WhatsApp Twuitter

Domingo, 18 de junho de 2017, 17h13

bateu, levou

OAB não aceita que Câmara seja usada para proteger grupos políticos, diz Lamachia


O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, criticou neste sábado, 17, as declarações do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que afirmou não caber à instituição comentar ritos do processo legislativo no Brasil. A troca de farpas entre os dois começou depois que a OAB divulgou nota à imprensa sobre o ‘cinismo‘ da Casa em ignorar os pedidos de impeachment contra o presidente Michel Temer.

Divulgação

OAB não aceita que Câmara seja usada para proteger grupos políticos, diz Lamachia

Mais cedo, Rodrigo Maia rebateu esse comunicado e ironizou o pedido da OAB para que a Câmara analise, enfim, os pedidos de impeachment contra o presidente da República. ‘Não me cabe comentar as resoluções do Conselho Federal da OAB, não sou comentarista de agenda de advogados. Como também não creio que caiba ao presidente da OAB comentar ritos e procedimentos do processo legislativo‘, disse Maia ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado.

Em resposta às afirmações de Maia, Lamachia disse que ‘o presidente da Câmara dos Deputados parece não conhecer trechos da Constituição que são fundamentais para que ele exerça o cargo que está ocupando‘. ‘Uma das incumbências dele é apreciar o pedido de impeachment, algo que ele tem se recusado a fazer. Por outro lado, não é função do presidente da Câmara atuar como muralha de proteção a aliados políticos investigados.‘

Afastamento

A OAB protocolou um pedido de afastamento do peemedebista na Câmara em 25 de maio. A entidade máxima da Advocacia atribui a Temer crime de responsabilidade, em violação ao artigo 85 da Constituição no episódio JBS. No total, já são 20 pedidos de impedimento contra o presidente da República. Ainda assim, os pedidos não têm sido foco de análise da Casa.

‘A OAB tem a obrigação, estabelecida pela Constituição, de zelar pelo correto cumprimento da lei e pelo funcionamento das instituições que compõem a democracia. Por isso, a OAB não aceita que a Câmara dos Deputados seja usada para proteção de um ou outro grupo político‘, explicou Claudio Lamachia.

‘O Brasil precisa de homens públicos comprometidos com uma agenda ética e moral, não com paixões partidárias, ideológicas ou ligadas a outros interesses que não sejam os republicanos. É hora de a Câmara parar de agir com cinismo, como se nada estivesse ocorrendo no País, e começar a apreciar os pedidos de impeachment‘, diz a nota da OAB.



// leia também

Quarta, 28 de junho de 2017

15:11 - Renan vai deixar liderança do PMDB no Senado com discurso crítico a Temer

14:39 - STF retoma julgamento sobre validade de delações da JBS

10:36 - MPF abriu procedimento para investigar Miller a respeito da JBS

10:35 - Pena de Duque mais que dobra e chega a 43 anos na Lava Jato

10:33 - Renan e Jucá divergem sobre reforma trabalhista

10:33 - Deputados aprovam oito emendas da MP da regularização fundiária

10:32 - Temer sufoca a PF, afirma procurador após suspensão de passaportes

10:31 - Começa sessão da CCJ do Senado para votar parecer da reforma trabalhista

10:29 - Senadores discutem restrições de entrada em sessão para votar parecer de reforma

08:21 - Supremo retoma caso JBS e discute revisão de acordos de delação premiada