WhatsApp Twuitter

Quinta, 08 de março de 2018, 18h01

Operação Bereré contra fraudes no Detran terá outras fases, diz chefe do MP

Celly Silva, repórter do GD


O procurador-geral de Justiça, Mauro Curvo, afirmou que as investigações da operação Bereré, relativas às fraudes e desvios no Departamento Estadual de Trânsito (Detran) estão apenas no começo e que, em breve, denúncias contra os envolvidos serão apresentadas à Justiça.

João Vieira

Procurador Mauro Curvo

“Nós estamos no início porque toda a delação não é um fim em si mesma. Quando alguém faz uma delação, ela revela um fato, e aí, cabe a nós que estamos no Ministério Público querendo apurar o fato, comprovar a veracidade ou não daquilo que foi falado. Aí que se inicia realmente uma investigação”, disse se referindo à delação do ex-governador Silval Barbosa, do irmão e do ex-chefe de gabinete dele, Antônio Barbosa e Sílvio César Corrêa Araújo. A declaração foi dada em entrevista à Rádio Capital FM, nesta quinta-feira (7).

O procurador adiantou que já existem muitas provas documentais e depoimentos colhidos para embasar a apuração, inclusive a citação de que apenas uma pessoa teria lavado cerca de 500 cheques. “É uma situação que já temos muitas provas, com certeza muitas provas serão obtidas e, na medida em que você vai obtendo prova, vai avançando. Daqui a pouco, com certeza já teremos pessoas denunciadas e as medidas vão ser tomadas”, asseverou.

Questionado sobre as críticas que os deputados estaduais envolvidos no caso fizeram ao trabalho do MPE, Mauro Curvo respondeu que a instituição “não investiga pessoas, investiga fatos” e que esses fatos é que levam às pessoas. “Quando as pessoas se veem investigadas, elas se sentem, naturalmente, incomodadas. É sim a regra do jogo. O que a gente pode dizer é que ninguém é melhor do que ninguém, nós estamos fazendo o nosso papel de maneira constitucional, só isso”, defendeu.

O representante ministerial também lembrou que o MP vinha apurando o contrato da EIG Mercado (antiga FDL Serviços) com o Detran desde 2013, quando ainda não se vislumbrava a existência de propina a autoridades, mas apenas a desnecessidade daquela contratação.

“Desde 2013, o Ministério Público move uma ação judicial visando retirar a empresa FDL desse serviço lá no Detran. Antes de 2013, foi feita uma notificação aos gestores à época, mostrando a desnecessidade desse serviço ser concedido, mostrando que esse serviço podia ser exercido por qualquer servidor público, bastando ter um sistema, que isso gerava valores milionários a uma empresa de forma desnecessária, em prejuízo a toda a sociedade. Tem 5 anos que a gente vem brigando! É bom lembrar que há 5 anos não existia absolutamente nada e nem ninguém afirmando que isso que está aí gerava propina para as autoridades, a gente já estava tomando providências lá atrás, mas até hoje a gente não conseguiu afastar essa empresa desse serviço”, lamentou. 



// matérias relacionadas

Sexta, 15 de junho de 2018

16:03 - Ministra do STJ nega mais um pedido de liberdade ao deputado Mauro Savi

10:38 - Ministra do STJ mantém prisão do ex-secretário Paulo Taques

08:05 - Assembleia suprime instância para tentar soltar deputado Mauro Savi

07:41 - Irmãos Taques pedem que ministra reavalie necessidade de prisões

Quinta, 14 de junho de 2018

17:29 - Tribunal de Justiça nega recurso e mantém prisão de Mauro Savi

13:55 - TJ retoma julgamento sobre prisão do deputado Mauro Savi - acompanhe

08:09 - Deputado Mauro Savi cita colega Gilmar Fabris para sair da cadeia

06:30 - EIG demite 120 funcionários do Detran após governo atrasar salários

Quarta, 13 de junho de 2018

09:23 - Desembargadores retomam julgamento que tenta 'sustar' prisão de Savi

Terça, 12 de junho de 2018

11:00 - Nome de Mauro Savi nem é citado em reunião do DEM


// leia também

Segunda, 18 de junho de 2018

09:15 - Juiz afirma que não afastou Taques por falta de pedido

08:29 - Juiz suspende escolta concedida por Taques à juíza Selma Arruda

08:01 - Empresário acusado de lavar dinheiro da Bereré pede liberdade no STJ

06:00 - Perícia da PF confirma mensagens apagadas do celular de Blairo após apreensão

Domingo, 17 de junho de 2018

11:40 - Metalúrgica de Alta Floresta é condenada por trabalho infantil

11:31 - Menor que trabalhava como mecânico de automóveis receberá R$ 10 mil em indenização

11:21 - Rede de supermercados é condenada em R$ 5 milhões por descumprir normas

11:19 - Ex-gerente consegue rescisão indireta após excesso em cobrança de metas

10:51 - Estado não pode transferir recursos aos municípios a partir de 7 de julho

10:45 - MP recomenda que empresas informem contratação de painéis publicitários