WhatsApp Twuitter

Segunda, 19 de junho de 2017, 14h28

Janot e Alejandra Carbó põem Lava Jato na Argentina


O Ministério Público Federal e o Ministério Público Fiscal da Argentina assinaram acordo e um memorando no qual firmam compromisso institucional para incrementar a investigação na área penal. Os documentos que consolidam a parceria foram subscritos pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e a procuradora-geral argentina, Alejandra Gils Carbó. Por meio deles, as duas instituições criam Equipe Conjunta de Investigação (ECI) para os crimes relacionados à operação Lava Jato e caso Odebrecht, sobre obras públicas argentinas.

‘As ações realizadas pela ECI visam ao esclarecimento das condutas ilícitas, bem como a uma eficaz investigação financeira que possibilite a obtenção de medidas cautelares e a imobilização de ativos com o objetivo da recuperação do produto ou proveito do delito‘, informou a Procuradoria-Geral da República.

O Ministério Público Federal e a Procuradoria da Argentina nomearão, cada um, até seis membros para integrar a ECI, sendo definido um líder de equipe de cada parte, ao qual compete coordenar os demais integrantes. O acordo só vai entrar em vigência após a tramitação pela autoridade central de cooperação internacional, a Secretaria Nacional de Justiça.

O acordo prevê que os documentos, as informações e qualquer outro meio de prova obtido pela Equipe Conjunta de Investigação tramitarão entre os membros do grupo e poderão ser utilizados nas investigações, procedimentos e processos relativos aos ilícitos que motivaram sua criação.

O grupo se compromete às ‘limitações de uso da prova derivadas dos princípios da especialidade, boa-fé, legalidade e non bis in idem, e as condições de recusa previstas em tratados internacionais‘.

O acordo tem vigência de um ano, com possibilidade de prorrogação, a partir da entrada em vigor, que está sujeita a formalidades previstas em tratado.

Memorando

Na quinta-feira, 15, Janot e Carbó assinaram, também, memorando de cooperação interinstitucional. O objetivo do documento é trocar experiências sobre técnicas de investigação, negociação, conflitos, capacitação técnica entre as instituições, assim como a troca de informação, quando possível, no marco das investigações e dos processos penais.

De acordo com o memorando, os Ministério Públicos cumprirão de forma apropriada os pedidos de assistência jurídica penais que tramitarão pelas autoridades centrais designadas nos tratados vigentes e prestarão informação sobre o estado em que os pedidos se encontram. Prevê ainda a troca de informação espontânea e a criação de equipes conjuntas de investigação.

Os procuradores-gerais dos dois países ratificam a intenção de ‘fortalecer a cooperação bilateral para a prevenção, a investigação e persecução de crimes internacionais, em particular dos crimes contra a humanidade‘.

‘A assinatura do acordo e do memorando avançam na concretização de um trabalho coordenado de maneira ampla e rápida entre os Ministério Públicos do Brasil e da Argentina com o objetivo de rastrear a corrupção em seus países‘, destaca a Procuradoria-Geral da República.
 



// matérias relacionadas

Segunda, 16 de outubro de 2017

22:06 - Aliados de Temer culpam Supremo por divulgação de vídeos

17:18 - Irmãos Batista viram réus por manipulação de mercado financeiro

13:21 - Randolfe recorre ao STF para que votação seja aberta

Domingo, 15 de outubro de 2017

10:06 - Lava Jato altera disputas eleitorais nos Estados em 2018

09:21 - Doleiro Lúcio Funaro cita propina ao presidente da Caixa Econômica

08:41 - Defesa de Temer critica vazamento de delação de Funaro

Sexta, 13 de outubro de 2017

14:50 - Moro dá 48 horas para defesa de Lula entregar recibos originais de aluguel

12:23 - PT muda posição e deve votar pelo afastamento de Aécio Neves

11:02 - Senado articula votação secreta para decidir sobre afastamento de Aécio

Quinta, 12 de outubro de 2017

17:40 - Parlamentares estão sob suprema proteção, diz procurador da Lava Jato


// leia também

Segunda, 16 de outubro de 2017

20:42 - Geddel foi o primeiro a ligar quando minha irmã foi solta, diz Funaro

16:40 - Moraes é relator de mandado de segurança para que votação sobre Aécio seja aberta

14:13 - Defesa de Dilma usará delação de Funaro para pedir anulação do impeachment

14:05 - Temer envia carta 'desabafo' a parlamentares e diz ser 'vítima' de conspiração

13:38 - Militantes tucanos criam site pró-Alckmin

12:15 - Doria elogia MBL, rejeita 'rótulo' de direita e defende suas viagens

10:35 - A eleição da moral e dos bons costumes

09:51 - PF faz buscas no gabinete de deputado irmão de Geddel

09:48 - Morre em São Paulo o ex-deputado Ricardo Zarattini

07:45 - Congresso terá semana com foco em denúncia contra Temer e retorno de Aécio