WhatsApp Twuitter

Terça, 13 de março de 2018, 10h14

dívidas não pagas

Julier e vice têm contas da eleição à Prefeitura de Cuiabá reprovadas

Celly Silva, repórter do GD


A juíza Gabriela Carina Knaul de Albuquerque e Silva, da 51ª zona eleitoral, reprovou as contas prestadas pela chapa de Julier Sebastião da Silva (PDT) e Juscimara Ribeiro da Cruz (PT), candidatos a prefeito e vice-prefeita de Cuiabá na eleição de 2016. Eles também foram condenados a devolver o valor de R$ 101, 4 mil ao Tesouro Nacional, relativo a despesas realizadas com recursos do Fundo Partidário sem comprovação.


Julier e Jusci Ribeiro, candidatos à Prefeitura de Cuiabá em 2016

O prazo para que esse dinheiro seja devolvido é de 5 dias após o trânsito em julgado, ou seja, após esgotados os recursos, caso contrário, será remetido à Advocacia-Geral da União para que faça a cobrança.

A decisão foi proferida na segunda-feira (12), em um processo de prestação de contas em que se concluiu que restou saldo geral desfavorável. De acordo com a magistrada, foram relevadas algumas inconsistências que receberam justificativa plausível capaz de afastá-las e outras que não apresentaram gravidade relevante.

Porém, destacou que a avaliação geral das contas ficou prejudicada por “diversas irregularidades severas, destacando-se, dentre outras, a elevada dívida de campanha não respaldada por assunção de dívida, não comprovação de despesas pagas com recursos do Fundo Partidário, omissão de gastos eleitorais, irregularidade na comprovação das doações de recursos estimáveis em dinheiro e existência de gastos de campanha junto a pessoas jurídicas sem a emissão de notas fiscais”.

Ao longo da ação, o Ministério Público Eleitoral opinou 3 vezes pela reprovação das contas.

Em relação às doações estimáveis em dinheiro, por exemplo, não foram apresentados mais de 30 recibos eleitorais para análise da Justiça eleitoral. A defesa da chapa Julier e Jusci ainda juntou documentos, mas estes não comprovaram que as doações integram o patrimônio dos doadores. Conforme a juíza, “a não comprovação da propriedade do bens doados caracteriza falha grave, na medida em que impede o efetivo controle de origem dos recursos pela Justiça Eleitoral”.

Dentre as falhas apontadas pela juíza, também ficou descoberta uma dívida de R$ 33,4 mil, devido à falta de formalização do ato de assunção da dívida, o que é considerada uma “irregularidade gravíssima e não sanada”. 



// matérias relacionadas

Quinta, 17 de maio de 2018

11:53 - 33ª Zona Eleitoral extingue dois locais de votação em Terra Nova do Norte

Quarta, 09 de maio de 2018

10:20 - TRE alerta eleitores sobre golpe do e-mail falso com convocação de mesários

Segunda, 30 de abril de 2018

13:34 - TRE dispõe de 39 locais de votação para atender mais de 10 mil indígenas

13:17 - Quase 31 mil pressoas faltam à revisão do eleitorado e têm títulos cancelados

Quarta, 31 de janeiro de 2018

14:41 - Pleno do TRE cassa diploma de vereador de Serra Nova Dourada

Terça, 09 de janeiro de 2018

16:26 - TRE inaugura posto avançado da biometria no shopping 3 Américas

Segunda, 08 de janeiro de 2018

13:20 - Com fim do recesso, TRE volta a atender eleitor em período integral

Sexta, 29 de dezembro de 2017

10:27 - TRE atende eleitores em regime de plantão em Cuiabá e Sinop

Segunda, 11 de dezembro de 2017

10:05 - TRE realiza mutirão no Assentamento Sadia 3, em Várzea Grande


// leia também

Quinta, 24 de maio de 2018

07:30 - Juiz rejeita prescrição e torna empresário e servidor réus por fraudes na SES

Quarta, 23 de maio de 2018

20:01 - Presidente do TJ concede escolta policial à juíza Selma Arruda por mais 24 horas

14:11 - Mulher que se feriu em ônibus deverá receber DPVAT

12:15 - Justiça anula estabilidade de servidora efetivada sem concurso

11:30 - Empresa de transportes é condenada por jornada exaustiva de motoristas

10:07 - Justiça condena grupo em R$ 2,2 milhões por irregularidades em hidrelétrica

08:55 - Ministério Público é contra revogação de prisões da Bereré

08:39 - Silval está inconformado com pena de 14 anos de prisão e apela de condenação

08:14 - Ex-assessora de Selma Arruda confirma prioridade em 'processos midiáticos'

07:42 - Juiz nega pedido do MPE para prender João Arcanjo até 2027