WhatsApp Twuitter

Segunda, 12 de março de 2018, 10h53

citados pelo gaeco

Pedro Taques defende o primo, mas não carregará carga que não é sua

Arthur Santos e Pablo Rodrigo, do GD


O governador Pedro Taques (PSDB) saiu em defesa do primo, Paulo Taques, citado em depoimentos recentes de pessoas investigadas pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) e pela Delegacia Fazendária (Defaz) no esquema de propina e desvios de verbas no Departamento Estadual de Trânsito (Detran). No entanto, o tucano deixou claro que não vai carregar carga que não seja sua.

João Vieira

Paulo Taques, que ocupou o cargo de secretário de Casa Civil, foi citado em depoimento da Operação Bereré. O ex-deputado estadual José Riva, interrogado durante procedimento policial, afirmou à Polícia Civil que teria ouvido do deputado Mauro Savi (PSB) a informação que o parlamentar dividia o dinheiro da propina do Detran. Paulo Taques seria um dos beneficiados.

O escritório de advocacia que tem como um dos sócios o ex-secretário prestou serviços a EIG Mercados Ltda , empresa posta como central para o esquema criminoso.

Em defesa do primo, o governador Pedro Taques afirma que advogar não é crime, mas faz a seguinte ressalva: “Eu não vou carregar carga que não é minha”, disse o tucano em entrevista durante o Gazeta Agro, evento realizado nesta segunda-feira (12).

“Todos sabem que o escândalo do Detran eu combati desde que era senador da República. O que essas pessoas falaram e o que eu li na imprensa foi que o escritório do ex-chefe da Casa Civil advogava para eles. Se advogar é crime... Agora tiver fato errado, tem que ser investigado”, salientou o governador.

Pedro Taques nega ainda que a postura de Paulo possa ter significado tráfico de influência – Ato de solicitar, exigir, cobrar ou obter, para si ou para outra pessoa, vantagem ou promessa de vantagem, a pretexto de influir em ato praticado por funcionário público.

“Chefe de casa Civil não pode advogar. Mas isso não significa que escritório não possa advogar”, afirmou o governador.

A Operação

A Operação Bereré foi deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) e Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco).

Foram expedidos 49 mandados de busca e apreensão. Entre os alvos estão os deputados Eduardo Botelho e Mauro Savi, do PSB, e o ex-presidente do Detran, Teodoro Lopes, o Dóia.

No começo de março, foi autorizado o bloqueio de mais de R$ 27 milhões das contas de 17 pessoas e empresas acusadas de participação no esquema.
 



// matérias relacionadas

Quinta, 21 de junho de 2018

10:18 - STJ nega liberdade a empresário acusado de lavar dinheiro da Bereré

Quarta, 20 de junho de 2018

09:17 - Ministra cita criação artificial de provas para manter Paulo Taques preso

Terça, 19 de junho de 2018

13:20 - Ministra não reconhece legitimidade da AL para interceder por Mauro Savi

Segunda, 18 de junho de 2018

09:30 - Mauro Savi completa 40 dias na cadeia

Sexta, 15 de junho de 2018

16:03 - Ministra do STJ nega mais um pedido de liberdade ao deputado Mauro Savi

10:38 - Ministra do STJ mantém prisão do ex-secretário Paulo Taques

08:05 - Assembleia suprime instância para tentar soltar deputado Mauro Savi

07:41 - Irmãos Taques pedem que ministra reavalie necessidade de prisões

Quinta, 14 de junho de 2018

17:29 - Tribunal de Justiça nega recurso e mantém prisão de Mauro Savi

13:55 - TJ retoma julgamento sobre prisão do deputado Mauro Savi - acompanhe


// leia também

Quinta, 21 de junho de 2018

07:14 - Juiz da 7ª Vara fica com ação contra Maggi por compra de vaga no TCE

Quarta, 20 de junho de 2018

18:14 - TJ nega liberdade a acusado de desviar R$ 23 milhões de cooperativa

16:55 - Eder Moraes tacha delação de Silval como 'sorrateira' e forjada com aliado

13:39 - Juiz nega pedido para João Arcanjo visitar shopping

13:35 - Governador diz confiar no Judiciário e não comenta prisão de Paulo Taques

11:19 - TCE mantém suspensa licitação de R$ 202 milhões para construir pontes

08:07 - Juiz se mantém em ação e vê possível crime de arapongagem cometido por Selma

07:10 - José Riva e Humberto Bosaipo viram réus por fraude de R$ 2,2 milhões

Terça, 19 de junho de 2018

15:23 - Justiça manda supermercado indenizar mulher que teve intoxicação com torta

14:00 - Juíza dá prazo para produção de provas contra Wilson Santos