WhatsApp Twuitter

Segunda, 19 de junho de 2017, 17h51

Golpe de R$ 50 milhões

STJ nega redução de fiança e soltura de 'comparsa' de ex-vereador

Karine Miranda, repórter do GD


O ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Joel Ilan Paciornik, indeferiu o pedido de habeas corpus para reduzir a fiança e determinar a soltura do empresário Walter Dias Magalhães Júnior. O empresário é sócio do Grupo Soy, suspeito de integrar uma quadrilha que teria dado golpes de até R$ 50 milhões em Mato Grosso. A decisão é do ultimo dia 8.

Walter Dias foi preso em 27 de agosto do ano passado, durante a investigação da Operação Castelo de Areia. O ex-presidente da Câmara Municipal de Cuiabá, o ex-vereador João Emanuel Moreira Lima, o pai dele, o juiz aposentado Irênio Lima Fernandes, e o irmão, Lázaro Moreira Lima, também são suspeitos de integrar a suposta quadrilha.


STJ nega redução de fiança e soltura de  Walter Dias Magalhães

A decisão pela liberdade já havia sido garantida pela Justiça, ainda no ano passado, mediante pagamento de fiança no valor de R$ 6,16 milhões. Na ocasião, Walter ofereceu uma fazenda chamada “Santa Fé”, de mil hectares, localizada no município de Jaciara (146 Km a Sudeste de Cuiabá), como garantia.

Porém, a juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Selma Rosane Santos Arruda, se recusou a expedir o alvará de soltura sob a alegação de que a fazenda dada como fiança era “fantasma”. O desembargador Orlando Perri também não concedeu a soltura por entender que Walter Dias deveria ter apresentado outro bem, a título de fiança, à 7ª Vara Criminal de Cuiabá.

A defesa de Walter, então, recorreu ao STJ sob a alegação de que o valor da fiança é excessivo, incompatível com o patrimônio do réu. Além disso, aponta que a prisão cautelar perdura por cerca de 240 dias sem que a instrução criminal tenha sido encerrada. Isto porque as audiências foram remarcadas e até a oitiva das testemunhas teve de ser repetida por falta de qualidade na gravação dos depoimentos.

Aponta ainda que “a defesa não contribuiu para a demora no processamento do feito”, diz trecho do habeas corpus. O ministro Joel Ilan, por sua vez, entendeu que não foi possível identificar o constrangimento ilegal ou, ainda, a presença de urgência para a concessão do pedido de liminar.

Por isso, determinou que “a pretensão deve ser submetida à análise do órgão colegiado, oportunidade na qual poderá ser feito exame aprofundado das alegações relatadas após manifestação do Parquet. Por tais razões, indefiro o pedido de liminar”, escreveu.



// matérias relacionadas

Quinta, 29 de março de 2018

07:44 - João Emanuel age para atrapalhar andamento processual, afirma juíza

Segunda, 26 de março de 2018

07:44 - Justiça nega diminuição de 120 dias na pena de João Emanuel

Quinta, 01 de março de 2018

16:30 - Leitura na prisão não reduz pena de ex-vereador

Sexta, 23 de fevereiro de 2018

07:59 - João Emanuel vai ao Supremo para afastar juíza Selma

Segunda, 22 de janeiro de 2018

19:29 - João Emanuel ganha HC, mas continua preso

Terça, 28 de novembro de 2017

18:32 - TJ reduz e parcela em duas vezes fiança de 'comparsa' de ex-vereador

Quarta, 22 de novembro de 2017

10:12 - Processo contra casal acusado de estelionato chega à reta final

Segunda, 31 de julho de 2017

12:14 - Juíza manda quebrar sigilo bancário de ré por estelionato

Quinta, 13 de julho de 2017

14:38 - Emanuel e Walter Dias travam disputa acirrada

08:20 - Estelionatário acusa João Emanuel e admite prejuízo às vítimas


// leia também

Domingo, 22 de abril de 2018

08:30 - Justiça acata ação do Ministério Público e 'expulsa' sindicato de terreno público

Sábado, 21 de abril de 2018

08:30 - Juiz anula estabilidade de servidor da Assembleia efetivado sem concurso

Sexta, 20 de abril de 2018

17:17 - TJ autoriza protesto de R$ 5,5 mi contra cooperativa que foi presidida por Eraí

15:49 - Farmacêuticos estão proibidos de aplicar botox e outros procedimentos estéticos

15:35 - Justiça libera R$ 1,8 milhão aos trabalhadores de Hospital Regional de Sinop

12:13 - Empresário Zezo Malouf é alvo de penhora de R$ 3,6 milhões - veja fac-símile

11:15 - Wilson Santos é condenado em R$ 6 milhões e perda direitos políticos

11:00 - Investigações do Gaeco avançam em outros contratos no Detran

08:31 - Mauro Mendes sofre bloqueio de R$ 300 mil em ação por fraude em leilão

08:01 - Cidinho quer testemunha do Maranhão em ação por desvio de rendas públicas