WhatsApp Twuitter

Quinta, 12 de outubro de 2017, 07h45

Temer enviou mais MPs proporcionalmente do que Dilma e Lula


Com 518 dias na Presidência desde o afastamento da ex-presidente Dilma Rousseff, em maio do ano passado, o presidente Michel Temer já enviou 78 medidas provisórias ao Congresso Nacional. Com uma média de uma MP encaminhada a cada 6,64 dias, Temer enviou proporcionalmente mais medidas do que seus antecessores.

Antônio Cruz/Agência Brasil

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que também foi criticado pelo excesso de medidas provisórias, mandou ao Congresso Nacional uma MP a cada 6,99 dias em seus oito anos na Presidência. Já Dilma teve uma média menor, com uma a cada 9,64 dias.

A média do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ficou bem acima de seus sucessores: uma MP a cada 1,94 dia em seus dois mandatos. A maioria, no entanto, foi editada antes das mudanças promovidas por uma emenda constitucional promulgada em 2001, que restringiu o uso do instrumento. Ficou proibida, por exemplo, a reedição ilimitada de medidas, a edição de medidas para alteração orçamentária (salvo em caso de urgência) e instituição ou majoração de impostos.

Pressão

Ontem, em embate com o presidente Temer, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, disse que não votaria mais nenhuma MP enquanto não for alterado o rito de tramitação desse instrumento no Congresso Nacional.

Para o cientista político Rafael Cortez, da Tendências Consultoria, o exagero do governo Michel Temer na edição de medidas provisórias se deve à pressão do cenário econômico, que exige velocidade na reconstrução de uma agenda econômica tendo em vista a necessidade de ajuste fiscal. Por outro lado, o enfraquecimento político do governo em meio à votação de denúncias contra o presidente tem atrapalhado a coordenação das lideranças com a base governista.

‘O instrumento da medida provisória funciona bem quando o governo tem mais controle sobre a base aliada. Mas, neste momento de enfraquecimento político do governo Temer, diversos grupos políticos buscam aumentar seu poder de barganha, e conflitos não resolvidos de votações anteriores aparecem agora com mais força‘, avalia.

Esse contexto, acrescenta Cortez, abre espaço para que as medidas enviadas pelo Executivo sejam totalmente desfiguradas pelo parlamento, a exemplo do Refis e da reoneração da folha de pagamentos. ‘Nessa situação, o governo acaba tendo que ceder demais, ou prefere optar por deixar caducar as medidas. Só que, diferentemente de um projeto de lei, uma medida provisória gera mais expectativa por ter vigência imediata. Logo, o custo de uma não aprovação ou de uma desistência é muito maior‘, completa.

Ainda assim, o cientista político acredita que Rodrigo Maia não deve cumprir ao pé da letra a ameaça de não mais pautar em plenário as MPs enviadas pelo governo ao Congresso. ‘O tom do presidente da Câmara tem muito a ver com questões pendentes ainda da votação da primeira denúncia contra Temer. É preciso saber inclusive até que ponto Maia pode barrar as medidas caso ele decida de fato não colocá-las em votação‘, conclui.



// matérias relacionadas

Sexta, 23 de fevereiro de 2018

11:47 - Menção a Temer supera Lula e Bolsonaro nas redes sociais

08:32 - Temer anula nomeação de Cristiane Brasil como ministra do Trabalho

Quinta, 22 de fevereiro de 2018

15:10 - Senador Wellington Fagundes depõe à PF em inquérito contra Temer

13:22 - Maia volta defender redução de ministérios em lugar de criação de impostos

Quarta, 21 de fevereiro de 2018

21:00 - Padilha diz que indicação para o Trabalho 'possivelmente' continua com PTB

16:22 - Jucá diz que MDB vai trabalhar para ter candidato próprio à Presidência

13:50 - Interino deve permanecer no Ministério do Trabalho até março, diz líder

11:56 - Do Planalto, Vale Rocha faz primeira reunião com equipe de Direitos Humanos

11:53 - Líderes do PTB se reúnem com Temer e devem tratar de indicação para o Trabalho

08:43 - Exonerada, Luislinda irá a Suíça representar governo em evento


// leia também

Sábado, 24 de fevereiro de 2018

15:30 - Para aumentar bancada, PR insiste em ter Tiririca

14:00 - Lava Jato já bloqueou US$ 44 milhões no exterior em 2018

13:30 - Arthur Virgílio foi extremamente injusto com o partido e comigo, diz Alckmin

13:00 - Candidatura de Temer é direito dele, afirma Alckmin

11:30 - Moro ordena nova perícia em sistemas da Odebrecht, na ação do sítio de Atibaia

08:44 - Sistema de propina pagou terreno do Instituto Lula, diz perícia

08:35 - Virgílio desiste e Alckmin deve ser o candidato do PSDB à Presidência

Sexta, 23 de fevereiro de 2018

21:30 - Resultados da Lava Jato garantem bloqueio de US$ 44 milhões no exterior

19:30 - Recurso de Lula será julgado, diz presidente do TRF-4

14:03 - Toffoli diz que vai liberar processo sobre foro privilegiado até final de março