WhatsApp Twuitter

Segunda, 19 de junho de 2017, 08h20

POLÍTICA DE MT

Juíza já havia determinado reforço na segurança de Silval

Celly Silva, repórter do GD


Uma decisão do último dia 9, quatro dias antes da soltura do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), mostra que a juíza Selma Rosane Santos Arruda, da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, já havia determinado reforço na segurança dele e de seu ex-chefe de gabinete Sílvio César Corrêa Araújo. Na ocasião, ambos ainda se encontravam presos no Centro de Custódia da Capital (CCC).

João Vieira

Juíza Selma Arruda

O pedido de providências quanto à segurança dos réus nas ações penais decorrentes das operações Sodoma e Seven - que apuram esquemas de corrupção no governo, entre 2011 e 2014 – foi enviado ao diretor da unidade prisional Jean Carlos Gonçalves e ao assessor especial da Secretaria de Estado de Justiça e direitos Humanos Riadi Omar Fares.

A juíza, diante da alegação da defesa de que Silval sofria risco dentro da prisão, mandou que o caso fosse investigado e, em caso de confirmação, que fosse feito o remanejamento ou transferência dos presos “para local mais seguro”.

“Com relação ao temor externado pela defesa, embora sem qualquer comprovação nos autos de que tenha havido ameaça ou assédio em face dos réus, determino seja oficiado à SEJUDH para que informe se há notícia nesse sentido e, em havendo, para que providencie para que os acusados SILVAL DA CUNHA BARBOSA e SILVIO CESAR CORREA ARAÚJO permaneçam a salvo, em segurança, até a decisão deste juízo quando ao cerne do pedido formulado pela defesa. Neste sentido, deverá o Sr. Secretário de Estado responsável providenciar reforço à segurança, remanejamento dos presos no Centro de Custódia da Capital, ou mesmo na transferência dos presos para local mais seguro, a exemplo do que já ocorreu com outros acusados em situação semelhante”, diz trecho da decisão. 

Otmar de Oliveira

Silval Barbosa e Sílvio Corrêa deixaram CCC na noite de terça (13)

As alegadas ameaças e pressões que Silval vinha sofrendo desde que surgiram boatos de que estaria fazendo acordo de delação premiada foram um dos motivos que o levaram a ter as prisões preventivas - que cumpria há cerca de 1 ano e nove meses - serem convertidas em prisão domiciliar. Agora, ele cumpre a medida restritiva em seu apartamento no edifício Riviera d’América, no bairro Jardim das Américas, em Cuiabá.
 



// matérias relacionadas

Quarta, 28 de junho de 2017

11:45 - Empresa depositou R$ 17 mil para esposa de coronel

Terça, 27 de junho de 2017

11:27 - Delator paga R$ 300 mil e promotora pede arquivamento de denúncia

Segunda, 26 de junho de 2017

16:09 - Familiares de Silval receberam R$ 1,8 milhão da JBS/Friboi

Domingo, 25 de junho de 2017

10:30 - Silval aponta Nadaf como 'mentor' pelo desvio de R$ 15 milhões

Segunda, 19 de junho de 2017

16:50 - Dez deputados visitaram Silval em um único dia, revela advogado

11:32 - Secretário será ouvido em processo por corrupção

11:08 - Audiência é refeita para ouvir Alexandre César

Sábado, 17 de junho de 2017

15:48 - Silval já tem 4 confissões marcadas por juíza

Sexta, 16 de junho de 2017

21:45 - Prisão domiciliar de Silval não muda rotina em edifício de luxo

16:40 - Maggi rechaça ter mandado emissário para falar com Silval


// leia também

Quarta, 28 de junho de 2017

17:06 - Família de Silval admite ter negócios com a JBS, mas nega propina

14:52 - Juiz rejeita embargos e mantém cassação de Lucimar

13:09 - Riva e Sérgio Ricardo são condenados por empregarem filha de magistrado

Terça, 27 de junho de 2017

17:00 - TJ reduz pela metade fiança de servidor da Sefaz preso por corrupção

15:00 - Preso confirma ao Gaeco que foi 'laranja' a pedido de servidor do TCE

13:01 - Juiz arquiva inquérito da Ararath contra Mauro Mendes

09:34 - Juiz manda soltar coronéis acusados de vazar detalhes sobre prisões

Segunda, 26 de junho de 2017

17:17 - TCE aponta 'garis fantasmas' e barra pagamento de R$ 1,6 mi à Ecopav

17:03 - TJ mantém prisão de sindicalista alvo do Gaeco

14:22 - Ex-secretário tenta impedir prisão; magistrada nega