WhatsApp Twuitter

Segunda, 19 de junho de 2017, 14h33

Temer deixa Planalto e segue para base aérea para embarcar para a Rússia


O presidente Michel Temer deixou na tarde desta segunda-feira, 19, o Palácio do Planalto e foi para a base aérea, onde embarcará para sua viagem à Rússia e para a Noruega. Integrarão a comitiva do presidente apenas três ministros: Marcos Pereira (Indústria e Comércio Exterior), Sarney Filho (Meio Ambiente) e Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo). O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, que está na China, vai se incorporar à comitiva brasileira já na Rússia. Além dos titulares das pastas, comporão a comitiva secretários dos ministérios da Agricultura, Fazenda e Energia, além de secretários de Parcerias de Programas de Investimentos (PPI). O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, passa a comandar o país assim que Temer deixar o espaço aéreo brasileiro.

Antes de decidir embarcar para a Rússia e Noruega, Temer já havia sido alertado por aliados de que a sua ausência durante uma semana do país precisava ser bem articulada. Hoje, ele decidiu atrasar o embarque em três horas - das 11h30 para as 14h30 - para fazer os últimos ajustes e finalizar a estratégia para se manter no controle das ações no Brasil mesmo distante. Ao manter a viagem, segundo fontes, Temer mostra que não está intimidado com as acusações de Joesley Batista.

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, e da Casa Civil, Eliseu Padilha, que são os homens mais fortes do presidente serão os responsáveis por ‘cuidar do Planalto‘ na gestão do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que assumirá a presidência. Hoje pela manhã, ao chegar no Planalto, o presidente se reuniu com os dois ministros. Moreira, que é sogro de Maia, inicialmente viajaria com o presidente, mas decidiu ficar para ajudar na defesa do governo e também no monitoramento da base aliada, que se prepara para receber a denúncia que o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, deve apresentar contra o presidente.

Apesar de contar com o esvaziamento da Câmara e Senado por causa das festas juninas para dar um ‘ar de normalidade‘, Temer sabe que não pode deixar vácuos no Congresso e como tarefas e missões deixou ordens aos aliados que defendam o governo publicamente. Segundo auxiliares, o governo quer checar nesta semana o máximo possível as insatisfações da base para que elas sejam atendidas.
 



// leia também

Segunda, 16 de outubro de 2017

22:06 - Aliados de Temer culpam Supremo por divulgação de vídeos

20:42 - Geddel foi o primeiro a ligar quando minha irmã foi solta, diz Funaro

17:18 - Irmãos Batista viram réus por manipulação de mercado financeiro

16:40 - Moraes é relator de mandado de segurança para que votação sobre Aécio seja aberta

14:13 - Defesa de Dilma usará delação de Funaro para pedir anulação do impeachment

14:05 - Temer envia carta 'desabafo' a parlamentares e diz ser 'vítima' de conspiração

13:38 - Militantes tucanos criam site pró-Alckmin

13:21 - Randolfe recorre ao STF para que votação seja aberta

12:15 - Doria elogia MBL, rejeita 'rótulo' de direita e defende suas viagens

10:35 - A eleição da moral e dos bons costumes