WhatsApp Twuitter

Sábado, 13 de janeiro de 2018, 09h21

Eleições 2018

Palácio do Planalto teme impacto de tensão eleitoral na reforma da Previdência


O Palácio do Planalto teme que a disputa entre os pré-candidatos à Presidência Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Henrique Meirelles (PSD) e a crescente tensão eleitoral possam atrapalhar a aprovação da reforma da Previdência, marcada para o dia 19 de fevereiro.

O elogio feito pelo emedebista ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo publicada na quinta-feira, teve como principal objetivo, segundo fontes do Planalto, brecar um início de atrito entre o presidente da Câmara dos Deputados e o ministro da Fazenda.

Divulgação

Maia e Meirelles se colocam como possíveis candidatos do governo na eleição presidencial deste ano e, ao lado de Alckmin, buscam se apresentar como o nome de centro na corrida pelo Planalto. O jornal mostrou que Maia trabalha para minar Meirelles em meio a seus movimentos pela eleição, já tem equipe e articula alianças.

Temer ficou preocupado com a possibilidade de o embate entre Maia e Meirelles prejudicar a votação da reforma da Previdência, meta principal do Planalto para este ano. Na sexta, a agência de classificação de riscos Standard & Poor's informou que rebaixou a nota de crédito do Brasil em razão de "constantes" atrasos justamente na aprovação das novas regras nas aposentadorias e citou uma mudança, já descartada, na "regra de ouro", que impede a União de se endividar acima do volume de investimento.

Na semana passada, Meirelles e Maia se desentenderam publicamente sobre a regra de ouro. O ministro disse ser contra a forma como o tema foi apresentado e o deputado reagiu ordenando que a flexibilização fosse retirada da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que vinha sendo elaborada.

De acordo com colaboradores do presidente, Temer chamou Maia para uma conversa no Planalto logo depois do atrito para dizer que a prioridade absoluta é a reforma da Previdência.

Foto: Dida Sampaio/Estadão

O presidente, na entrevista, tentou ainda esfriar as pretensões de Maia e Meirelles dizendo preferir ver o ministro na condução da economia e que a prioridade do deputado deve ser a reeleição para a presidência da Câmara — se reeleito deputado federal, Maia poderá concorrer a mais um mandato à frente da Casa.

Afago

Temer distribuiu elogios a Alckmin, cuja pré-candidatura ainda sofre o impacto da entrevista de Fernando Henrique Cardoso, também ao jornal O Estado de S. Paulo, na qual o ex-presidente disse que o governador ainda precisa provar que tem capacidade de aglutinar o centro e "transmitir uma mensagem" que viabilize suas pretensões eleitorais.

Ao jornal O Estado de S. Paulo, Temer foi na direção oposta à de FHC, disse que a posição omissa de Alckmin diante da aceitação das denúncias feitas pelo ex-procurador-geral Rodrigo Janot "ficou para trás" e que o governador preenche os requisitos de transmitir "segurança e serenidade" ao eleitorado brasileiro. Temer espera abrir a porta para o governador embarcar.

A avaliação do Planalto agora é de que Alckmin trabalha para minar a concretização da grande aliança de centro que, na pretensão de Temer, uniria todos os partidos da base, conseguiria a maior parcela de tempo na TV e resultaria em mais recursos do fundo eleitoral para enfrentar os líderes nas pesquisas Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

Dividendos

Na estratégia palaciana, a aprovação da reforma da Previdência seria o passo final para concretizar essa grande aliança. Fontes do Planalto têm dito que os recursos provenientes da reforma seriam investidos ainda neste ano em obras e realizações que podem trazer dividendos eleitorais para todos os partidos aliados.

Assessores de Temer argumentam também que a mudança nas regras da aposentadoria traria mais estabilidade econômica, o que também pode se traduzir em votos, e teria um caráter simbólico de coesão que pode ser levado para a eleição. 



// matérias relacionadas

Sexta, 19 de janeiro de 2018

16:12 - Collor anuncia que é pré-candidato à Presidência da República pelo PTC

11:50 - Virgílio busca se contrapor a Alckmin em agenda liberal

Quinta, 18 de janeiro de 2018

11:21 - Legítimo se preocupar com potenciais adversários, diz Meirelles sobre Maia

Quarta, 17 de janeiro de 2018

11:33 - Pré-candidato do PSDB à Presidência, Alckmin cumpre agenda em Brasília

11:29 - Cai resistência a Bolsonaro no Exército

11:18 - Deputados tucanos defendem candidatura de Doria ao governo de SP

Terça, 16 de janeiro de 2018

08:54 - TSE vai buscar gigantes da internet para barrar fake news nas eleições

Segunda, 15 de janeiro de 2018

14:26 - Ao lado de Doria, Alckmin diz que sucessão em SP não está definida

11:47 - Vice de Alckmin, Márcio França busca apoio no PSDB

08:42 - Não sou candidato a presidente da República, afirma Rodrigo Maia em NY


// leia também

Sábado, 20 de janeiro de 2018

18:00 - PF diz que Cabral algemado segue 'protocolo de segurança'

12:00 - Ordem de penhora de triplex não emite juízo sobre propriedade, afirma juíza

08:36 - Raquel Dodge vai ao Reino Unido por combate à 'escravidão contemporânea'

08:25 - Marinha defende volta de auxílio-moradia a militar

Sexta, 19 de janeiro de 2018

21:00 - Defesa de Cabral diz que está 'estarrecida com espetáculo e crueldade'

18:42 - Alckmin veta ?Segunda sem Carne? e setor produtivo apoia medida

18:30 - Peritos federais descartam 'ação criminosa' na morte de Teori

18:10 - Sérgio Cabral tem a companhia de Vaccari, Cunha e Bendine

17:53 - Novo estatuto da Caixa prevê afastamento de executivos pelo conselho diretor

16:55 - Defesa de Michel Temer pede que inquérito seja encaminhado à PGR