WhatsApp Twuitter

Terça, 10 de outubro de 2017, 13h10

'Lealdade é uma coisa que ele deveria aprender', diz Haddad sobre Doria


O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB) não tem sido leal sequer com seu padrinho político, o governador Geraldo Alckmin, afirmou nesta terça-feira, 10, o ex-prefeito da cidade, Fernando Haddad (PT).

Considerado um possível plano B do PT, caso o ex-presidente Lula não possa concorrer no ano que vem, o petista está na sede do Twitter Brasil esta manhã para uma sessão de perguntas em respostas com usuários da rede social. A declaração foi dada quando ele respondia a uma pergunta sobre um possível rombo de R$ 7 bilhões deixado por sua gestão para seu sucessor.

‘Infelizmente o Doria não tem sido muito leal comigo - o que também não é novidade, porque não tem sido leal sequer com Alckmin. Acho que lealdade é uma coisa que ele deveria aprender‘, disse o petista. ‘Tem o Tribunal de Contas que já aprovou as minhas contas e a demonstração do superávit está no relatório final aprovado. Deixei R$ 5,5 bilhões em caixa. Desses R$ 5,5 bilhões, R$ 2,2 bilhões comprometidos e R$ 2,3 bilhões de superávit, sendo R$ 300 milhões livre para ele fazer o que quisesse no dia 2 de janeiro de 2017. Então consulte o Tribunal de Contas e aí você vai julgar quem está mentindo e quem está falando a verdade.‘

Pouco antes, incitado por outro usuário a comentar sobre a gestão do tucano, Haddad disse que era ‘deselegante‘ falar sobre o trabalho de seu sucessor, mas que fez a melhor transição de governo que pôde. O petista salientou, no entanto, que os dois têm ‘visões diferentes‘ de mundo e que esperava que os cidadãos paulistanos possam enxergar suas decisões à frente da prefeitura ‘com ânimos menos aflorados‘.

Candidato à reeleição em 2016, Haddad ficou em segundo lugar com 16,70% dos votos, enquanto Doria, navegando no antipetismo e no clima pós-impeachment da presidente Dilma Roussef, se elegeu em primeiro turno com 53,29%. Foi a primeira vez que São Paulo não teve segundo turno desde a redemocratização.

Questionado se pretende concorrer a outro cargo em 2018, Haddad comentou apenas que tirou o ano de 2017 para estudar porque o ‘desafio de 2018 precisa de reflexão aprofundada‘ sobre o que está acontecendo no mundo e no Brasil. ‘Vamos ver o que 2018 nos reserva‘, disse.

O ex-prefeito também minimizou as chances de sair como vice na chapa de Ciro Gomes (PDT). ‘Meu partido trabalha com a possibilidade concreta da candidatura Lula e não está discutindo nenhuma alternativa a isso nesse momento. Tenho muito apreço pelo Ciro, mas o PT está em outra direção nesse momento.‘

Haddad também respondeu a quem mandaria um ‘recadinho‘, uma referência ao vídeo do final de semana em que Doria rebateu as críticas do vice-presidente do PSDB, Alberto Goldman. ‘Meu recadinho vai para o Alberto Goldman. Depois de amanhã, ele faz 80 anos, uma bela idade. Parabéns, governador.‘

A decisão de Doria de publicar vídeo nas redes sociais em resposta a Goldman, no fim de semana, foi considerada um erro por auxiliares e aliados do tucano. Na gravação, o ex-governador é chamado de ‘fracassado‘ e ‘improdutivo‘. ‘Hoje meu recadinho vai para você, Alberto Goldman, que viveu sua vida inteira na sombra de Orestes Quércia e do José Serra. Você coleciona fracassos na sua vida e agora vive de pijamas na sua casa‘, disse o tucano.



// matérias relacionadas

Sábado, 16 de dezembro de 2017

15:00 - Gilmar Mendes prevê dificuldades com fake news nas eleições de 2018

13:00 - Uso de recursos por partidos dificultará renovação em 2018

Sexta, 15 de dezembro de 2017

14:09 - Procuradoria Eleitoral do Rio acusa Bernardinho de campanha antecipada

Terça, 12 de dezembro de 2017

10:29 - PSOL lança pré-candidatura de índio Kayapó a deputado estadual

Domingo, 10 de dezembro de 2017

17:44 - Taques assume PSDB nacional junto com Alckmin já pensando em 2018

14:00 - Magno Malta usa CPI para se cacifar como vice de Bolsonaro

Segunda, 04 de dezembro de 2017

11:07 - Candidatura à Presidência da República é inexistente, diz presidente do BNDES

09:47 - Aliança entre PT e PMDB não está descartada, diz Barranco

09:27 - Russomanno lidera disputa em São Paulo, aponta pesquisa Datafolha

Sexta, 01 de dezembro de 2017

15:11 - Djalma deixa staff de Pinheiro e deve tentar vaga na AL


// leia também

Sábado, 16 de dezembro de 2017

10:03 - Políticos lamentam execução do prefeito de Colniza

08:20 - PP decide se manter na base do prefeito Emanuel Pinheiro

08:14 - Resolução do TCE ameaça derrubar 13º de vereadores

Sexta, 15 de dezembro de 2017

17:07 - Senador diz que Temer não conseguirá aprovar a Reforma da Previdência

11:49 - Deputados de MT comemoram aprovação do FEX pelo Senado

11:13 - AL espera R$ 50 milhões do Estado para fechar ano sem dívidas

08:19 - PF vasculha escritório e casa do deputado Savi atrás do celular dele

Quinta, 14 de dezembro de 2017

11:25 - Vice líder do governo quer aprovar LOA na próxima semana

10:14 - Fábio Garcia filia-se ao Democratas em evento em Brasília

08:04 - Prefeito apresenta licitação a Taques e cobra emenda para equipar novo PSC