WhatsApp Twuitter

Segunda, 11 de junho de 2018, 00h00

Eu amo, tu amas, ele ama

da editoria


Pensando que esta terça-feira, quando se comemora no Brasil o Dia dos Namorados, deverá amanhecer repleta de corações pulsando por todos os lados, com declarações das mais inusitadas que já se viu, uma pergunta volta a zunir aos ouvidos mais atentos. Será que se os casais apaixonados apenas se dispusessem a conjugar o verbo amar, seria o bastante para que o dia fluísse entre gentilezas e carinhos? Uma boa pergunta para refletir quando o assunto são as datas comemorativas.

Para muitos, não tem papo, o próprio nome diz, datas especiais são para comemorar e com pompa e circunstância. Para outros, o dia é pra ser comemorado, sim, mas dentro da realidade do casal. Há aqueles também, que são completamente avessos à qualquer data que de alguma forma imponha agir dentro de um padrão convencionado. Enfim, há pensamento pra todo tipo de casal. Até para os que esquecem a data ...

Mas se depender do comércio, não tem esquecimento não, as vendas vão explodir em corações, balões e hits em muitas vendas. Embora não seja um dia considerado como o "D" no ranking da lucratividade, o 12 de junho é um dos mais esperados pelo segmento como oportunidade de ganho para o comércio que este ano prevê um acréscimo em relação à mesma época do ano passado de mais de 15%.

Mesmo que os bolsos e as contas bancárias dos casais não estejam lá com aquela gordurinha extra que permita um gasto a mais, os mais apaixonados garantem que não deixarão a data passar em branco. Por isso vão apostar mais uma vez em roupas, sapatos, acessórios, flores e bombons. Além das lojas, segmentos como restaurantes, hotéis e agências de viagens também se mantêm aquecidos nessa época.

Em Cuiabá, comerciantes estão apostando também na recuperação do prejuízo que tiveram nas últimas semanas em função da greve dos caminhoneiros e segundo a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), as vendas nesta terça-feira (12) devem ter um aumento de 17%.

Na pesquisa divulgada pela instituição, o tíquete médio de gasto das pessoas que irão presentear o companheiro ou a companheira (55%), chegará a 173,34 e a maioria dos consumidores ouvidos afirmaram que pagarão os presentes à vista.

Deixando de lado o apelo comercial da data, o Dia dos Namorados como todas as outras comemorativas, devem passar por uma atitude que vai além do bombardeio da mídia e do que está posto na vitrines. Deve passar pela admiração, pelo respeito, pela alegria de estar ao lado da pessoa que se gosta ou que se ama.

Não importa quanto tempo, há um mês, um ano, 10 anos, uma vida. Porque o frescor do namoro deveria acompanhar os anos de convivência de qualquer casal. Mas para isso, é necessário que o estar junto seja sempre revisitado em cuidados mútuos, em diálogos salutares que já não cabem mais nas enfadonhas e estéreis "Drs" que sufocam qualquer relação.

Manifestar o carinho, o desejo, o amor de estar junto de quem se escolheu estar, não deve estar associado à obrigação de presentear, por exemplo, no Dia dos Namorados. Manifestar o carinho com mimos diários, sim, deve ser uma prática, um hábito, uma constante motivada somente pelo bem querer.



// leia também

Quinta, 16 de agosto de 2018

11:27 - Napoleão e os contribuintes

00:30 - Governança familiar nos negócios

00:30 - Realidade das contas públicas

00:30 - A revolução do agro brasileiro

00:30 - Experiência, tentativa e erro 3

00:30 - Pobreza é mais que renda

Quarta, 15 de agosto de 2018

00:00 - A nova capital do Brasil

00:00 - O homem que amava os cachorros

00:00 - Napoleão e os contribuintes

00:00 - O atendimento à saúde vai mudar