WhatsApp Twuitter

Quarta, 11 de abril de 2018, 16h49

'Não é hora de construir plano B; meu plano é L, de Lula', diz Jaques Wagner


O ex-governador da Bahia Jaques Wagner (PT) afirmou que o atual momento não é o ideal para discutir nomes que possam substituir o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Operação Lava Jato, nas próximas eleições. Em visita ao acampanhamento montado na frente da sede da Polícia Federal em Curitiba, Wagner rejeitou discussões sobre um eventual ‘plano B‘ e afirmou que seu plano é ‘L‘, de Lula.

‘Desde o primeiro momento, eu sempre conversei com o Lula e com os companheiros da direção nacional do partido, que qualquer discussão no âmbito do PT significa concordar com a interdição da candidatura do Lula. Então, eu entendo que não é hora de ficar construindo plano A, B, C ou D. Eu gosto de dizer que sou plano L, de Lula. Ou plano U, de único candidato para mim‘, disse o ex-governador, que já foi apontado com um dos nomes para disputar as eleições pelo PT.

Ao analisar o quadro eleitoral sem Lula, Wagner avaliou que a transmissão de votos para outro candidato à Presidência deve ser vista com ressalvas.

‘Algumas pesquisas dizem que qualquer candidato que ele disser ’esse é o meu candidato’, consegue ficar com 25% ou 30% dos votos. A transmissão de votos não é algo tão simples assim, porque depende muito de quem for o indicado. Eu já vi muitas vezes o Lula apoiar gente e não ser eleito para governador, prefeito. Então, não é tão automático‘, disse.

Apesar de reconhecer a legitimidade de outras candidaturas, o ex-governador defendeu a união dos nomes do campo de esquerda em uma mesma frente para eleição.

‘Em todas as conversas que eu tive com a direção do partido eu gosto de dizer e continuo dizendo que não é hora de discutir nomes, é hora de discutir plataforma que unifique o campo progressista. É isso que vai dar força para a gente empurrar. O nome é consequência da força desta plataforma‘, defendeu.

Wagner criticou ainda o televisionamento das sessões do Supremo Tribunal Federal. Para ele, as transmissões acabam se traduzindo em pressão contra os membros da Corte.

‘Eu não acho bom para a democracia brasileira o bate-boca de membros do Supremo Tribunal Federal. Isso acaba rebaixando uma liturgia que a gente tem que garantir para o Supremo. Ele é a última trincheira da democracia brasileira‘, disse. 



// matérias relacionadas

Sexta, 20 de julho de 2018

18:37 - Lula pede tempo para Sepúlveda decidir sobre saída da defesa

Quinta, 19 de julho de 2018

14:50 - Favreto, Gebran e Moro são intimados pelo CNJ após decisões sobre soltura de Lula

14:03 - STJ julga prejudicado pedido da PGR contra habeas corpus de Lula

Sexta, 13 de julho de 2018

11:54 - Cela não pode servir de palanque a Lula, diz advogado

08:00 - Defesa de Lula diz que Delcídio fez acusação para obter 'benefícios'

Quinta, 12 de julho de 2018

15:30 - STJ recebe mais 260 habeas corpus em favor de Lula

13:51 - Juiz do DF absolve Lula e outros seis réus no caso Delcídio

Quarta, 11 de julho de 2018

14:59 - Presidente do STJ nega 143 pedidos de liberdade para Lula

Terça, 10 de julho de 2018

14:43 - Presidente do STJ nega pedido de liberdade ao ex-presidente Lula

10:25 - Lula diz que será candidato para 'recuperar soberania do País'


// leia também

Sexta, 20 de julho de 2018

19:04 - DEM da Bahia pede ajuda a Alckmin para resolver impasse com PSDB

15:32 - Programa do PT propõe implantação de renda básica e reforma do Judiciário

14:33 - PDT lança candidatura de Ciro Gomes a presidente

13:43 - Josué Gomes diz que candidatura deve ser programática

13:15 - Paulo Rabello de Castro oficializa candidatura à Presidência pelo PSC

12:47 - Kassab diz que Josué Alencar é um 'excelente nome' para ser vice de Alckmin

11:51 - PDT deve oferecer ao PSB vaga de vice de Ciro Gomes

11:17 - PF prende ex-governador de Mato Grosso do Sul André Puccinelli

Quinta, 19 de julho de 2018

14:13 - Bolsonaro manda emissário para tentar salvar aliança com PRP

09:02 - Bolsonaro é rejeitado por partidos e terá 8 segundos para fazer sua campanha