WhatsApp Twuitter

Terça, 10 de julho de 2018, 19h04

evitar favorecimento

MP notifica Assembleia a não realizar propaganda eleitoral

Redação do GD


Otmar de Oliveira

O Ministério Público Eleitoral, por meio da Procuradoria Regional Eleitoral, encaminhou recomendação aos agentes públicos da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), alertando para as proibições existentes em período de campanha e, principalmente, de pré-campanha eleitoral. As vedações estão previstas na Lei 9504/97, a Lei das Eleições.

A procuradora regional eleitoral, Cristina Nascimento de Melo, ressaltou na recomendação que o artigo 73 da Lei das Eleições proíbe aos agentes públicos, de um modo geral, a realização de condutas tendentes a afetar a igualdade de oportunidade entre candidatos nos pleitos eleitorais. As principais são: ceder ou usar, em benefício de candidato, partido político ou coligação, bens móveis ou imóveis públicos; assim como também usar materiais e serviços públicos para comitês de campanha eleitoral de candidatos, partido político ou coligação, durante o horário de expediente.

Melo enfatiza que a imunidade parlamentar não constitui direito absoluto, portanto, “a tribuna da Casa Legislativa não pode ser utilizada para fins eleitoreiros”, ou seja, os pronunciamentos feitos devem ser relativos apenas à atuação parlamentar.

As disposições previstas na Lei das Eleições, e ressaltadas na recomendação, também se aplicam às emissoras de televisão sob responsabilidade das assembleias legislativas. Portanto, nos três meses antecedentes às eleições, ou seja, desde o dia 7 deste mês, nenhum pronunciamento é permitido aos agentes públicos que não sejam em horário eleitoral gratuito, a exceção das questões decididas pela Justiça Eleitoral.

A procuradora eleitoral lembra que a Procuradoria Regional Eleitoral, em defesa do regime democrático e da lisura do pleito, “prefere atuar preventivamente, contribuindo para que se evitem os atos viciosos das eleições”, como os indicados na recomendação, produzindo resultados eleitorais legítimos.

No documento, a procuradora Cristina Nascimento de Melo recomenda ao presidente da ALMT que dê ampla publicidade à recomendação, previna a ocorrência de uso indevido ou promocional das dependências do órgão, de seus servidores e de seus bens em favor de pré-candidatos ou partidos, inclusive em relação à TV Assembleia e aos pronunciamentos feitos da tribuna, entre outros.



// matérias relacionadas

Segunda, 16 de julho de 2018

19:26 - Juiz manda Taques retirar publicidade em seu Instagram em 3 dias

13:30 - Tem que fechar a Assembleia, dispara Botelho sobre vedações eleitorais

10:32 - Silval escolhe Pedro Taques como alvo principal

07:04 - Antero assume a 10ª disputa para eleger Mauro Mendes e Jayme Campos

Domingo, 15 de julho de 2018

11:57 - Financiamento de campanhas será com dinheiro público

Sábado, 14 de julho de 2018

11:49 - Adilton Sachetti insiste em aliança com Mauro Mendes

Sexta, 13 de julho de 2018

17:08 - Taques terá que explicar sobre dinheiro usado para eventos com comissionados

14:05 - MP orienta veículos sobre proibições eleitorais

08:04 - Chapa 'extra' é alternativa para garantir Sachetti na campanha de Mendes

07:26 - Taques ironiza e diz que Mendes conseguiu aposentar dois juízes


// leia também

Segunda, 16 de julho de 2018

17:27 - Prefeito assume Saúde para dar 'choque de gestão' e nomeia adjunto

13:12 - Dnit entrega anteprojeto de obra do Rodoanel e assegura R$ 500 milhões

12:41 - Emanuel Pinheiro anuncia Júnior Leite na Secretaria de Comunicação

10:03 - Preso há dois meses, Mauro Savi recebe salários como deputado

09:21 - Maia promete votação do projeto que altera a Lei Kandir

Domingo, 15 de julho de 2018

11:01 - Justiça manda governador Pedro Taques explicar gastos em reuniões com servidores

Sexta, 13 de julho de 2018

16:10 - Gilmar Fabris diz que só não apoiará Taques se for obrigado pelo PSD

10:27 - Luciane Bezerra é multada por contratação irregular e se torna alvo do MPE

10:00 - Fabris desistirá de reeleição caso Júlio Campos se candidate

07:20 - Segunda vaga para Senado na chapa de Taques precisará de aval de Leitão