WhatsApp Twuitter

Segunda, 19 de junho de 2017, 08h17

Política Nacional

Michel Temer grava vídeo para pedir punição a criminosos


Antes de embarcar para a Rússia e a Noruega e à espera de uma denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ainda nesta semana, o presidente Michel Temer gravou ontem um vídeo para ser postado em redes sociais hoje no qual afirma que criminosos não ficarão impunes no País. Ele, no entanto, não cita diretamente o empresário Joesley Batista, da JBS, que colocou, após sua delação premiada, o governo federal em crise.

Temer aproveitou o vídeo para explicar sua viagem para a Europa, que começa na segunda e termina na sexta-feira, e para se defender das acusações de Joesley. Em entrevista à revista Época deste fim de semana, o empresário disse que o presidente é chefe de uma organização criminosa. Joesley obteve da Procuradoria-Geral da República (PGR) imunidade de seus crimes. Na gravação, Temer afirma que questões políticas têm atravancado o avanço da economia. Na Rússia e na Noruega, ele vai tratar de acordos comerciais.

A mensagem foi filmada no domingo no Palácio do Alvorada após o presidente se reunir à tarde, no Palácio do Jaburu, com seus principais ministros para tratar da viagem internacional e desenhar a estratégia de ação enquanto estiver fora do País.

Compareceram à reunião no Jaburu, residência oficial de Temer, os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, da Secretaria-Geral, Moreira Franco, da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, e do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Sérgio Etchegoyen.

No encontro ficou acertado que Moreira Franco não viajará com Temer, como estava previsto, e ficará em Brasília para ajudar na recomposição da base e reforçar a defesa do presidente caso surjam novos fatos.

Com uma semana mais curta no Congresso por causa das festas juninas e com a ausência de Temer, o presidente em exercício, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e ministros do núcleo político vão retomar hoje o trabalho de reaglutinação da base para tentar barrar uma eventual denúncia de Janot contra o presidente por corrupção passiva, organização criminosa e obstrução de Justiça. A justificativa oficial, porém, é a de que o governo pretende garantir os votos para aprovar as reformas trabalhista e da Previdência.

Ainda na segunda, a Polícia Federal encerra o inquérito em que Temer e o ex-assessor da Presidência e ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) são investigados. Os agentes federais também devem incluir o resultado da perícia nos áudios gravados por Joesley da conversa com Temer.

A avaliação do governo é a de que as afirmações de Joesley contra Temer na entrevista não surtiram efeito negativo na base parlamentar. Na segunda, Temer apresentará à Justiça as ações cível e penal contra o empresário por “desfiar mentiras”.

Estratégia

O Planalto e aliados têm adotado a estratégia de desqualificar as acusações de Joesley. No domingo, o vice-líder do governo na Câmara, deputado Beto Mansur (PRB-SP), afirmou que a entrevista não trouxe nenhuma novidade. “Ele é um bandido confesso que tem credibilidade zero”, afirmou Mansur. “Não podemos ficar presos a essa agenda de denúncias”, disse.

Para o vice-líder do PMDB na Câmara, Carlos Marun (MS), agora “é um bom momento para retomar os votos para aprovar a reforma da Previdência”.

Aliados esperam que Maia, mesmo no Palácio do Planalto, reassuma o papel de articulador do governo e coordene amanhã a reunião de líderes da Câmara. Os encontros estão esvaziados há cerca de um mês, desde a divulgação da delação de Joesley. “Esse ritual tem de voltar”, afirmou Mansur.

 



// matérias relacionadas

Domingo, 10 de dezembro de 2017

14:30 - Temer participa de reunião da OMC em Buenos Aires

08:33 - Temer viaja para Argentina com expectativa de acordo com UE

Quarta, 06 de dezembro de 2017

20:30 - Temer cria comitê para desenvolver ações direcionadas à mulher

Terça, 05 de dezembro de 2017

16:18 - Troca de comando da PF/MT está indefinida

14:04 - Brasil e Bolívia assinam acordos nas áreas de defesa e transporte

11:38 - Temer discute acordos com Evo Morales no Planalto

Sábado, 02 de dezembro de 2017

17:30 - Temer diz que vai verificar votos para aprovar PEC da Previdência até 6ª-feira

16:30 - Trabalhamos para entregar 25 mil casas em dezembro, diz Temer

14:30 - Acordo de perdas de planos econômicos deve injetar R$ 12 bi na economia

Sexta, 01 de dezembro de 2017

20:04 - Temer faz indicação política para ANA e surpreende cúpula do meio ambiente


// leia também

Segunda, 11 de dezembro de 2017

08:36 - Operação da Polícia Federal investiga esquema de propina em créditos tributários

08:21 - Senado fará esforço para votar propostas às vésperas do recesso

Domingo, 10 de dezembro de 2017

14:00 - Magno Malta usa CPI para se cacifar como vice de Bolsonaro

08:20 - Alckmin propõe fechar questão pela reforma da Previdência

Sábado, 09 de dezembro de 2017

09:17 - Convenção do PSDB neste sábado marcará pré-lançamento de Alckmin à Presidência

09:00 - Banco Central pode ter de explicar inflação baixa pela primeira vez

08:26 - 124 deputados de partidos da base dizem votar contra reforma da Previdência

Sexta, 08 de dezembro de 2017

17:45 - 'Usei minha impopularidade para fazer as reformas necessárias', diz Temer em SP

16:45 - 'Não debato com pessoas condenadas por crime', diz Moro referindo-se a Lula

16:30 - Como prevenção, Moro sugere que Petrobras acompanhe nível de vida de executivos