WhatsApp Twuitter

Quarta, 14 de fevereiro de 2018, 12h25

inquérito da lava jato

Ministro do STF prorroga prazo de inquérito contra Blairo Maggi

Celly Silva, repórter do GD


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) deferiu pedido da Polícia Federal, autorizando a prorrogação do prazo para conclusão do inquérito que apura suposto recebimento de propina de R$ 12 milhões do ministro da Agricultura Blairo Maggi (PP), na época em que era governador de Mato Grosso, por parte da Odebrecht. O pedido foi feito pela PF no final de janeiro e concedido pelo ministro na última sexta-feira (9).

Antonio Araujo/Mapa

Ministro Blairo Maggi é alvo de investigação na Lava Jato

A investigação contra Blairo Maggi surgiu em abril do ano passado, após os ex-executivos da construtora Norberto Odebrecht João Antônio Pacífico Ferreira e Pedro Augusto Carneiro Leão Neto firmarem acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF), no âmbito da operação Lava Jato. Além de Blairo, também é alvo do mesmo inquérito o deputado federal e ex-governador de Mato Grosso do Sul José Orcírio Miranda dos Santos (PT), o Zeca do PT.

Segundo os colaboradores, o pagamento de propina ocorreu no contexto das campanhas de reeleição de Blairo Maggi e José Orcírio ao cargo de governador de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, respectivamente, no ano de 2006. Eles relataram ter feito os repasses de dinheiro indevido por meio do Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht. Na lista de propina, Blairo Maggi era identificado como “Caldo”.

Leia também - Delator da Lava Jato cita propina de R$ 12 milhões para Blairo Maggi

João Pacífico e Pedro Leão contaram ainda que a Odebrecht detinha créditos a receber do Estado, decorrentes de obras da rodovia MT-010 realizadas anteriormente, os quais, embora reconhecidos administrativa ou judicialmente, não eram pagos. Após negociação dos executivos com o governo, foi criada uma comissão especial com o objetivo de obter repasses da União para fazer frente a esses créditos.

Divulgação

Ministro Edson Fachin concedeu mais prazo para PF investigar Maggi

Os delatores citaram ainda o ex-secretário de Estado da Casa Civil Eder Moraes como o responsável por ter se apresentado, em nome do governo, solicitando pagamento de propina em troca dos créditos negociados. Conforme os delatores, Eder usou o pretexto de contribuição eleitoral para a campanha de reeleição de Blairo Maggi ao governo do Estado.

Leia também - Delator conta como pagou propina a Eder Moraes - Veja o vídeo

Na época em que surgiu a denúncia, tanto Blairo quanto Eder negaram as acusações. O ministro alegou sua inocência, dizendo que nunca recebeu doação de campanha da Odebrecht ou que tenha autorizado alguém para que fizesse tal solicitação. Ele entregou às autoridades documentos relativos aos pagamentos feitos pelo Estado à construtora e aguarda a conclusão das apurações.

Já Eder Moraes se disse surpreso, negando ter tido contato com os executivos delatores e ainda participação na campanha de reeleição de Blairo Maggi.  



// matérias relacionadas

Quinta, 24 de maio de 2018

20:10 - Sérgio Moro põe ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares na Papuda

09:05 - Gilmar solta ex-secretário de Obras e operador financeiro de Cabral

Quarta, 23 de maio de 2018

10:41 - Fachin autoriza comissão de deputados a visitar Lula na prisão

Segunda, 21 de maio de 2018

09:11 - TSE não pode impedir candidatura de Lula, diz presidente do STF

Sábado, 19 de maio de 2018

18:00 - Lula preso quer de volta benefícios de ex-presidente

08:58 - Ex-ministro José Dirceu terá 2 horas de banho de sol e quatro refeições

Sexta, 18 de maio de 2018

10:55 - José Dirceu vai se entregar e está preocupado com a filha de 7 anos

Quinta, 17 de maio de 2018

13:32 - TRF4 nega último recurso e autoriza prisão de José Dirceu

12:03 - PF afirma que Glesi recebeu R$ 885 mil em propina na Lava Jato

11:59 - Preso, Lula não precisa de benesses conferidas a ex-presidentes, decide juiz


// leia também

Sexta, 25 de maio de 2018

18:12 - Desembargador nega liberdade a Paulo Taques e irmão presos por corrupção

11:12 - Juiz suspende por 90 dias 'expulsão' de sindicato instalado em terreno público

10:45 - Escola de Samba Mangueira e produtora terão que devolver R$ 509 mil para Cuiabá

09:54 - MPE obtém liminar que proíbe o bloqueio de estradas em Diamantino

07:57 - Weber dá 10 dias para PGR rever situação de Fagundes como réu por corrupção e lavagem

Quinta, 24 de maio de 2018

20:11 - Ministra nega HC a Mauro Savi e mantém inquérito sobre propina no Detran

17:49 - Pedido de vista adia julgamento que tenta reverter cassação de Lucimar Campos

16:12 - 'Rei do Algodão' consegue suspender leilão de fazenda de R$ 349 milhões

15:58 - Maioria vota por manter prisão de Savi, mas julgamento é adiado

15:40 - Começam as audiências em ação contra 13 réus por rombo R$ 7 milhões