WhatsApp Twuitter

Quinta, 12 de julho de 2018, 19h45

sessão tensa

Vereador muda de opinião e vota contra processo de impeachment de Crivella


Por 29 a 16 votos a base de Marcelo Crivella (PRB) conseguiu evitar no fim da tarde desta quinta-feira, 12, a abertura do processo de impeachment contra o prefeito. A oposição precisava dos votos da maioria simples do quórum dos vereadores presentes (metade mais um) para a abertura do processo. O número final já era esperado, já que 17 vereadores assinaram o requerimento que permitiu a interrupção do recesso parlamentar para a votação. O vereador Professor Adalmir, do PSDB, no entanto, mudou de opinião e votou contra a abertura do processo.

Divulgação

Marcelo Crivella

A votação foi tensa do lado de fora e de dentro da Câmara. A todo momento, manifestantes das galerias pró e contra Crivella trocavam acusações. O duelo verbal prejudicou as falas dos vereadores, e seguranças precisaram intervir diversas vezes para diminuir os ânimos.

Um dos momentos de tensão foi protagonizado pelos vereadores David Miranda (PSOL) e Otoni de Paula (PSC), que é da base de Crivella. Ao terminar sua fala, Otoni se dirigiu ao grupo contrário a Crivella que na galeria estava fazendo gestos insultuosos em sua direção. David então pediu a palavra e chamou Otoni de hipócrita.

Em resposta, o parlamentar do PSC fez uma dança ironizando David, que entendeu o gesto como homofóbico e afirmou que processará Otoni. Aos repórteres no final da sessão, Otoni disse que Davi deu um ‘piti gay‘ assim como ele também deu um ‘piti hétero‘. Afirmou também que seu gesto não foi homofóbico.

Outro momento tenso foi quando a vereadora Rosa Fernandes, do MDB, discursou para justificar seu voto a favor da abertura do processo. Sob gritos de ‘traidora‘, vindos da plateia a favor de Crivella, Rosa falou que recebeu uma ameaça por telefone relacionada ao seu voto na sessão.

‘Estou dizendo isso porque não vou ser mais uma Marielle, nem vou abrir mão das minhas convicções. Alguém irresponsável usou o telefone para fazer esse tipo de coisa‘, disse. Três vereadores faltaram à sessão: Chiquinho Brazão (MDB), Verônica Costa (MDB) e Carlos Bolsonaro (PSC).

A assessoria de Bolsonaro afirmou que o vereador faltou porque está em uma viagem em Santa Catarina. O presidente da Câmara, Jorge Felippe (MDB), não votou, de acordo com o regimento interno da Casa, assim como o vereador Átila Nunes (MDB), por ter sido autor de um dos pedidos de abertura do processo.



// matérias relacionadas

Segunda, 16 de julho de 2018

19:10 - Justiça bloqueia R$ 3,1 milhões de Crivella e mais 8

16:31 - Justiça proíbe Crivella de usar máquina pública para beneficiar grupos religiosos

Sexta, 13 de julho de 2018

09:29 - MP investiga demissão em massa para contratação de aliados de Crivella

Quinta, 12 de julho de 2018

12:50 - Maioria simples pode abrir impeachment de Crivella, diz Procuradoria da Câmara

Quarta, 11 de julho de 2018

09:16 - Câmara do Rio começa a discutir hoje impeachment de Crivella

Terça, 10 de julho de 2018

18:00 - Oposição consegue assinaturas para suspender recesso e investigar Crivella no Rio

Segunda, 09 de julho de 2018

13:55 - Vereador do MDB protocola pedido de impeachment contra Crivella


// leia também

Sábado, 21 de julho de 2018

08:59 - PSOL vai confirmar Guilherme Boulos como candidato à Presidência

08:19 - Janaína Paschoal critica sistema político após veto de PRP

Sexta, 20 de julho de 2018

19:04 - DEM da Bahia pede ajuda a Alckmin para resolver impasse com PSDB

18:37 - Lula pede tempo para Sepúlveda decidir sobre saída da defesa

15:32 - Programa do PT propõe implantação de renda básica e reforma do Judiciário

14:33 - PDT lança candidatura de Ciro Gomes a presidente

13:43 - Josué Gomes diz que candidatura deve ser programática

13:15 - Paulo Rabello de Castro oficializa candidatura à Presidência pelo PSC

12:47 - Kassab diz que Josué Alencar é um 'excelente nome' para ser vice de Alckmin

11:51 - PDT deve oferecer ao PSB vaga de vice de Ciro Gomes