WhatsApp Twuitter

Terça, 15 de maio de 2018, 00h00

Desenvolvimento econômico

Teté Bezerra


O turismo brasileiro precisa voltar seu olhar, de forma objetiva, para um de seus principais ativos de competitividade turística - a natureza. O mundo já reconhece esse potencial. Somos o mais rico em ecossistemas o que, segundo o Fórum Econômico Mundial, nos coloca no topo de uma lista de 140 países com maior potencial para desenvolver a atividade turística. Como presidente da Embratur, uma de minhas missões será aumentar a visibilidade e a percepção desta realidade no exterior e que a disseminação destes atributos se converta em desenvolvimento econômico e social para o Brasil.

O segmento Turismo de Natureza representou 16,6% das viagens a Lazer para o país. Outro trunfo são os parques nacionais. Houve crescimento de 11,5% no número de turistas nas unidades de conservação em 2017. Este ano, são esperados o número recorde de 8,6 milhões de turistas nas áreas protegidas.

E este cenário, o horizonte de possibilidades para o Mato Grosso e toda a região do Pantanal está a perder de vista. Por que não aproveitar todo o potencial do bioma para desenvolver esse nicho da atividade? O turismo, gerido de forma sustentável, pode literalmente mudar a situação econômica de uma região.

Os recursos do setor oriundos do exterior transitam pelos diversos setores da economia e o Impacto positivo que atividade gera para a comunidade local é intenso. Tanto com a entrada de divisas, passando pela abertura de novos postos de trabalho, até o incentivo ao empreendedorismo. Esse ciclo virtuoso pode mudar a realidade de uma comunidade. O exemplo de Bonito, no nosso estado vizinho, atesta esse raciocínio.

Para tudo isso sair do campo das ideias e ser algo tangível, com viés econômico, é preciso estimular e facilitar a vinda destes turistas internacionais. Por isso, os esforços recentes da Embratur na emissão de visto eletrônico para mercados prioritários deve ser ampliado. A iniciativa já aumentou em 44% os pedidos pelo documento nos Estados Unidos, Austrália, Canadá e Japão no último mês de abril, em comparação com o ano passado.

Desenvolver um segmento não quer dizer fechar a porta para os demais. O Turismo de Eventos, por exemplo, pode servir de ponte para o Turismo de Natureza, especialmente no combate à sazonalidade. Exemplo recente aconteceu durante a Copa do Mundo, quando os torcedores estrangeiros que assistiram os jogos em Cuiabá foram responsáveis pelo aumento de 90% na venda de pacotes para o Pantanal. Por que não criar atrativos e diminuir barreiras para incrementar o segmento de turismo de negócios e intensificar esse fluxo o ano inteiro? Em Cuiabá, por exemplo, um participante de um congresso pode chegar em menos de duas horas em destinos como Poconé, Cáceres, Barão de Melgaço e Santo Antonio de Leverger e ter contato com a fauna, observar aves raras e, quem sabe, se deparar com jacarés ou até mesmo uma onça no trajeto da Rodovia Transpantaneira.

No meu primeiro dia após a posse na Embratur, iniciamos as tratativas para a realização da FIT Pantanal, importante evento do calendário do Mato Grosso, durante a Abav Expo 2018, no mês de setembro. Além da divulgação do estado para imprensa internacional e operadores de turismo, está previsto um painel sobre o turismo no Pantanal, com a presença de ministros do turismo do Paraguai, Bolívia, além de representantes do governo do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, países e estados que englobam o bioma.

O momento para jogar luz sob o tema do turismo no Pantanal será mais que oportuno devido à tramitação em fase final no Congresso Nacional da Lei do Pantanal, que cria mecanismos de proteção ao meio ambiente. O ordenamento é um avanço para a preservação já que a legislação deve ser a mesma para todos envolvidos.

Como vimos, há muito trabalho pela frente. Precisamos unir esforços de todas as estâncias do Poder Público para formular uma política de Estado permanente para o turismo. O Mato Grosso tem potencial suficiente para se tornar referência no setor e exemplo de gestão para os demais estados e para o Brasil.

Teté Bezerra presidente da Embratur



// leia também

Terça, 22 de maio de 2018

00:00 - Setor imobiliário na esteira do agronegócio

00:00 - Coronel Chico Belo

00:00 - Médico do cafundó

00:00 - Milícia não é polícia

00:00 - Para além do casamento real

Segunda, 21 de maio de 2018

13:08 - Corrupção e descaso na Saúde Pública

12:16 - Voluntariado é um ato de respeito e solidariedade ao próximo

00:00 - A Nova Economia

00:00 - Mudanças na realeza

00:00 - O poder do cidadão