WhatsApp Twuitter

Sexta, 09 de março de 2018, 17h01

Grampolândia pantaneira

Defesas de militares processados por grampos agem de má-fé, diz promotor

Karine Miranda, repórter do GD


O promotor Milton Pereira Merquiades criticou a insistência dos militares acusados das interceptações telefônicas clandestinas, operado em Mato Grosso, em atribuir a responsabilidade do crime ao sistema de vigilância “Guardião”, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Estado (MPE).

A crítica ocorreu durante o julgamento da ação penal sobre o caso, na manhã desta sexta-feira (9). Na ocasião, a defesa do cabo Gerson Corrêa Júnior, um dos réus no processo criminal aberto contra 5 policiais militares, afirmou que as escutas passaram pelo Gaeco.

João Vieira

Promotor Milton Pereira Merquiades 

Além disso, o próprio ex-secretário de Segurança Pública, Rogers Jarbas, afastou da PM e do governador Pedro Taques a responsabilidade sobre as interceptações.

Leia mais - Ex- secretário Rogers Jarbas incrimina delegados por grampos

Para o promotor, no entanto, a defesa faz uma tentativa de “jogar a culpa” para o sistema de interceptações telefônicas sob a responsabilidade do Ministério Público do Estado, conhecido como “Guardião”, por mera “má-fé”.

“A informação que eu tenho da coordenação do Gaeco é que essas escutas não passaram pelo Gaeco. Se elas não passaram, qualquer tentativa de envolver o Guardião do Gaeco nisso é mera má-fé, ou estratégia da defesa. A estratégia a gente combate no processo”, disse.

Tentativas nesse sentido, segundo o promotor, são somente para “tumultuar” o processo que apura a existência de intercepções ilegais que teriam vitimado centenas de pessoas, entre políticos, empresários, jornalistas e um desembargador aposentado.

São réus no processo os coronéis Zaqueu Barbosa, Evandro Alexandre Ferraz Lesco e Ronelson Jorge de Barros, além do tenente-coronel Januário Antônio Batista e o cabo Gerson Luiz Ferreira Corrêa Júnior.

“Qualquer tentativa nesse sentido é para tumultuar o processo, porque, se não passaram pelo Guardião, qual a importância de estar se questionando o Guardião neste momento?”, reforçou.

O promotor destacou ainda que a defesa comentou até sobre a possibilidade de realizar perícia no sistema, para verificar se as interceptações passaram ou não pelo Guardião. Para ele, tal sugestão é acreditar que a promotoria é “fantoche”.

“Advogado ficou nervoso. Achou que eu ia ser fantoche porque estou aqui no primeiro dia. Mas a gente estuda. A gente sabe. Mas tudo jogo de cena. Esse processo da grampolândia, vocês acompanharam, todo o dia o governador o dava versão diferente para tirar o foco de cima dele. Conseguiu por um tempo, mas não conseguiu mais”, afirmou.
 



// matérias relacionadas

Sexta, 15 de junho de 2018

13:14 - Governo destinará 20% do Fundo da Saúde aos hospitais filantrópicos

12:26 - Ciro Rodolpho deixa Controladoria e assume a Casa Civil

Quinta, 14 de junho de 2018

18:35 - Júlio Modesto pede demissão da Casa Civil

Quarta, 13 de junho de 2018

15:12 - TJ nega suspeição e deixa coronéis julgar ação dos grampos contra PMs

Terça, 12 de junho de 2018

16:10 - Duplicação de trecho urbano da Estrada da Chapada entra na reta final

Sexta, 08 de junho de 2018

13:10 - Governo de MT antecipa e paga todos os servidores nesta sexta-feira

13:05 - Mauro Savi é ouvido como testemunha em inquérito da 'grampolândia pantaneira'

Quarta, 06 de junho de 2018

17:04 - Bolívia autoriza voo comercial entre Cuiabá e Santa Cruz de La Sierra

Segunda, 04 de junho de 2018

12:34 - Taques comete gafe pró-Leitão e bancada revida

10:10 - Crise entre Taques e bancada faz secretário de Aviação suspender visita a MT


// leia também

Segunda, 18 de junho de 2018

19:44 - Supremo mantém Paulo Taques preso 51 dias após operação

17:30 - Ex-deputado confirma ter recebido R$ 50 mil gravado em vídeo de delator

14:16 - PF sugere 144 novos inquéritos por delações de família Barbosa

11:15 - Emanuel diz à PF que aliado de Silval o gravou para fazer chantagem

08:29 - Juiz suspende escolta concedida à juíza Selma Arruda e não afasta Taques

08:01 - Empresário acusado de lavar dinheiro da Bereré pede liberdade no STJ

06:00 - Perícia da PF confirma mensagens apagadas do celular de Blairo após apreensão

Domingo, 17 de junho de 2018

11:40 - Metalúrgica de Alta Floresta é condenada por trabalho infantil

11:31 - Menor que trabalhava como mecânico de automóveis receberá R$ 10 mil em indenização

11:21 - Rede de supermercados é condenada em R$ 5 milhões por descumprir normas