WhatsApp Twuitter

Quinta, 12 de outubro de 2017, 10h48

acusado de irregularidades

Vereadores instauram CPI e afastam prefeito de Acorizal por 3 meses

Welington Sabino, editor do GD


Divulgação

Cloadoaldo Monteiro é acusado de uma série de irregularidades

O prefeito de Acorizal, Clodoaldo Monteiro (PSDB), foi afastado do cargo por decisão da Câmara de Vereadores do município de 5,2 mil habitantes. Provocados pelo advogado Izair de Arruda Botelho que protocolou denúncia contra o gestor no Legilativo Municipal, os vereadores instauraram uma Comissão Parlamentar de Inquérito e decidiram pelo afastamento do tucano por 90 dias.

Nesse período, a cidade será administrada pelo vice-prefeito Benedito Figueiredo (PSC). A posse dele foi marcada para a tarde desta quinta-feira (12), feriado de Nossa Senhora Aparecida e Dia das Crianças. Enquanto isso, a Comissão processante composta por 3 vereadores vai conduzir os trabalhos de investigação que inclui oitivas de testemunhas e do próprio prefeito afastado que terá a oportunidade de apresentar sua defesa.

Sob a presidência do vereador Adão de Paula Neponoceno (PSDB), a comissão é composta ainda por Diego Taques (relator) e pela vereadora Judineiy Corrêa de Moraes Silva, conhecida como Diney Correa (membro), ambos do PSD. Na sessão de abertura da CPI, Judiney votou contra o afastamentou e discursou em defesa do prefeito.

A denúncia contra o tucano foi oficializada no dia 9 deste mês. O autor afirma que o prefeito cometeu crime de responsabilidade fiscal, omitiu informações à Câmara de Vereadores e atrasou repasses constitucionais ao Legisltivo Municipal (duodécido). Acusa ainda o prefeito pela prática de infrações políticas e administrativas, além de outras irregularidades. O prefeito é acusado, inclusive, de ter utilizado máquinário público para execução de obra em propriedade particular.

Divulgação/Assessoria

Vereadores durante votação que afastou o prefeito de Acorizal

O afastamento foi decidido na noite desta quarta-feira (11) durante sessão que foi acompanhada por um grupo de moradores e servidores de Acorizal. Votaram pelo afastamento os vereadores Wellington Marques Gusmão (PSDB) que é o presidente da Câmara Municipal, Ademir Roberto da Silva, o Sageia (PSB), Rafael Piovezan de Campos (PP), Luiz Carlos da Silva (PSB), Diego Taques e Adão Neponoceno. Estes 2 últimos são integrantes da Comissão Processante.

Por outro lado, votaram contra o afastamento as vereadoras Cleonice de Figueiredo conhecida como Nice (PSDB), Diney Corrêa e ainda o parlamentar Benancy Lemes da Silva, o Bena (PDT).

Conforme o presidente da Câmara, Wellington Gusmão, o prefeito terá 10 dias para apresentar defesa junto à Comissão Processante. “Estaremos aqui para esclarecer o fato e levar o conhecimento à população de Acorizal. Se caso comprovar o fato, tomaremos as providências necessárias”, disse Gusmão, acrescentando que sempre convidou o gestor tucano para participar nas reuniões no legislativo, mas diz que ele nunca esteve presente.



// matérias relacionadas

Segunda, 13 de novembro de 2017

09:19 - Prefeito retorna ao cargo, mas não se livra de CPI

Segunda, 23 de outubro de 2017

10:37 - Juiz invalida ato de Comissão e reconduz prefeito de Acorizal ao cargo

Sexta, 20 de outubro de 2017

20:55 - Prefeito aguarda Justiça decidir se ele retorna

Sexta, 13 de outubro de 2017

19:50 - Prefeito afastado promete contar tudo em entrevista

11:19 - Afastaram prefeito porque ele não pagou mensalinho, diz vereadora


// leia também

Sexta, 15 de dezembro de 2017

17:07 - Senador diz que Temer não conseguirá aprovar a Reforma da Previdência

11:49 - Deputados de MT comemoram aprovação do FEX pelo Senado

11:13 - AL espera R$ 50 milhões do Estado para fechar ano sem dívidas

08:19 - PF vasculha escritório e casa do deputado Savi atrás do celular dele

Quinta, 14 de dezembro de 2017

11:25 - Vice líder do governo quer aprovar LOA na próxima semana

10:14 - Fábio Garcia filia-se ao Democratas em evento em Brasília

08:04 - Prefeito apresenta licitação a Taques e cobra emenda para equipar novo PSC

Quarta, 13 de dezembro de 2017

18:46 - Prefeito se reúne com ministro e quer liberação de R$ 132 milhões para Cuiabá

17:51 - Senado aprova FEX e MT deve receber R$ 496 milhões da União

15:04 - Após reclamação, prefeito apresenta substitutivo da LOA