WhatsApp Twuitter

Sexta, 08 de junho de 2018, 13h42

alvo da bereré

Detran suspende contrato com a EIG Mercados após esquema de propinas

Celly Silva, repórter do GD


O Departamento Estadual de Trânsito (Detran) suspendeu o contrato nº 001/2009, firmado com a EIG Mercados, empresa processada na ação penal oriunda da operação Bereré. A suspensão vigorará até que seja concluso o processo administrativo em que foi determinada a intervenção na autarquia, no início de abril.

João Vieira

A portaria de suspensão é assinada pelo interventor Augusto Cordeiro e está publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) que circula nesta sexta-feira (8).

De acordo com o documento, a suspensão levou em consideração que a EIG Mercados “vem adotando postura temerária, que concorre para o risco iminente de paralisação da eficiente prestação do serviço público”.

Também foi destacado que a presença da empresa pode impedir a “boa fluência” da administração do interventor e, ainda, que o saldo encontrado na conta corrente da concessionária do serviço de gravame demonstra a “suposta falta de condição econômica” em manter a adequada prestação do serviço.

Além disso, a suspensão também segue o que determina a lei estadual nº 7.692/2002, que regula o processo administrativo no âmbito da Administração pública estadual. No artigo 61, a lei afirma que pode haver instrução de processo em caso de risco iminente, deixando o Estado apto a “adotar providências acauteladoras sem a prévia manifestação do interessado”.

Leia também - Taques determina intervenção em contrato no Detran após devassa no Gaeco

Intervenção

O Detran está sob intervenção desde o dia 3 de abril, quando o governador Pedro Taques assinou o Decreto n° 1.422/2018, estipulando o prazo de 180 dias para a medida, que é decorrente da operação Bereré, deflagrada no dia 19 de fevereiro pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) e pelo Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco) contra deputados, empresários, entre outros apontados como membros de uma organização criminosa criada para operar propina decorrente do contrato de concessão do serviço de gravame.

De acordo com a denúncia, o esquema teria começado ainda no governo de Blairo Maggi, em 2009, quando o deputado estadual Mauro Savi (DEM) teria o poder de indicar o presidente do Detran e seria um dos maiores beneficiários das propinas pagas.

A trama criminosa teria ainda perpassado os governos de Silval Barbosa e Pedro Taques, com a rotatividade dos beneficiários do esquema a cada gestão.  



// matérias relacionadas

Segunda, 18 de junho de 2018

09:30 - Mauro Savi completa 40 dias na cadeia

Sexta, 15 de junho de 2018

16:03 - Ministra do STJ nega mais um pedido de liberdade ao deputado Mauro Savi

10:38 - Ministra do STJ mantém prisão do ex-secretário Paulo Taques

08:05 - Assembleia suprime instância para tentar soltar deputado Mauro Savi

07:41 - Irmãos Taques pedem que ministra reavalie necessidade de prisões

Quinta, 14 de junho de 2018

17:29 - Tribunal de Justiça nega recurso e mantém prisão de Mauro Savi

13:55 - TJ retoma julgamento sobre prisão do deputado Mauro Savi - acompanhe

08:09 - Deputado Mauro Savi cita colega Gilmar Fabris para sair da cadeia

06:30 - EIG demite 120 funcionários do Detran após governo atrasar salários

Quarta, 13 de junho de 2018

09:23 - Desembargadores retomam julgamento que tenta 'sustar' prisão de Savi


// leia também

Segunda, 18 de junho de 2018

18:12 - Auditor de carreira assume a Controladoria Geral do Estado

16:20 - Taques diz que vai cancelar escolta de Selma, mas nega ilegalidade

15:43 - CPI da Saúde terá vereadores da base do prefeito como relator e membro

13:30 - Selma Arruda ganha escolta de empresa de segurança privada

07:22 - Leitão corre atrás de assinaturas para diminuir deputados e senadores

07:15 - Emanuel quer base unida para eleição da Mesa Diretora na Câmara

Domingo, 17 de junho de 2018

08:58 - Pré-candidata Margareth Buzetti não se apega a cargo e quer destravar economia - vídeo

Sábado, 16 de junho de 2018

15:15 - Gustavo de Oliveira descumpre estatuto da FIEMT e pode sofrer impugnação

11:17 - Ex-reitora da UFMT admite dificuldade na disputa ao Senado

10:51 - Vereador propõe que cargo de chefia só pode ser exercido por servidor efetivo