WhatsApp Twuitter

Quarta, 14 de março de 2018, 09h16

Taques pede dispensa em processo sobre grampos e advogados apontam 'medo'

Arthur Santos e Pablo Rodrigo, repórteres do GD


Divulgação/Secom-VG

O governador Pedro Taques (PSDB) pediu para ser dispensado da condição de testemunha de defesa no processo contra 5 policiais militares, resultado de interceptações ilegais em Mato Grosso. Ele foi arrolado pela defesa do cabo Gerson Corrêa Júnior, mas alega que também é investigado sobre o mesmo esquema criminoso.

A defesa do governador argumentou “conflito de interesses”, tendo em vista que é investigado no mesmo caso no Superior Tribunal de Justiça (STJ). O pedido de dispensa foi apresentado ao juiz da 11ª Vara de Justiça Militar no dia 9 de março, mas apenas na terça-feira (13) foi efetivamente recebido pelo magistrado Murilo Moura Mesquita.

A reportagem entrou em contato com adefesa do cabo Gerson, patrocinada pelos advogados Neyman Monteiro e Tiago Abreu. Sobre o pedido de não comparecimento do governador, ambos afirmaram: que estão analisando o pedido de Taques e reconhecem que a priori ele possui tais direitos. "A defesa tão somente quer questiona-lo e fazer algumas ponderações sobre os fatos. O que nos causa estranheza é que o governador em suas falas sempre usou o proverbio ‘quem não deve não teme”, disseram os advogados.

“Ele está contrariando o proverbio que sempre usa. Ou seja, será que o proverbio em relação ao governador agora é 'quem deve teme'? Na audiência iremos avaliar se insistimos ou não na testemunha, mas deixamos claro que 'quem não deve não teme'”, afirmaram.

A Vara de Justiça Militar segue dando continuidade às audiências no processo criminal contra 5 policiais militares acusados de participação no esquema interceptações que ficou conhecido como grampolândia pantaneira.

No processo são réus os coronéis Zaqueu Barbosa, Evandro Alexandre Ferraz Lesco, Ronelson Jorge de Barros, o tenente-coronel Januário Antônio Batista e o cabo Gerson Luiz Ferreira Corrêa Júnior.

A delega Alana Cardoso, Rafael Meneguine e o delegado-geral Fernando Vasco Spinelli, diretor da Polícia Civil em Mato Grosso, serão ouvidos no dia 16 de março.
 



// matérias relacionadas

Quinta, 21 de junho de 2018

18:05 - Restrição de foro traz dúvidas sobre os grampos

13:30 - Taques diz ser favorável à restrição de foro a governadores

12:30 - Veja como foi a entrevista do governador Pedro Taques na TV Vila Real

10:32 - Bancada do PSD vai ao Palácio, desconversa sobre eleições e trata sobre FEEF

Quarta, 20 de junho de 2018

17:00 - Taques debocha de Silval Barbosa ao apontar 'avião símbolo de quadrilha'

13:35 - Governador diz confiar no Judiciário e não comenta prisão de Paulo Taques

Terça, 19 de junho de 2018

17:47 - Grupo internacional deve investir R$ 18 milhões em Mato Grosso

Sexta, 15 de junho de 2018

13:14 - Governo destinará 20% do Fundo da Saúde aos hospitais filantrópicos

12:26 - Ciro Rodolpho deixa Controladoria e assume a Casa Civil

Quinta, 14 de junho de 2018

18:35 - Júlio Modesto pede demissão da Casa Civil


// leia também

Sexta, 22 de junho de 2018

12:00 - Após anunciar desistência, conselheiro tenta liberar aposentadoria

10:55 - Ministério Público investiga pagamentos a servidor morto há 28 anos

07:35 - Índias suspeitas de enterrar bebê vivo vão usar tornozeleiras

Quinta, 21 de junho de 2018

10:18 - STJ nega liberdade a empresário acusado de lavar dinheiro da Bereré

07:14 - Juiz da 7ª Vara fica com ação contra Maggi por compra de vaga no TCE

Quarta, 20 de junho de 2018

18:14 - TJ nega liberdade a acusado de desviar R$ 23 milhões de cooperativa

16:55 - Eder Moraes tacha delação de Silval como 'sorrateira' e forjada com aliado

13:39 - Juiz nega pedido para João Arcanjo visitar shopping

11:19 - TCE mantém suspensa licitação de R$ 202 milhões para construir pontes

09:17 - Ministra cita criação artificial de provas para manter Paulo Taques preso