WhatsApp Twuitter

Terça, 15 de maio de 2018, 13h47

campanhas passadas

Inquérito sobre caixa 2 de Alckmin vai ficar com Promotoria do Patrimônio


O procurador-geral da Justiça, Gianpaolo Smanio, afirmou nesta terça-feira (15) que o inquérito civil que investiga as doações recebidas pelo ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) nas campanhas de 2010 e 2014 vai continuar com a Promotoria do Patrimônio Público da Capital.

Reprodução

Segundo o Ministério Público de São Paulo, Smanio avaliou o caso e determinou que a possível improbidade administrativa fosse investigada pela Promotoria.

Alguns executivos da Odebrecht citaram o repasse de R$ 10,7 milhões para as campanhas de Alckmin em 2010 e 2014.

O ex-governador sustentava que só o procurador-geral tinha atribuição para o caso. A definição de Smanio, amparada em recente decisão do STJ (Superior Tribunal de Justiça), altera visão consolidada no Ministério Público de São Paulo.

Todos os procuradores-gerais antecessores de Smanio entenderam que a atribuição para investigar ex-governadores é da Procuradoria-Geral de Justiça. O inquérito no âmbito da Promotoria Eleitoral também terá prosseguimento.

De acordo com o artigo 115 da Lei Orgânica do Ministério Público compete ao procurador-geral de Justiça se pronunciar sobre questões de atribuição envolvendo o Ministério Público de São Paulo.

Leia a nota enviada pelo Ministério Público de São Paulo:

"O procurador-Geral de Justiça, Gianpaolo Smanio, anunciou na sessão do Conselho Superior do Ministério Público, na manhã desta terça-feira (15/5), que o inquérito civil sobre doações recebidas pelo ex-governador Geraldo Alckmin nas campanhas de 2010 e 2014 permanecerá na Promotoria do Patrimônio Público da Capital, onde foi instaurado.

Depois de analisar todas as informações do inquérito, a partir de provocação da defesa do ex-governador por intermédio de petição apresentada à Procuradoria-Geral de Justiça, Smanio concluiu que eventual ato de improbidade cometido por Alckmin naquelas ocasiões deve ser investigado pela Promotoria. O ex-governador sustentava que só o PGJ tinha atribuição para o caso.

A definição de Smanio, amparada em recente decisão do Superior Tribunal de Justiça, altera visão consolidada no MPSP. Todos os procuradores-gerais antecessores de Smanio entenderam que a atribuição para investigar ex-governadores é da Procuradoria-Geral de Justiça. O inquérito no âmbito da Promotoria Eleitoral também terá prosseguimento. De acordo com o artigo 115 da Lei Orgânica do Ministério Público, compete ao procurador-geral de Justiça se pronunciar sobre questões de atribuição envolvendo o MPSP". 



// leia também

Terça, 22 de maio de 2018

21:00 - No Senado, relator adia votação de texto sobre proteção de dados

19:00 - Marina diz buscar aliança com partidos que a apoiaram em 2014

17:27 - Fachin vota por condenação de Meurer por corrupção passiva e lavagem de dinheiro

16:47 - Paulo Maluf é novamente condenado pela Primeira Turma do STF

16:42 - TJ-MG rejeita pedido de Azeredo para aguardar em liberdade julgamento de embargos

16:00 - Governo não solicitou mudança em política de preços, diz Guardia

14:00 - ONU rejeita pedido de medidas cautelares de Lula para ser solto

13:51 - Justiça nega recurso e pede prisão imediata de Eduardo Azeredo

10:11 - TSE deve discutir hoje cota do fundo eleitoral para mulheres

09:54 - Justiça analisa último recurso de Azeredo no mensalão mineiro