WhatsApp Twuitter

Quarta, 16 de maio de 2018, 11h14

pagamento da rga

Sindicalista diz que vai aguardar atuação do governo sobre suspensão

Celly Silva, repórter do GD


Com a decisão monocrática do conselheiro interino do Tribunal de Contas do Estado (TCE) Isaías Lopes de suspender o pagamento da Revisão Geral Anual (RGA) dos servidores públicos do Poder Executivo, o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos da Saúde (Sisma-MT), Oscarlino Alves, pediu aos servidores que fiquem tranquilos e alertou que o momento não é de embate, mas de conversa para ter acesso à decisão e aguardar o posicionamento do governo, que já afirmou que vai recorrer junto ao TCE.

João Vieira

Oscarlino Alves

De acordo com o sindicalista, a RGA dos servidores do Executivo está amparada pela lei que aprovou o teto de gastos, após intensa negociação com o governo, que parcelou o reajuste entre 2018 e 2019. “Eu peço para os senhores ficarem tranquilos que o momento agora é de conversão, de acessar esse entendimento, saber até que ponto juridicamente e administrativamente a gente é afetado por essa decisão porque o governo fez um planejamento, fez a previsão na PEC do Teto de Gastos e se comprometeu a pagar a nossa RGA de acordo com a nossa negociação”, disse.

Leia também - TCE suspende RGA após governo ultrapassar limites da LRF; governo recorre

Oscarlino destacou que era até mesmo desnecessário ter que negociar a RGA, já que é algo previsto na Constituição e na lei 8.278/2004 e lembrou as mobilizações que foram feitas para assegurar o pagamento. “O atual governo parcelou 4 anos da nossa RGA. Nós sentamos à mesa, foi um processo desgastante, teve greve em 2016, em 2017 teve princípios de manifestações que quase desencadearam numa nova greve”.

Ele também alertou para a necessidade de não virar “massa de manobra” frente aos recentes escândalos de corrupção que atingem políticos, o que interfere nos cofres públicos e criticou a evasão fiscal proporcionada por renúncias e concessões do governo a segmentos da economia. “Nós temos a corrupção endêmica no Estado e estamos assistindo os poderes que recebem parcelas da receita corrente líquida em percentuais. Os duodécimos que proporcionaram uma gordura, gasolina de avião em que todos os poderes estão rodando. Ninguém viu servidores públicos de outros poderes fazendo greve”, afirmou.

Por fim, o representante do Fórum Sindical afirmou que medidas serão tomadas no momento propício. “É momento de tranquilidade, de serenidade. Nós vamos reunir o Fórum Sindical para avaliar toda essa situação, vamos procurar o governo pra ver qual é o entendimento do governo. Só aí nós nos pronunciaremos. Caso necessário faremos assembleias. Toda ação requer uma reação e nós vamos reagir de acordo com a necessidade”, disse. 



// matérias relacionadas

Terça, 22 de maio de 2018

12:18 - TCE mantém suspenso pagamento da RGA aos servidores

07:30 - Sindicato de servidores quer defender RGA e organiza protesto no TCE

Quinta, 17 de maio de 2018

16:10 - Governador Pedro Taques 'não tem pressa' para decidir sobre RGA

Terça, 15 de maio de 2018

17:43 - TCE suspende RGA após governo ultrapassar limites da LRF; Estado recorre

Quinta, 15 de fevereiro de 2018

10:20 - Cancelamento da RGA promete nova 'guerra'

Segunda, 30 de outubro de 2017

18:53 - Servidores ocupam prédio da Sefaz em protesto por reajuste salarial

15:36 - Servidores de Tangará cruzam os braços por RGA

Quinta, 06 de julho de 2017

11:55 - Assembleia vota lei da RGA antes do recesso parlamentar

Quarta, 28 de junho de 2017

20:51 - Fase 'tapas e beijos' entre governo e servidores já era

19:45 - Governo antecipa pagamento das perdas e fecha acordo da RGA


// leia também

Terça, 14 de agosto de 2018

18:44 - Taques registra candidatura e diz não temer 'complô' de adversários

18:20 - Grupo Gazeta define entrevistas e 2 debates entre candidatos majoritários - confira datas

15:24 - Botelho devolve 2 pedidos de abertura de CPI e deputada promete ir à justiça

15:18 - Mauro alega que Taques não fala por sua coligação e descarta o 'já ganhou'

15:10 - Câmara aprova lei que proíbe funerárias de cobrarem estacionamento

10:00 - Com R$ 35 milhões, Jayme tem o maior patrimônio na disputa ao Senado - lista

08:32 - Mendes declara patrimônio de R$ 113 milhões e Taques diz ter R$ 361 mil

08:13 - CPI dos grampos precisa de 16 assinaturas na Assembleia Legislativa

07:50 - Cidinho Santos será coordenador-geral da campanha de Mendes

07:35 - Confira candidatos mais ricos e mais pobres que já registraram nomes