WhatsApp Twuitter

Segunda, 09 de julho de 2018, 00h00

Reconstruir o Brasil - 2

Aluisio Arruda


Todas as pesquisas indicam que os candidatos que participaram do Golpe e ajudaram Temer chegar ao poder obtêm pífios resultados, enquanto os de oposição somam mais de 50%. Estes para garantir a vaga no 2º turno, precisam esquecer suas diferenças, priorizar o Brasil, e se unir em torno de uma só candidatura. Assim terá maior chance de vitória.

Ganhando as eleições, sem perda de tempo, organizar um programa de reconstrução Nacional, principalmente de investimentos em grandes obras, para gerar milhões de empregos, aumentar o poder de compra, aquecer a economia e resgatar a confiança para que as empresas voltem a investir na produção e não mais no rentismo. O Estado brasileiro pode e deve ser o principal indutor desse processo.

O governo brasileiro tem plena condição para isso. Temos uma reserva externa de mais de 350 bilhões de dólares, eram 380 bi, e o Temer já gastou 30 bi pagando juros. Podemos usar uns 50 bilhões para investimentos, e ainda estaríamos entre as 10 maiores reservas externas. A Petrobras, a exemplo da Statiol da Noruega, poderia fazer uma parceria para investimentos, com plena capacidade e possibilidade de rendimentos; aliás a Petrobras detém a 6ª maior reserva petrolífera do planeta, mas a rede Globo para desmoralizá-la e facilitar a sua entrega para os Americanos, como Temer já está fazendo, procura mostrá-la diariamente, com dutos enferrujados jorrando propina. O Brasil que é membro do BRICS que tem o maior banco do mundo, poderia obter empréstimos a juros baixos. O BNDES, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal, poderiam voltar a financiar grandes programas habitacionais, de infraestrutura, pequenas e médias empresas, que gerariam milhões de empregos.

Já seria suficiente para uma primeira arrancada. Ao mesmo tempo seria urgente uma renegociação da dívida pública para baixar os juros, alongar os prazos e reduzir o volume, como fizeram os governos Lula e Dilma que baixaram de 63% no governo FHC, para 29,9%, e que hoje no governo Temer já está em torno de 57%. Urgente também seria uma reforma tributária para taxar as grandes fortunas e os grandes rendimentos na ciranda financeira, obrigando Bancos e grandes investidores aplicarem na produção e não na agiotagem.

Tomadas essas medidas, adotar um rigoroso controle da inflação, dos gastos e um combate efetivo da corrupção, nos principais ministérios e nas grandes Estatais, através de frequentes auditorias, com participação do MP, OAB e outras entidades.

Retomada a confiança interna e externa o Brasil seria recolocado nos trilhos do desenvolvimento. O novo governo elegeria as prioridades do futuro, em primeiro lugar com fortes investimentos na educação e na pesquisa, para elevar o nível tecnológico, aumentar nossa competitividade e dinamizar a indústria brasileira que já chegou a 25%, hoje em apenas 10% do PIB. De fundamental importância seria anular a Reforma Trabalhista e a PL 95 que congelou por 20 anos os investimentos nas áreas sociais.

O Brasil, país vasto e rico, com um povo criativo e laborioso, depende apenas de governo e políticos sérios, competentes e patrióticos, para conquistar um lugar entre as maiores potências do mundo. Pode parecer um sonho, mas um sonho possível que depende principalmente das nossas opções eleitorais.

Aluisio Arruda é jornalista, arquiteto e urbanista



// leia também

Sexta, 20 de julho de 2018

00:00 - Leite, nosso próximo desafio

00:00 - Língua portuguesa no ensino médio

00:00 - Eleições e desenvolvimento sustentável

00:00 - Comece agora seu plano para 2019

00:00 - Até que ponto é normal?

Quinta, 19 de julho de 2018

00:00 - Adão sob pressão

00:00 - Uma agenda para os advogados

00:00 - Monstro da inadimplência

00:00 - Crianças podem desenvolver TOC

00:00 - Compliance na agricultura