WhatsApp Twuitter

Domingo, 10 de junho de 2018, 09h00

decisão do stf

Supremo manda para justiça comum investigação contra Ezequiel Fonseca

Arthur Santos da Silva, repórter do GD


O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), declinou de competência num inquérito contra o deputado federal Ezequiel Fonseca (PP). O procedimento investiga esquema de corrupção envolvendo gráficas em Mato Grosso.

Otmar de Oliveira

Deputado Ezequiel Fonseca

O caso não se enquadra nos requisitos estabelecidos para a fixação da competência do Supremo para processamento e julgamento de parlamentares. No caso de deputados federais, o foro por prerrogativa de função no STF fica restrito aos crimes comuns cometidos após a diplomação e relacionados ao cargo.

O Ministério Público Estadual (MPE) apontou que o deputado recebeu um cheque de R$ 35 mil proveniente da Defanti Gráfica e Editora, por meio da conta bancária de sua cunhada, Rosilene de Fátima Basso, em outubro de 2012. Rosilene também é investigada.

Por conta da prerrogativa de foro enquanto deputado federal, a denúncia contra Fonseca e sua cunhada estava sob responsabilidade do STF, que abriu investigação em 25 de agosto de 2016.

A “Máfia das Gráficas” supostamente agia sob o comando do então presidente da Assembleia, José Riva, que ordenava a realização do esquema por meio de licitação.

Em seguida, o então secretário-geral do Poder, Luiz Márcio Pommot, coordenaria o suposto esquema, que seria operado pelo empresário Jorge Luiz Defanti.

Era ele, segundo o MPE, quem definia os futuros vencedores de cada lote do pregão, a partir de propostas de preços pré-determinadas, junto a outros empresários do ramo gráfico que participavam do esquema.

Do dinheiro recebido, os empresários devolveriam ao então deputado Riva 75% do valor, ficando apenas 25% restantes.
 



// leia também

Segunda, 18 de junho de 2018

17:30 - Ex-deputado confirma ter recebido R$ 50 mil gravado em vídeo de delator

14:16 - PF sugere 144 novos inquéritos por delações de família Barbosa

11:15 - Emanuel diz à PF que aliado de Silval o gravou para fazer chantagem

08:29 - Juiz suspende escolta concedida à juíza Selma Arruda e não afasta Taques

08:01 - Empresário acusado de lavar dinheiro da Bereré pede liberdade no STJ

06:00 - Perícia da PF confirma mensagens apagadas do celular de Blairo após apreensão

Domingo, 17 de junho de 2018

11:40 - Metalúrgica de Alta Floresta é condenada por trabalho infantil

11:31 - Menor que trabalhava como mecânico de automóveis receberá R$ 10 mil em indenização

11:21 - Rede de supermercados é condenada em R$ 5 milhões por descumprir normas

11:19 - Ex-gerente consegue rescisão indireta após excesso em cobrança de metas