WhatsApp Twuitter

Sexta, 16 de junho de 2017, 08h45

POLÍTICA DE MT

Imóvel entregue por Sílvio pertence a Silval Barbosa

Celly Silva, repórter do GD


O vínculo de fidelidade entre o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) e seu ex-chefe de gabinete Sílvio César Corrêa Araújo é tão forte que, até no momento de sair da prisão, Silval não deixou seu companheiro para trás.

O imóvel entregue por Sílvio à Justiça como forma de obter a prisão domiciliar ao invés da preventiva que cumpria no Centro de Custódia da Capital (CCC), na realidade, pertence ao chefe. O imóvel consiste nos lotes 3 e 4 da Rua Amsterdam, quadra 13, no bairro Rodoviária Parque, em Cuiabá, avaliado em R$ 472.9 mil.

Reprodução

Casa de amparo funciona em imóvel entregue por Silval e Sílvio à justiça

O terreno é uma extensão de um dos imóveis entregues por Silval como parte do ressarcimento ao erário por seus crimes de desvios de dinheiro público ao longo da gestão, entre 2011 e 2014. Silval entregou para alienação um imóvel localizado nos lotes 1 e 2, quadra 13 da Rua Amsterdam, no bairro Rodoviária Parque, em Cuiabá, com edificação, avaliado em R$ 1.2 milhão.

No local, funciona a Casa de Amparo que atende à população dos municípios que compõem o Consórcio Intermunicipal de Saúde Vale do Peixoto, que são Matupá, Peixoto de Azevedo, Novo Mundo, Guarantã do Norte e Terra Nova do Norte, reduto eleitoral de Silval Barbosa. O local abriga pessoas que precisam vir daquela localidade para Cuiabá devido a tratamentos médicos.

Laços estreitos

Foi naquela região do Nortão do estado que o ex-governador e o ex-chefe de gabinete se conheceram, conforme aponta a decisão da juíza Selma Arruda, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, baseada em declarações já prestadas por Silval aos investigadores.

Silval e Sílvio se conheceram em Matupá (685 Km ao Norte de Cuiabá), quando o segundo era piloto de avião. Desde 2003, quando Silval se tornou deputado estadual, Sílvio o acompanha como chefe de gabinete, o que se manteve quando ele se tornou governador, entre 2011 e 2014. 

Otmar de Oliveira

Sílvio e Silval estavam juntos (no banco de trás) na saída do CCC

O réu, apontado como líder da organização criminosa que desviou milhões dos cofres estaduais, ainda detalhou quais eram as atribuições daquele a quem chama de seu “braço direito”, já que Silval não tinha como acompanhar todas as transações espúrias. A alcunha já havia sido dada pela promotora de Justiça Ana Cristina Bardusco em todas as denúncias que apresentou na operação Sodoma.

“Disse que se trata de pessoa de sua extrema confiança e que recebia diversas missões no interesse da organização criminosa, como arrecadar propinas, realizar pagamentos de dívidas, realizar transações com alguns operadores financeiros, fazer reuniões com empresários, controlar os pagamentos das propinas, já que muitas vezes não conseguia saber de todos os assuntos, sendo Sílvio o seu braço direito tanto nos assuntos lícitos como nos ilícitos”, diz trecho dos autos.
 



// matérias relacionadas

Quarta, 23 de maio de 2018

08:39 - Silval está inconformado com pena de 14 anos de prisão e apela de condenação

Sexta, 11 de maio de 2018

13:30 - Ex-governador Silval Barbosa agiu como 'sócio das receitas do Estado'

12:00 - Propina, caixa 2 e compra de gado resultaram na condenação de Silval e mais 15 réus

08:40 - Silval, Riva, Nadaf e mais 12 são condenados por corrupção; veja as penas de cada um

Terça, 24 de abril de 2018

10:04 - Juíza manda MST desocupar fazenda de Silval entregue em delação

Sexta, 13 de abril de 2018

07:15 - Polícia investiga membros por vazamentos de operação que prendeu Silval

Quarta, 28 de março de 2018

18:42 - Dono de mansão de R$ 5 mi pede justiça gratuita

Sexta, 23 de março de 2018

07:48 - Inimigos públicos, Faiad deseja sorte a Selma na carreira política

Quarta, 21 de março de 2018

11:46 - Sindicância na Fecomércio coloca em risco delação de Nadaf

Sexta, 09 de março de 2018

07:23 - Juíza revoga prisão do delator Silvio Corrêa, aliado de Silval


// leia também

Quinta, 24 de maio de 2018

07:30 - Juiz rejeita prescrição e torna empresário e servidor réus por fraudes na SES

Quarta, 23 de maio de 2018

20:01 - Presidente do TJ concede escolta policial à juíza Selma Arruda por mais 24 horas

14:11 - Mulher que se feriu em ônibus deverá receber DPVAT

12:15 - Justiça anula estabilidade de servidora efetivada sem concurso

11:30 - Empresa de transportes é condenada por jornada exaustiva de motoristas

10:07 - Justiça condena grupo em R$ 2,2 milhões por irregularidades em hidrelétrica

08:55 - Ministério Público é contra revogação de prisões da Bereré

08:14 - Ex-assessora de Selma Arruda confirma prioridade em 'processos midiáticos'

07:42 - Juiz nega pedido do MPE para prender João Arcanjo até 2027

Terça, 22 de maio de 2018

17:56 - OAB consegue liminar que impede transferências irregulares de presos