WhatsApp Twuitter

Terça, 13 de março de 2018, 08h57

Empresa é investigada sob suspeita de vender água mineral com coliformes

Arthur Santos da Silva, repórter do GD


Divulgação

O promotor de Justiça Ezequiel Borges de Campos, do Núcleo de Defesa da Cidadania do Ministério Público Estadual (MPE), instaurou inquérito para investigar possível presença de coliformes na água mineral da marca “Finíssima”.

A suspeita surgiu após constatação da presença microbiana em dois vasilhames de 20 litros. Além de se opor aos padrões microbiológicos estabelecidos na legislação sanitária, o laudo sugere a inserção de produto impróprio no mercado de consumo.

A portaria, instaurada no dia 2 de março, encaminhou com urgência ofício à Superintendência de Vigilância em Saúde da Secretaria de Saúde de Mato Grosso.

Coliformes são grupos de bactérias indicadoras de contaminação e são formados pelos gêneros Escherichia, Citrobacter, Enterobacter e Klebsiella. Um nova perícia, a mando da Secretaria de Saúde, deve ser realizada nos próximos dias.

O outro lado

O empresário Zenildo Moya, proprietário da Engarrafadora de Água das Palmeiras Ltda, afirmou que a empresa realiza todas as análises laboratoriais necessárias e possui Alvará Sanitário, emitido pela Vigilância Sanitária da Secretaria de Saúde do Estado (SES).



// leia também

Quinta, 21 de junho de 2018

10:18 - STJ nega liberdade a empresário acusado de lavar dinheiro da Bereré

07:14 - Juiz da 7ª Vara fica com ação contra Maggi por compra de vaga no TCE

Quarta, 20 de junho de 2018

18:14 - TJ nega liberdade a acusado de desviar R$ 23 milhões de cooperativa

16:55 - Eder Moraes tacha delação de Silval como 'sorrateira' e forjada com aliado

13:39 - Juiz nega pedido para João Arcanjo visitar shopping

13:35 - Governador diz confiar no Judiciário e não comenta prisão de Paulo Taques

11:19 - TCE mantém suspensa licitação de R$ 202 milhões para construir pontes

09:17 - Ministra cita criação artificial de provas para manter Paulo Taques preso

08:07 - Juiz se mantém em ação e vê possível crime de arapongagem cometido por Selma

07:10 - José Riva e Humberto Bosaipo viram réus por fraude de R$ 2,2 milhões