WhatsApp Twuitter

Quinta, 11 de janeiro de 2018, 20h00

Delegado da Lava Jato vai assumir repressão a crimes financeiros da PF


O delegado de Polícia Federal Márcio Adriano Anselmo, responsável pela investigação originária da Operação Lava Jato, vai para Brasília, em missão especial. Ele aceitou o convite para assumir a Divisão de Repressão aos Crimes Financeiros (DFIN), uma das mais importantes unidades na estrutura da corporação.

Anselmo não foi apenas o responsável pela origem da Lava Jato. Durante o longo período em que integrou a força-tarefa da PF ele protagonizou capítulos históricos da investigação - por exemplo, prendeu no dia 19 de junho de 2015 o empreiteiro Marcelo Bahia Odebrecht, em São Paulo, e conduziu os inquéritos contra o ex-presidente Lula.

Desde janeiro de 2017, o delegado ocupa o posto de chefe da Corregedoria da Superintendência da Polícia Federal, no Espírito Santo.

Na quarta-feira, 10, Anselmo recebeu convite de Brasília.

Ele protagonizou alguns dos principais episódios do escândalo de corrupção na Petrobras.

Em 2013, Márcio Anselmo iniciou a operação que mirava a lavagem de dinheiro da família do ex-deputado federal José Janene (PP-PR), morto em 2010, e do doleiro Alberto Youssef. Seu trabalho, em conjunto com outros delegados e agentes federais, resultou na Lava Jato - que tese sua primeira fase ostensiva deflagrada em março de 2014.

Especialista em crimes de combate à corrupção e de lavagem de dinheiro, Anselmo assumirá a DFIN ainda em janeiro.

Anselmo pediu para sair da Lava Jato em meados de 2016, motivado ‘por esgotamento físico e mental causado pelos mais de três anos‘ que esteve à frente dos inquéritos da operação, segundo registrou em documento enviado aos comandos da PF em Curitiba e Espírito Santo, no ano passado. 



// leia também

Terça, 16 de janeiro de 2018

17:00 - Marun admite que ainda não tem votos suficientes para a reforma da Previdência

14:58 - Reforma da Previdência é prioridade, mas sem otimismo quanto à aprovação

13:20 - MPF pede 386 anos de prisão para Eduardo Cunha e 78 para Henrique Alves

10:34 - PF tem aval para avançar na criação de polícia de fronteira

10:30 - Ministério Público denuncia Fernando Capez por máfia da merenda

10:28 - Gleisi Hoffmann acusa TRF-4 de criar cortina de fumaça

09:08 - Recurso de Lula mobiliza juízes por mais segurança

08:54 - TSE vai buscar gigantes da internet para barrar fake news nas eleições

Segunda, 15 de janeiro de 2018

19:00 - Dono de gráficas confessa repasses de Youssef

18:11 - Planalto diz que encontro de Temer com diretor da PF tratou sobre segurança