WhatsApp Twuitter

Segunda, 19 de junho de 2017, 11h41

Temer levará acordos aos russos


Com a intenção de passar uma mensagem de normalidade, em meio ao acirramento da crise política, o presidente Michel Temer embarca nesta segunda-feira, 19, para uma agenda de quatro dias na Rússia e na Noruega. Na pauta, a busca por comércio, investimentos e cooperação. Enquanto na primeira parada a agenda será eminentemente econômica, na segunda ele deverá ouvir críticas a medidas aprovadas pelo Congresso, que reduzem áreas de preservação ambiental.

Temer anunciará em Moscou a entrada em vigor de um acordo que evita a dupla tributação entre os dois países. ‘Esse acordo foi assinado em 2004, mas só passou no Congresso em maio‘, diz Diego Bonomo, gerente executivo de Comércio Exterior da CNI. Temer também pretende assinar outro acordo, ligado a investimentos e facilitação de comércio.

Os russos buscam equilibrar a balança comercial, historicamente favorável ao Brasil. ‘Eles querem abertura do Brasil para trigo, peixes e frutas, para prosseguir abrindo espaço para carnes‘, afirmou ao Estado o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, que está na Ásia e não acompanhará Temer. Em 2016, o Brasil respondeu por 60% das importações russas de proteína animal.

Temer vai também ‘vender‘ projetos de concessão em infraestrutura. Os russos já indicaram interesse em operar a Ferrovia Norte-Sul, que deve ir a leilão em fevereiro. Serão ainda oferecidas oportunidades em óleo e gás, como as áreas de exploração de petróleo a serem leiloadas em setembro.

Meio ambiente

O avanço do desmatamento e a aprovação, pelo Congresso, de duas medidas provisórias que reduzem as áreas de proteção ambiental na Amazônia e aguardam a sanção presidencial, deverão estar no centro das reuniões de Temer na Noruega, com o rei Harald 5º, a primeira-ministra Erna Solberg e com o presidente do Parlamento, Olemic Thommessen.

A Noruega é a maior financiadora do Fundo Amazônia, que mantém 89 projetos de combate ao desmatamento, regularização fundiária e gestão territorial de terras indígenas. O país já aportou nele R$ 2,8 bilhões.

A estatal norueguesa Statoil tem investimentos em exploração de petróleo no Brasil e Temer também deverá oferecer a ela as áreas a serem leiloadas.

Mas, tanto lá quanto na Rússia, deverá ser questionado sobre a prorrogação do Repetro, programa que suspende a cobrança de impostos nos projetos de exploração de óleo e gás.
A Noruega integra, com a Suíça, a Islândia e o Liechtenstein, um bloco de livre comércio chamado Efta, com o qual o Mercosul negocia um acordo similar. A primeira rodada de entendimentos ocorreu semana passada, em Buenos Aires.  



// matérias relacionadas

Domingo, 10 de dezembro de 2017

14:30 - Temer participa de reunião da OMC em Buenos Aires

08:33 - Temer viaja para Argentina com expectativa de acordo com UE

Quarta, 06 de dezembro de 2017

20:30 - Temer cria comitê para desenvolver ações direcionadas à mulher

Terça, 05 de dezembro de 2017

16:18 - Troca de comando da PF/MT está indefinida

14:04 - Brasil e Bolívia assinam acordos nas áreas de defesa e transporte

11:38 - Temer discute acordos com Evo Morales no Planalto

Sábado, 02 de dezembro de 2017

17:30 - Temer diz que vai verificar votos para aprovar PEC da Previdência até 6ª-feira

16:30 - Trabalhamos para entregar 25 mil casas em dezembro, diz Temer

14:30 - Acordo de perdas de planos econômicos deve injetar R$ 12 bi na economia

Sexta, 01 de dezembro de 2017

20:04 - Temer faz indicação política para ANA e surpreende cúpula do meio ambiente


// leia também

Segunda, 11 de dezembro de 2017

08:36 - Operação da Polícia Federal investiga esquema de propina em créditos tributários

08:21 - Senado fará esforço para votar propostas às vésperas do recesso

Domingo, 10 de dezembro de 2017

14:00 - Magno Malta usa CPI para se cacifar como vice de Bolsonaro

08:20 - Alckmin propõe fechar questão pela reforma da Previdência

Sábado, 09 de dezembro de 2017

09:17 - Convenção do PSDB neste sábado marcará pré-lançamento de Alckmin à Presidência

09:00 - Banco Central pode ter de explicar inflação baixa pela primeira vez

08:26 - 124 deputados de partidos da base dizem votar contra reforma da Previdência

Sexta, 08 de dezembro de 2017

17:45 - 'Usei minha impopularidade para fazer as reformas necessárias', diz Temer em SP

16:45 - 'Não debato com pessoas condenadas por crime', diz Moro referindo-se a Lula

16:30 - Como prevenção, Moro sugere que Petrobras acompanhe nível de vida de executivos