WhatsApp Twuitter

Sexta, 09 de março de 2018, 09h37

POLÍTICA NACIONAL

Eleição presidencial começa ganhar forma e já tem 11 pré-candidatos


A cinco meses para o início do registro das candidaturas, a corrida eleitoral deste ano começa a ganhar forma e já reúne pelo menos 11 postulantes ao Palácio do Planalto colocados oficialmente. Nesta quinta-feira, 8, os nomes do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do ex-ministro Ciro Gomes (PDT) foram lançados por seus partidos.


Palácio do Planalto, onde fica a o gabinete da Presidência da República

Analistas apontam o cenário de incerteza na disputa presidencial, reflexo da crise política, e o fim do financiamento empresarial como determinantes para a proliferação de candidaturas. A possibilidade de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), até agora líder nas pesquisas de intenção de voto, ficar impedido de concorrer com base na Lei da Ficha Limpa também é considerada um fator para a pulverização de candidatos.

Algumas dessas candidaturas, porém, são vistas como tentativa de os partidos se cacifarem nas negociações de alianças eleitorais, como a do próprio Maia. No evento em que ‘estreou‘ como pré-candidato à Presidência, o deputado foi reverenciado por líderes de siglas do Centrão e até por tucanos, que já têm no governador Geraldo Alckmin (PSDB) seu pré-candidato. Eles ainda tentam atrair o DEM para a chapa presidencial.

A exemplo da candidatura do DEM, considerada de centro, no campo da esquerda a postulação da deputada estadual gaúcha Manuela D’Ávila (PCdoB) também é vista com ceticismo. Historicamente, o partido tem se colocado como linha auxiliar do PT e aliados dizem ter dúvidas se ela a manterá até o fim.

‘O quadro está aberto. Partido grande não tem candidato forte, candidato mais forte está em partido fraco. O primeiro colocado nas pesquisas está impedido e o outsider saiu. O governo é bom nos resultados econômicos e pessimamente avaliado. Isso tudo dá muita insegurança para se apostar em coligações agora‘, afirmou o cientista político Rubens Figueiredo.

A fragmentação vista no campo de centro, que reúne, além de Maia e Alckmin, o senador Álvaro Dias (Podemos), pode ficar ainda maior caso o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), concorra. Ele negocia filiação ao MDB, mas dirigentes da sigla têm dito que a prioridade, em caso de candidatura própria, é do presidente Michel Temer - que diz não ter a pretensão de disputar a reeleição.

‘Vemos a pré-candidatura do Maia com o mesmo respeito com que vemos a do Meirelles. E inclusive alguma do MDB que possa ser lançada‘, disse nesta quinta o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun.

Fator Lula

Na esquerda, a indefinição sobre Lula incentiva a fragmentação. Além do petista e de Ciro, o PSOL lança neste sábado, 10, o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, como pré-candidato. Embora considerada mais ao centro, a ex-ministra Marina Silva (Rede) - oficializada como pré-candidata em dezembro - disputa o mesmo eleitorado.

No outro extremo, o PSL filiou na quarta-feira, 7, o deputado Jair Bolsonaro (RJ), 2.º colocado nas sondagens eleitorais. O empresário João Amoêdo foi lançado pelo Novo em novembro.

Para o cientista político Vitor Marchetti, da Universidade Federal do ABC, uma das medidas do que chama de ‘desestruturação‘ de sistema político é o número de candidaturas. Para ele, já é possível projetar 18 nomes. ‘Nosso recorde foi em 1989, quando 22 candidatos se lançaram. A diferença é que em 1989 a descoordenação era reflexo da inauguração do regime, já 2018 é retrato de sua desconstrução.‘ Vitorioso na primeira eleição após a redemocratização, o senador Fernando Collor (AL) é pré-candidato pelo PTC.

A reportagem adotou o critério de desconsiderar pré-candidaturas não citadas nos principais institutos de pesquisa, como a da ex-apresentadora Valéria Monteiro, lançada pelo PMN.

‘Com a crise e a ausência de candidatos com poder de aglutinação, todos os partidos resolveram se aventurar‘, afirmou o cientista político Carlos Melo, do Insper. A consequência, disse, pode ser um 2.º turno entre nomes com poucos votos. Para Marchetti, ‘uma candidatura que consiga 20% dos votos no 1.º turno terá grande chance de sair vitoriosa‘.



// matérias relacionadas

Quinta, 21 de junho de 2018

12:09 - Cautelar pedida por Lula pode suspender efeito da Ficha Limpa, afirma advogado

12:08 - PT de Minas cogita Dilma como plano B a Pimentel

11:59 - Eleição pode ser anulada caso resultado seja influenciado por fake news, diz Fux

11:19 - Cármen Lúcia critica demonização da política e excesso de siglas partidárias

Segunda, 18 de junho de 2018

16:25 - Alckmin afina alianças do PSDB com PSD em jantar na casa de Kassab

16:04 - Não seria demais falar que quase tudo está errado no Brasil, diz Bolsonaro

13:18 - Alckmin diz que apoio de Temer seria honroso, mas lembra que MDB tem candidato

10:41 - Alvaro Dias recusa apoiar candidatura de irmão no Paraná

08:22 - Na Bahia, Rui Costa enfrentará temas espinhosos na campanha

Sábado, 16 de junho de 2018

13:30 - Marco Aurélio afirma que ato ressoa como censura


// leia também

Sexta, 22 de junho de 2018

11:21 - Morre aos 91 anos o ex-governador da Bahia e ex-ministro da Defesa Waldir Pires

09:09 - Lewandowski nega sessão secreta para julgamento do pedido de liberdade de Lula

09:03 - Cármen vai arquivar investigação sobre áudio de Joesley que cita ministros

Quinta, 21 de junho de 2018

13:30 - Decisão do Supremo vai destravar delações fechadas com a polícia

13:00 - Alvo de ação da PF em SP, foi diretor da Kroll e presidente da Dersa

12:30 - PF pega R$ 100 mil em dinheiro vivo com alvo de fraudes no Rodoanel de SP

11:27 - Polícia deflagra Operação Greenwich, 52ª fase da Operação Lava Jato

10:02 - Procurador diz que autorizar PF a firmar colaboração ajuda criminosos

09:59 - PF inicia operação que investiga desvio de recursos no Rodoanel

Quarta, 20 de junho de 2018

17:00 - Discussão sobre restrição de foro é retomada na Corte Especial do STJ