WhatsApp Twuitter

Segunda, 19 de junho de 2017, 14h28

Janot e Alejandra Carbó põem Lava Jato na Argentina


O Ministério Público Federal e o Ministério Público Fiscal da Argentina assinaram acordo e um memorando no qual firmam compromisso institucional para incrementar a investigação na área penal. Os documentos que consolidam a parceria foram subscritos pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e a procuradora-geral argentina, Alejandra Gils Carbó. Por meio deles, as duas instituições criam Equipe Conjunta de Investigação (ECI) para os crimes relacionados à operação Lava Jato e caso Odebrecht, sobre obras públicas argentinas.

‘As ações realizadas pela ECI visam ao esclarecimento das condutas ilícitas, bem como a uma eficaz investigação financeira que possibilite a obtenção de medidas cautelares e a imobilização de ativos com o objetivo da recuperação do produto ou proveito do delito‘, informou a Procuradoria-Geral da República.

O Ministério Público Federal e a Procuradoria da Argentina nomearão, cada um, até seis membros para integrar a ECI, sendo definido um líder de equipe de cada parte, ao qual compete coordenar os demais integrantes. O acordo só vai entrar em vigência após a tramitação pela autoridade central de cooperação internacional, a Secretaria Nacional de Justiça.

O acordo prevê que os documentos, as informações e qualquer outro meio de prova obtido pela Equipe Conjunta de Investigação tramitarão entre os membros do grupo e poderão ser utilizados nas investigações, procedimentos e processos relativos aos ilícitos que motivaram sua criação.

O grupo se compromete às ‘limitações de uso da prova derivadas dos princípios da especialidade, boa-fé, legalidade e non bis in idem, e as condições de recusa previstas em tratados internacionais‘.

O acordo tem vigência de um ano, com possibilidade de prorrogação, a partir da entrada em vigor, que está sujeita a formalidades previstas em tratado.

Memorando

Na quinta-feira, 15, Janot e Carbó assinaram, também, memorando de cooperação interinstitucional. O objetivo do documento é trocar experiências sobre técnicas de investigação, negociação, conflitos, capacitação técnica entre as instituições, assim como a troca de informação, quando possível, no marco das investigações e dos processos penais.

De acordo com o memorando, os Ministério Públicos cumprirão de forma apropriada os pedidos de assistência jurídica penais que tramitarão pelas autoridades centrais designadas nos tratados vigentes e prestarão informação sobre o estado em que os pedidos se encontram. Prevê ainda a troca de informação espontânea e a criação de equipes conjuntas de investigação.

Os procuradores-gerais dos dois países ratificam a intenção de ‘fortalecer a cooperação bilateral para a prevenção, a investigação e persecução de crimes internacionais, em particular dos crimes contra a humanidade‘.

‘A assinatura do acordo e do memorando avançam na concretização de um trabalho coordenado de maneira ampla e rápida entre os Ministério Públicos do Brasil e da Argentina com o objetivo de rastrear a corrupção em seus países‘, destaca a Procuradoria-Geral da República.
 



// matérias relacionadas

Quarta, 28 de junho de 2017

20:20 - Senador atesta que atuou de forma republicana

14:39 - STF retoma julgamento sobre validade de delações da JBS

10:37 - Fagundes combina reunião com 'homem da mala'

10:35 - Pena de Duque mais que dobra e chega a 43 anos na Lava Jato

10:32 - Temer sufoca a PF, afirma procurador após suspensão de passaportes

Terça, 27 de junho de 2017

18:35 - Janot defende denúncia e diz que ninguém está acima da lei

17:46 - Temer classifica denúncia de 'ficção', critica Janot e cobra provas concretas

15:51 - 'Denúncia é grave, mas não é condenação', ameniza Alckmin

14:50 - Eunício diz que denúncia contra Temer cabe ao STF e à Câmara

13:20 - Reunidas as assinaturas para recurso contra arquivamento


// leia também

Quarta, 28 de junho de 2017

15:11 - Renan vai deixar liderança do PMDB no Senado com discurso crítico a Temer

10:36 - MPF abriu procedimento para investigar Miller a respeito da JBS

10:33 - Renan e Jucá divergem sobre reforma trabalhista

10:33 - Deputados aprovam oito emendas da MP da regularização fundiária

10:31 - Começa sessão da CCJ do Senado para votar parecer da reforma trabalhista

10:29 - Senadores discutem restrições de entrada em sessão para votar parecer de reforma

08:21 - Supremo retoma caso JBS e discute revisão de acordos de delação premiada

08:14 - Denúncia contra Temer reforça onda de pressão no PSDB pelo desembarque

Terça, 27 de junho de 2017

18:06 - Nicolao Dino é o mais votado por procuradores para suceder Janot na PGR

12:49 - No dia seguinte da denúncia, Temer passa a manhã no Jaburu