WhatsApp Twuitter

Domingo, 08 de julho de 2018, 12h08

Trabalhador acusado de falar mal da empresa pelo whatsapp tem justa causa revertida

Aline Cubas, repórter TRT/MT


O montador de uma empresa de móveis planejados de Cuiabá conseguiu reverter, na Justiça, sua demissão em dispensa sem justa causa e assim garantir o recebimento de verbas como aviso prévio, férias, FGTS e seguro desemprego.

Após quatro anos de contrato, a empresa dispensou o trabalhador por justa causa após seus proprietários serem informados de um vídeo que teria sido transmitido pelo montador, em um grupo do aplicativo whatsapp com diversos colegas de trabalho e profissionais do ramo de móveis planejado, no qual ele relataria a entrega de móveis em desacordo com o projeto original.

Segundo a empresa, além de descumprir ordem da gerência para atender uma reivindicação de adequação do serviço em andamento, o trabalhador teria criado uma situação constrangedora ao gravar e enviar o vídeo, episódio que teria manchado a imagem do estabelecimento bem como da arquiteta responsável pelo projeto.

Sem concordar com a justa causa que lhe foi aplicada, o montador acionou a Justiça do Trabalho afirmando que nem teria agido contra as determinações da empresa e nem manchado sua imagem e marca. Requereu, assim, a reversão da rescisão por justa causa para sem justa causa com o consequente pagamento das verbas rescisórias correspondentes a esta modalidade de dispensa.

Ao julgar o caso, o juiz Wanderley Piano, titular da 1ª Vara do Trabalho de Cuiabá, lembrou que, em regra, cabe ao empregador comprovar que o empregado cometeu falta grave o suficiente para quebrar a fidúcia e autorizar a ruptura do vínculo por justa causa. Apontou ainda que, como essa forma de dispensa provoca grande repercussão negativa na reputação do empregado, as faltas que autorizam esse tipo de ruptura do contrato de trabalho ser “robustamente provadas nos autos”.

Entretanto, o magistrado concluiu que no vídeo apresentado pela empresa como prova não é possível ver a ocorrência das faltas imputadas ao trabalhador. Trata-se da gravação de uma conversa entre o montador e outro funcionário da empresa. “Do teor do diálogo, o qual é reproduzido na defesa da 1ª Ré, não é possível constatar o descumprimento de quaisquer ordens ou determinações patronais por parte do Autor, não tendo tal fato sido provado por outros meios”, ressaltou.

Ainda, conforme o juiz, não há no diálogo nenhuma fala do trabalhador que pudesse ferir a imagem ou honra da empresa ou sua marca.

Marcus Vaillant

Dessa forma, considerando não terem sido provados quaisquer dos atos que fundamentaram a justa causa aplicada ao montador de móveis, ônus que cabia à empresa, o magistrado concluiu que o fim do contrato ocorreu por dispensa sem justa causa.

Em consequência, condenou a empresa ao pagamento de verbas rescisórias, como aviso prévio, 13º salário e férias proporcionais, indenização de 40% do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, além do saldo de salário do último mês trabalhado.

Por fim, determinou a entrega ao trabalhador das guias para habilitação no seguro-desemprego e para saque do FGTS bem como a retificação de sua Carteira de Trabalho, registrando a nova data de encerramento do contrato com a inclusão do período de aviso prévio.

Conciliação - Após a publicação da sentença, no início de junho, os envolvidos chegaram a um acordo para a quitação dos valores devidos ao trabalhador, e a conciliação foi homologada na 1ª Vara do Trabalho de Cuiabá. 



// matérias relacionadas

Domingo, 01 de julho de 2018

09:35 - Trabalhador é condenado a pagar multa a ex-patrão por cobrar verba já recebida

Domingo, 17 de junho de 2018

11:40 - Metalúrgica de Alta Floresta é condenada por trabalho infantil

11:31 - Menor que trabalhava como mecânico de automóveis receberá R$ 10 mil em indenização

11:21 - Rede de supermercados é condenada em R$ 5 milhões por descumprir normas

11:19 - Ex-gerente consegue rescisão indireta após excesso em cobrança de metas

Terça, 05 de junho de 2018

10:11 - Empresa é condenada por pagar salário 'por fora' para gerente de vendas

Sábado, 02 de junho de 2018

11:39 - Açougueiro obtém rescisão indireta por falta de recolhimento do FGTS

Quinta, 31 de maio de 2018

11:45 - Justiça homologa acordo de R$ 619 mil em ação por morte de trabalhador

Quarta, 23 de maio de 2018

11:30 - Empresa de transportes é condenada por jornada exaustiva de motoristas

10:07 - Justiça condena grupo em R$ 2,2 milhões por irregularidades em hidrelétrica


// leia também

Sexta, 20 de julho de 2018

17:53 - Desembargador nega livrar Mauro Savi da cadeia

14:49 - Juiz vê propaganda ilegal e manda Taques retirar posts do Facebook

11:55 - Juiz nega pedido de advogado que tentava remarcar audiência da grampolândia

10:20 - Acusado de mandar matar prefeito de Colniza quer ser ouvido por carta precatória

07:17 - MPE arquiva investigação contra o MT PAR e assina acordo de ajustamento

Quinta, 19 de julho de 2018

16:32 - Gustavo Oliveira é impedido de concorrer eleição da Fiemt

14:55 - Juiz pede ajuda da polícia e pode prender Arcanjo no dia 2 de agosto

13:46 - Juiz bloqueia R$ 1,2 milhão de deputado, mas nega afastamento

12:25 - Zuquim nega vistoria da AL na cela de Mauro Savi mas autoriza visitas

10:55 - TJ mantém Humberto Bosaipo condenado por improbidade administrativa