WhatsApp Twuitter

Quinta, 12 de abril de 2018, 17h00

Líderes de partidos de esquerda participam de atos na Europa em favor de Lula


Atos em defesa da liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reuniram, nesta quinta-feira (12), em Barcelona (Espanha), a ex-presidente Dilma Rousseff, e em Lisboa (Portugal), Guilherme Boulos, candidato à Presidência da República pelo PSOL. Na capital portuguesa, participaram do evento ‘O futuro das lutas democráticas: em defesa da democracia brasileira‘, no Teatro Capitólio, o ex-ministro Tarso Genro (PT), Catarina Martins (deputada do Bloco de Esquerda de Portugal) e Pablo Iglesias (do Podemos da Espanha).

Após conversar com prefeita da cidade de Barcelona (Espanha), Ada Colau, Dilma Rousseff destacou a importância da ‘solidariedade internacional‘ e agradeceu o apoio a Lula. Ela fez ainda menção à Declaração Universal dos Direitos Humanos: ‘Só a democracia pode dirigir uma sociedade na qual todos têm iguais oportunidades‘.

Dilma pretende ainda viajar para os Estados Unidos para atos em defesa de Lula. Os partidos espanhóis de esquerda Podemos e IU e os sindicatos majoritários CCOO e UGT apoiam os atos.

Portugal

Em Lisboa, Guilherme Boulos afirmou à Agência Brasil que foi a Portugal defender a democracia, não somente a liberdade de Lula, que está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. ‘A unidade que estamos discutindo aqui não é de uma candidatura, é pela democracia no Brasil, contra o retrocesso, contra o avanço do fascismo, essa é a unidade que está em jogo no momento‘, disse.

Para Tarso Genro, a democracia brasileira vive um momento delicado com ameaças de agravamento da violência e até ‘desintegração política do país‘. Manuela D’Ávila, pré-candidata à Presidência da República pelo PCdoB, enviou um áudio para o evento, pois não conseguiu participar do ato. ‘Minha pré-candidatura, assim como a do Boulos, é comprometida com a disputa eleitoral democrática, com rumos progressistas para o Brasil‘, afirmou Manuela.

Também presente no ato, Boaventura Sousa Santos, pensador, escritor e professor português, defendeu a libertação de Lula e a concessão do Prêmio Nobel da Paz para o ex-presidente.

O ato, em Portugal, foi organizado pela Fundação José Saramago e pelo Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.
 



// matérias relacionadas

Sexta, 20 de abril de 2018

16:00 - Aliados de Lula se revezam para manter 'vigília' em Curitiba

09:58 - STJ envia recurso do ex-presidente Lula ao Supremo

08:54 - Defesa de Lula pede prioridade no julgamento do recurso do petista no STF

Quinta, 19 de abril de 2018

16:55 - Raquel Dodge diz que não executar pena de Lula é afronta aos precedentes do STF

Quarta, 18 de abril de 2018

13:49 - TRF-4 rejeita por unanimidade último recurso da defesa de Lula na 2ª instância

Terça, 17 de abril de 2018

17:00 - Após visita, senadores falam em preocupação com 'isolamento' de Lula

10:05 - Apoiadores de Lula protestam contra a prisão do ex-presidente - veja fotos e vídeos

Segunda, 16 de abril de 2018

16:26 - Manifestantes pró-Lula desocupam triplex no Guarujá

09:20 - Manifestantes do MTST ocupam tríplex que motivou a prisão de Lula

Domingo, 15 de abril de 2018

08:59 - Maioria dos eleitores acha justa prisão de Lula, aponta Datafolha


// leia também

Sexta, 20 de abril de 2018

19:00 - Governo vai editar decreto para regulamentar reforma trabalhista

18:00 - Lava Jato pede execução de confisco de apartamento de luxo de ex-diretor do DER

16:14 - 'Essa denúncia é um absurdo', reage advogado preso na operação da JBS

13:47 - Geraldo Alckmin é investigado pelo Ministério Público paulista

13:40 - Justiça Federal torna Cabral réu pela 23ª vez na Lava Jato

10:54 - Marina se defende de apoio a Aécio em 2014 e apoia fim de foro privilegiado

08:23 - STJ manda denúncia contra Marconi Perillo para a 1ª instância

Quinta, 19 de abril de 2018

18:00 - Não convenci a mim mesmo que devo ser candidato, diz Joaquim Barbosa

17:00 - Marco Aurélio pede inclusão na pauta do STF de ação do PCdoB sobre 2ª instância

16:59 - STF decide, por 6 votos a 5, que Maluf não pode entrar com recurso