WhatsApp Twuitter

Sexta, 09 de fevereiro de 2018, 19h29

pedido de habeas corpus

Defesa contesta liberdade do coronel Zaqueu por 'ter mais crimes'

Karine Miranda, repórter do GD


A defesa do cabo Gerson Luiz Ferreira Corrêa Júnior afirmou que vai recorrer da decisão dos juízes militares, que manteve a prisão do policial denunciado por participação no esquema de interceptações clandestinas operado em Mato Grosso, supostamente a mando do 1º escalão do governo Pedro Taques (PSDB). Para a defesa, houve disparidade na análise do pedido de soltura.

Chico Ferreira

Defesa contesta decisão que manteve cabo Gerson preso

A manutenção da prisão foi decidida na tarde desta sexta-feira (9), ao término da audiência de instrução do processo oriundo do esquema dos grampos que analisou o pedido de soltura do cabo Gerson Corrêa e do coronel Zaqueu Barbosa, ex-comandante-geral da Polícia Militar.

Na ocasião, os juízes mantiveram a prisão do cabo, porém, concederam liberdade ao coronel Zaqueu Barbosa, que obteve a substituição da prisão preventiva pela domiciliar com uso de tornozeleira eletrônica.

Leia mais - Juízes mantém cabo Gerson preso; coronel Zaqueu ganha domiciliar

Ambos foram presos em maio do ano passado e denunciados pelo procurador-geral de Justiça, Mauro Curvo, acusados de participação dos grampos militares executados por meio da modalidade "barriga de aluguel”. Teriam sido vitimas dos grampos centenas de pessoas, entre políticos, empresários, jornalistas e um desembargador aposentado.

Para o advogado Neyman Augusto Monteiro, que faz a defesa do cabo Gerson, houve “uma disparidade incrível” no julgamento de ambos os pedidos de soltura. Isto porque pesam contra o cabo “somente” dois crimes - falsidade ideológica e falsificação de documentos – mas, apesar disso, ele não obteve liberdade.

“Disparidade incrível, que nem tem o que eu falar, porque se falar, vai falar coisa que não deve”, disse o advogado.

Questionado se acreditava que a decisão se deu em decorrência das diferentes patentes dos dois militares, a defesa preferiu não se manifestar. Contudo, insinuou que o fato de o coronel estar sendo julgado por juízes militares, que também são coronéis, pode ter influenciado na decisão de soltura do coronel Zaqueu.

“Eu não quero me manifestar nessa situação, mas fica a critério de vocês. O coronel tem mais crimes que ele e foi concedida a soltura, a liberdade dele. O Gerson tem dois crimes só, imputados a ele. O coronel tem mais e conseguiu liberdade”, reforçou.

Agora, a defesa assegurou que vai impetrar um novo pedido de habeas corpus para tentar colocar o cabo Gerson em liberdade. Sobre a possibilidade de que o seu cliente firme um acordo de delação premiada, que poderia culminar em sua soltura e no pleno esclarecimento de todo o esquema, a defesa afirmou que ainda não analisa essa possibilidade.

“Agora não está se pensando nisso. Temos que sentar com ele com mais calma, após levar uma paulada dessas”, afirmou o advogado Neyman Augusto Monteiro.



// matérias relacionadas

Sexta, 16 de fevereiro de 2018

09:21 - Preso por grampos, cabo Gerson pede liberdade e aponta falta de isonomia

Quinta, 15 de fevereiro de 2018

16:30 - Ministro do STJ permite que casal Lesco volte a manter contato

Quarta, 14 de fevereiro de 2018

10:19 - Juiz interroga mais testemunhas contra militares envolvidos com grampos

Segunda, 12 de fevereiro de 2018

17:27 - Justiça pede intervenção federal em MT; PGE diz que pagou dívida e pedido é incabível

Sexta, 09 de fevereiro de 2018

20:03 - MP quer manutenção de prisões de militares envolvidos na grampolândia

13:49 - Juízes mantém cabo Gerson preso; coronel Zaqueu ganha domiciliar

09:31 - Amigo de cabo da PM, contador foi interceptado por 'tabela' e teme retaliações

Quinta, 08 de fevereiro de 2018

19:23 - Julgamento de policiais envolvidos nos grampos começa nesta sexta

18:03 - Governo paga todos os servidores da ativa e aposentados nesta sexta

16:40 - Servidores cobram salário no dia 10 e ameaçam paralisação geral


// leia também

Segunda, 19 de fevereiro de 2018

16:41 - Empresa pagou R$ 1,5 milhão para Savi e Silval garantirem contrato no Detran

16:30 - CGE já apontava fraudes no Detran desde 2011

15:05 - Desembargador nega prisões de 49 investigados por fraudes no Detran - veja lista

14:15 - Decisão determina que frigorífico construa creche para filhos de empregadas

14:09 - Ex-presidente do Detran mantém silêncio sobre esquema de propina

13:50 - TJ considera lei que regula circulação de micro-ônibus inconstitucional

12:48 - Taques não rescindiu contrato por causa de multa de R$ 100 milhões

10:36 - Deputados Savi e Botelho não dão explicações sobre propina no Detran

10:00 - Ministro suspende ação de MT contra Goiás por cobrança de R$ 47 milhões

09:48 - Pedro Henry é acusado de intermediar propina no Detran