dias. O argumento é que a PGR, em seu recurso reforçando o pedido de prisão, acrescentou elementos novos não conhecidos pela defesa.

No pedido, Janot inseriu uma foto publicada na página do senador no Facebook, em que ele aparece numa reunião com políticos. Para o procurador-geral da República, a imagem comprova o descumprimento da determinação que afastou o tucano do exercício do cargo de senador.



// matérias relacionadas

Domingo, 25 de junho de 2017

09:30 - Operação dita embate de ministro Barroso com Gilmar Mendes

Sexta, 23 de junho de 2017

16:30 - Polícia Federal apreende 15 joias na casa da irmã de Adriana Ancelmo

16:09 - Palestras sobre corrupção e Lava Jato rendem R$ 219 mil a Deltan Dallagnol

14:14 - Luciano Coutinho depõe como testemunha de defesa de Lula

12:02 - PF busca joias de Cabral na casa da cunhada

11:45 - Fachin nega crise e diz que não se pode demonizar a política

Quinta, 22 de junho de 2017

15:01 - Supremo reinicia julgamento sobre validade das delações da JBS - Siga

14:21 - Barroso vota pela validade da delação da JBS e manutenção de Fachin na relatoria

13:42 - Primo de Aécio e assessor de Perrella deixam prisão em Belo Horizonte

11:01 - Fachin tira de Moro e envia para São Paulo inquérito contra Paulo Skaf


// leia também

Domingo, 25 de junho de 2017

16:53 - Câmara volta a apreciar na terça MP devolvida pelo Supremo

12:13 - Base aliada de Michel Temer teria 60% de fundo eleitoral

11:14 - Em projeto de Jucá, fatia para o PMDB é de R$ 550 milhões

11:02 - Lava Jato lidera ranking das prisões por corrupção no Brasil

10:51 - Desde 2013, prisões por corrupção crescem 288%

Sábado, 24 de junho de 2017

11:40 - Polícia Legislativa apura carta enviada com fezes para Maia

09:21 - PF deve entregar relatório final do inquérito que investiga Temer na segunda

09:15 - PF conclui que não houve edição em áudio de conversa entre Temer e Joesley

Sexta, 23 de junho de 2017

14:29 - PF apreende pelo menos 15 joias em apartamento de cunhada de Cabral

12:06 - Gravíssimo, diz FHC sobre denúncia de Temer