WhatsApp Twuitter

Quarta, 16 de maio de 2018, 09h15

em busca de apoio

Taques ainda desconversa sobre reeleição e tece elogios a Neri Geller

Celly Silva, repórter do GD


Há 3 meses do período de campanha eleitoral, o governador Pedro Taques (PSDB) ainda evita falar se disputará ou não a reeleição ao Palácio Paiaguás. “Eu não decidi se vou pra reeleição ainda”, respondeu aos jornalistas durante evento de entrega de equipamentos para o sistema penitenciário.

João Vieira

Governador Pedro Taques

Acerca de conversas de bastidores que apontam o nome do ex-ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Neri Geller (PP) como possível vice na chapa para governo, Taques alegou que não pode “trabalhar com hipóteses” reforçando a indefinição sobre sua própria candidatura. 

Apesar disso, o governador elogiou o progressista. “Neri é um grande representante de Mato Grosso em Brasília, foi ministro, é secretário-executivo, é um nome muito importante que tem ajudado bastante Mato Grosso”, comentou.

O nome de Neri Geller surgiu nos bastidores da política mato-grossense depois que o governador passou a buscar reaproximação com o PP, chegando a convidar o vereador Diego Guimarães para presidir o Instituto Mato-grossense de Terras (Intermat), o que não deu certo porque Diego perderia o mandato ao assumir o cargo de presidente da autarquia estadual.

A aliança com o PP ficou abalada desde o ano passado, quando o presidente do partido, deputado federal Ezequiel Fonseca, passou a demonstrar interesse em uma composição com o senador Wellington Fagundes (PR), pré-candidato ao Executivo pelo grupo de oposição ao tucano.

Mudanças no governo

Por hora, Pedro Taques se prepara para uma nova reforma administrativa em sua gestão, com um estudo em andamento sobre a criação da Secretaria de Administração Penitenciária, o que causaria o desmembramento da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh) e já conta com sua aprovação. “Eu defendo a Secretaria de Administração Penitenciária, que é um tema que precisa de uma expertise correta”, avalia.

Outra mudança que está sendo tratada é na Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social (Setas), que passaria a se chamar Secretaria de Desenvolvimento Humano, voltada para atendimento à pessoas em vulnerabilidade social. O governador disse que o assunto está sendo estudado e preferiu não entrar no assunto e nem falar em datas. “Estamos estudando isso, eu não quero dar prazo”.  



// matérias relacionadas

Sábado, 18 de agosto de 2018

11:09 - Fávaro rebate crítica e aponta incoerência de Rui Prado ao defender Taques

10:55 - Taques admite não ter cumprido promessas feitas em 2014 e culpa Silval

Sexta, 17 de agosto de 2018

19:49 - MPE barra candidatura de Miguelão a deputado

19:35 - TRE define tempo de propaganda no rádio e TV

18:31 - Percival Muniz declara apoio a Jayme Campos para o Senado

16:21 - TRE nega pedido de Mendes para exonerar 20 assessores do governo

16:15 - Fagundes promete não ficar 'preso' no Palácio se for eleito governador

15:20 - Rui Prado rebate Fávaro e lembra que papel de vice é de ajudar o governo

13:03 - Tenente-coronel manda recado a Mauro Mendes por criticar escala de policiais - veja vídeo

11:46 - Selma Arruda consegue autorização judicial para acessar dados de pesquisa


// leia também

Sexta, 17 de agosto de 2018

07:26 - Burocracia reduz campanha em circulação

07:15 - Estado faz contraproposta ao projeto de reajuste do FEX

Quinta, 16 de agosto de 2018

19:23 - Deputado Baiano Filho desiste de reeleição e deve apoiar Mendes ao governo

17:29 - Mauro Mendes é gravado criticando escala de PMs e depois fala em fake news - ouça áudios

16:57 - Jayme aponta vantagem de Mauro Mendes em relação a adversários

14:14 - Câmara de Cuiabá institui sessão única durante período eleitoral

13:25 - Ex-secretária de Saúde confirma que nepotismo a fez deixar gestão de Emanuel

13:00 - Mendes inicia campanha criticando gestão Taques e atrasos de repasses

09:55 - Juiz manda retirar outdoor favorável a Bolsonaro em Alta Floresta

07:22 - Candidatos já podem começar a pedir votos