WhatsApp Twuitter

Terça, 10 de julho de 2018, 17h00

POLÍTICA DE MT

Fagundes é condenado por improbidade por se autopromover com obras

Celly Silva, repórter do GD


O senador e pré-candidato ao governo do Estado, Wellington Fagundes (PR), foi condenado pela Justiça Federal pela prática de improbidade administrativa e terá que pagar multa civil correspondente a 3 vezes a remuneração que recebe. Conforme o Portal da Transparência do Senado, o subsídio mensal é de R$ 33,7 mil, o que resulta na multa de R$ 101,1 mil. A decisão foi proferida pelo juiz Raphael Casella de Almeida Carvalho, da 8ª Vara Federal de Cuiabá.

João Vieira

Condenação é por causa de fatos ocorridos na época em que Fagundes era deputado federal

A ação civil pública, movida pelo Ministério Público Federal (MPF) em 2014, apontou que Wellington Fagundes, na época em que era deputado federal afrontou o princípio da impessoalidade previsto na Constituição ao fazer promoção pessoal ao vincular seu nome em obras realizadas em Rondonópolis (212 Km ao Sul de Cuiabá).

A afixação de placas e outdoors com seu nome teria sido feita na ampliação do sistema de abastecimento de água e no Centro Cultural Marechal Rondon, construídas e reformadas com recursos federais.

Consta nos autos que os informes publicitários foram instalados no passeio público com os seguintes dizeres: “Centro Cultural Marechal Rondon. Mais uma obra construída com recursos alocados pelo Deputado Federal Welinton Fagundes, Deputado Federal Welinton Compromisso com a Cultura” e “Ampliação do Sistema de Abastecimento de Água. Mais uma obra construída com recursos alocados pelo Deputado Federal Welinton Fagundes”.

Conforme a Constituição federal, “a publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, informativo ou de orientação social, dela não podendo constar nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades e servidores públicos”. Isso significa que a atuação da Administração pública deve ser imputada ao Estado e nunca ao agente político, conforme destacou o magistrado em sua decisão.

Raphael Casella afirmou que “ainda que não conste nos autos contrato firmado pelo réu de prestação de serviços com a empresa responsável pela confecção dos informes, é insustentável pensar que o então deputado federal, político experiente, desconhecesse ou pelo menos tivesse o mínimo interesse em saber o conteúdo do que seria divulgado, considerando que a referida empresa, fls. 73/74, ofertou seus serviços ao então deputado federal, e que a publicidade foi direcionada especificamente as obras que o réu atuou na alocação de recursos”.

No processo, o então secretário de Planejamento de Rondonópolis, Valdecir Feltrin, informou que placa objeto da denúncia “foi entregue a assessoria do Deputado Federal Wellington Fagundes, sendo fixada posteriormente em terreno particular próximo a obra em execução”.

Suspensão de direitos políticos

Ao condenar o senador Wellington Fagundes, o juiz federal ponderou não ser razoável e nem proporcional suspender seus direitos políticos porque isso seria uma medida “extremamente severa” em relação à conduta, que “apesar de reprovável, não poderia implicar a perda do cargo e dos direitos políticos”.

O magistrado também relevou pelo fato de não ter havido dano ao erário ao afastar as penas de suspensão de direitos políticos, perda da função pública e proibição de contratar com o Poder Público e dele receber benefícios ou incentivos, como havia pedido o MPF. 



// matérias relacionadas

Quinta, 19 de julho de 2018

10:55 - TJ mantém Humberto Bosaipo condenado por improbidade administrativa

Terça, 19 de junho de 2018

14:00 - Juíza dá prazo para produção de provas contra Wilson Santos

Terça, 12 de junho de 2018

13:30 - Luiz Soares reverte condenação no TJ e dispara críticas ao Ministério Público

Quinta, 07 de junho de 2018

19:24 - TJ nega recurso de Wilson Santos e mantém sentença que o torna inelegível

Segunda, 04 de junho de 2018

15:23 - Juíza impõe multa de R$ 200 mil e põe Doria no banco dos réus por 'Acelera SP'

Quinta, 24 de maio de 2018

07:30 - Juiz rejeita prescrição e torna empresário e servidor réus por fraudes na SES

Terça, 22 de maio de 2018

14:03 - MPE denuncia prefeito de Alta Floresta por dispensa indevida de licitação

Segunda, 21 de maio de 2018

13:52 - Justiça decide suspender direitos políticos de César Maia

Sexta, 18 de maio de 2018

17:15 - Policiais militares são afastados por causa de sexo e bebida com menores

Quarta, 09 de maio de 2018

10:07 - Justiça acata pedido do MP e afasta agente penitenciário em Aripuanã


// leia também

Sábado, 21 de julho de 2018

13:02 - Reajustes e criação de cargos no Tribunal de Justiça vão custar R$ 111 milhões

Sexta, 20 de julho de 2018

17:53 - Desembargador nega livrar Mauro Savi da cadeia

14:49 - Juiz vê propaganda ilegal e manda Taques retirar posts do Facebook

11:55 - Juiz nega pedido de advogado que tentava remarcar audiência da grampolândia

10:20 - Acusado de mandar matar prefeito de Colniza quer ser ouvido por carta precatória

07:17 - MPE arquiva investigação contra o MT PAR e assina acordo de ajustamento

Quinta, 19 de julho de 2018

16:32 - Gustavo Oliveira é impedido de concorrer eleição da Fiemt

14:55 - Juiz pede ajuda da polícia e pode prender Arcanjo no dia 2 de agosto

13:46 - Juiz bloqueia R$ 1,2 milhão de deputado, mas nega afastamento

12:25 - Zuquim nega vistoria da AL na cela de Mauro Savi mas autoriza visitas