WhatsApp Twuitter

Quinta, 01 de fevereiro de 2018, 14h49

Lewandowski diz que vai liberar para pauta ação sobre reajuste de servidor


O ministro Ricardo Lewandoswki, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, que deve liberar para votação no plenário a ação pela qual suspendeu liminarmente a medida provisória (MP) que adiava em um ano o reajuste do funcionalismo federal e aumentava a contribuição previdenciária dos servidores que ganham mais de R$ 5,5 mil, de 11% para 14%. ‘Vou liberar para a pauta, obrigação minha. Mas quem pauta é a presidente, e ela faz isso dentro daquilo que a legislação processual determina, intimação das partes e tudo mais‘, afirmou o ministro no primeiro dia do Ano Judiciário de 2018. Segundo a reportagem apurou, Lewandowski deve liberar o assunto nos próximos dias.

Questionado sobre a questão de urgência em torno do tema, Lewandowski respondeu: Eu já proferi a minha (decisão)‘. A determinação da data em que as pautas vão ao plenário da Corte é responsabilidade da presidente do STF, ministra Cármen Lúcia.

A decisão liminar do ministro foi tomada em dezembro, em resposta a ação ajuizada pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) no Supremo. Com o adiamento do reajuste, o governo esperava economizar R$ 4,4 bilhões. Outros R$ 2,2 bilhões seriam obtidos com o aumento da alíquota previdenciária. Um dia depois da decisão, Lewandowski defendeu a suspensão da MP afirmando que ‘cada Poder tem as suas próprias preocupações‘.

Contas públicas

Especialistas ouvidos pelo Broadcast Político no início do ano acreditam que o reajuste dos servidores do funcionalismo federal tem grande chance de ser revertido pelo plenário da Corte, quando for para votação. Isso transferiria o aumento dos salários para 2019, avaliam especialistas e o próprio governo federal.

Advogados ouvidos pela reportagem entendem que o plenário pode derrubar a decisão de Lewandowski, mas descartam a possibilidade de a Corte determinar a restituição do valor já pago aos servidores em relação ao mês de janeiro.

‘Os fatos recentes da economia do Brasil estão se impondo, com as sinalizações das agências de análise risco. Isso, com certeza, entra na conta das decisões dos ministros‘, entende o advogado especialista em direito administrativo Fernando Dantas, apontando que o plenário irá, provavelmente, reverter a decisão do ministro.

Dois ministros do Supremo ouvidos reservadamente pela reportagem ao final de dezembro demonstraram preocupação com o impacto da decisão para as contas públicas, indicando que a determinação causou surpresa entre os membros da Corte.

Por ter sido uma decisão temporária, que ainda vai passar pelo julgamento do plenário do STF, o governo federal acredita que pode reverter o reajuste. Se os ministros derrubarem a posição de Lewandowski, o aumento do salários dos servidores é interrompido e passa a valer só a partir de 2019, segundo os especialistas ouvidos.

‘A decisão do Lewandowski é liminar, a análise do mérito pelo plenário é o que estabeleceria definitivamente a situação jurídica do pagamento. A irredutibilidade somente se aplicaria se o pleno do Supremo decidisse favoravelmente aos servidores, o que eu acho que não vai acontecer‘, interpreta o advogado Fernando Dantas.

É a mesma compreensão do professor da Universidade de Brasília (UnB), mestre e doutor em Direito, Estado e Constituição, Mamede Said Maia Filho. ‘Como não houve análise de mérito, foi uma decisão monocrática, se a liminar cair, o governo automaticamente para de pagar o reajuste‘, afirma o professor. Ele acredita que a votação no pleno será apertada, mas com uma forte tendência de derrubar a decisão de Lewandowski.

‘A decisão de Lewandowski tem um viés jurídico questionável, por mais justo que o reajuste seja. Da forma como se deu, o reajuste é um pouco inusitado. A interpretação é muito elástica do ponto de vista jurídico‘, afirma o professor.



// matérias relacionadas

Quarta, 23 de maio de 2018

13:54 - Rodrigo Maia diz que TSE extrapolou ao 'legislar' sobre Fundo Eleitoral

Terça, 22 de maio de 2018

17:27 - Fachin vota por condenação de Meurer por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

Segunda, 21 de maio de 2018

09:19 - Acusados de tráfico são os que mais recebem liberdade no STF

Sábado, 19 de maio de 2018

08:38 - Após baixa de 105 processos, STF volta a discutir foro privilegiado

Sexta, 18 de maio de 2018

14:59 - Fachin suspende revisão de pensões de filhas de servidores

12:30 - PF pede que Lewandowski decida se mantém no STF inquérito de Aécio

Quinta, 17 de maio de 2018

09:01 - Fachin autoriza inquérito para investigar doações da J&F ao MDB

Segunda, 14 de maio de 2018

14:20 - STF abre edital para contratar escolta armada para Edson Fachin

08:01 - Processo contra Carlos Bezerra por fraude em pregão é enviado ao TRF

Quinta, 10 de maio de 2018

14:16 - Toffoli arquiva inquérito contra senador Lindbergh Farias (PT)


// leia também

Sexta, 25 de maio de 2018

19:35 - Forças Armadas vão garantir abastecimento, afirma governo

13:39 - Presidente Michel Temer ressalta que governo buscou o diálogo a todo tempo

13:32 - Temer anuncia plano de segurança para enfrentar efeitos de desabastecimento

12:36 - Temer autoriza uso de forças federais para desbloquear rodovias - veja vídeo

09:26 - Crise expõe fragilidade do governo Temer e articulações para eleição

Quinta, 24 de maio de 2018

20:51 - Ministros de Temer anunciam acordo que suspende greve dos caminhoneiros

20:10 - Sérgio Moro põe ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares na Papuda

19:04 - Divididos, caminhoneiros não chegam a acordo com governo

18:39 - Em áudio vazado, ministros do STF criticam greve de caminhoneiros

18:32 - Greve dos caminhoneiros faz Tribunal da Lava Jato suspender expediente