WhatsApp Twuitter

Quarta, 16 de maio de 2018, 18h00

Mantega e senadores prestarão depoimento sobre pagamentos da J&F ao MDB


O ex-ministro da Fazenda Guido Mantega e os senadores Eduardo Braga (MDB-AM), Jader Barbalho (MDB-PA), Eunício Oliveira (MDB-CE), Renan Calheiros (MDB-AL), Valdir Raupp (MDB-RO) e o atual ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Vital do Rego serão ouvidos no âmbito do inquérito instaurado no Supremo Tribunal Federal (STF) para apurar um esquema de pagamentos milionários do grupo J&F a congressistas do MDB.

As suspeitas foram levantadas nas delações premiadas do executivo Ricardo Saud e do ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado.

Ao autorizar a abertura de inquérito, Fachin também atendeu aos pedidos da Procuradoria-Geral da República (PGR) para a realização de oitivas de Mantega, de Vital do Rego e dos senadores emedebistas. Os delatores Sérgio Machado, Ricardo Saud e o empresário Joesley Batista também prestarão depoimento.

‘Com relação à abertura das investigações, como sabido, uma vez requerida a abertura de investigações pela Procuradoria-Geral da República, incumbe ao relator deferi-la, (...) não lhe competindo qualquer aprofundamento sobre o mérito das suspeitas apontadas‘, escreveu o ministro Edson Fachin, em decisão assinada na última segunda-feira, 14.

Em sua delação, Saud disse ter havido pagamento da ordem de R$ 46 milhões a senadores do MDB, a pedido do PT. De acordo com o executivo, apesar de diversas doações terem sido oficiais, tratava-se de ‘vantagem indevida‘, já que dirigentes do PT estariam comprando o apoio de emedebistas para as eleições de 2014 para garantir a aliança entre os dois partidos.

Fachin também autorizou o pedido da PGR de verificação tanto das ‘doações eleitorais efetuadas pela JBS‘ aos diretórios do MDB do Pará, Alagoas, Sergipe, Amapá quanto de ‘eventual atuação dos parlamentares em favor da empresa‘.

Os gabinetes dos senadores e de Vital do Rego foram procurados pela reportagem e não haviam se manifestado até a publicação deste texto. Em nota, o MDB informou repudiar ‘mais uma tentativa de criminalização da política‘. ‘Esperamos que a conclusão deste inquérito seja rápida e acreditamos que ao final a verdade será restabelecida‘, disse o partido. O PT ainda não se pronunciou. 



// matérias relacionadas

Quarta, 27 de junho de 2018

14:49 - Fachin vai abrir diligências para apurar irregularidades em delação da J&F

Segunda, 25 de junho de 2018

15:40 - MPF denuncia Marcello Miller, Joesley Batista e advogados por corrupção

Domingo, 20 de maio de 2018

08:28 - Dodge reforça pedido de rescisão de delação de Wesley Batista

Quinta, 17 de maio de 2018

16:26 - Marun apela para que Joesley seja punido por versão mentirosa

Quarta, 25 de abril de 2018

19:00 - Joesley confirma na PF R$ 500 mil para Ciro Nogueira 'na garagem de casa'

Terça, 20 de março de 2018

19:00 - MPF recorre de soltura de Joesley e pede que processo volte a juiz Vallisney

Sexta, 09 de março de 2018

14:57 - Joesley Batista e Ricardo Saud são soltos pela Justiça Federal no DF

Terça, 27 de fevereiro de 2018

13:52 - Joesley depõe na PF sobre Marcello Miller

Quinta, 15 de fevereiro de 2018

21:00 - 'Não é hora para arrependimentos', diz defesa de Joesley


// leia também

Terça, 14 de agosto de 2018

19:00 - Vamos isentar de IR quem ganha até cinco salários mínimos, diz Haddad

17:21 - Em programa de governo, Bolsonaro propõe ministério único na economia

16:30 - Presidente Michel Temer sanciona lei geral de proteção de dados

16:02 - 2ª Turma do STF retira de Moro trechos de delações da Odebrecht que citam Lula

15:58 - Bolsonaro diz que votará contra reajuste de salários dos ministros do STF

15:56 - Amoêdo diz que vai bancar entre 15% e 20% de sua campanha presidencial

14:20 - Lava Jato exige fiança de R$ 1,5 mi de Vaccarezza em cinco dias

14:12 - Bolsonaro é o sétimo a registrar candidatura à Presidência

13:10 - Eleição não pode atrapalhar apuração do caso Marielle, diz Anistia Internacional

13:00 - 'Fiz uso de caixa 2, mas não agi como corrupto', diz Cabral à Justiça