WhatsApp Twuitter

Quarta, 11 de julho de 2018, 00h00

Campeão do bem e do mal

da editoria


Mato Grosso é campeão em vários aspectos. É o 1º colocado no ranking nacional da produção de grãos, sendo o líder na colheita de soja, milho, algodão e girassol, como apontou nesta terça-feira o 10º levantamento de safra divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), em que a estatal prevê a colheita de 61,374 milhões de toneladas na safra 2017/2018. Também é detentor do maior rebanho comercial de bovinos do país, que a cada ano conquista mais mercados internacionais e amplia a exportação de carne. Essas duas primeiras posições colocam o Estado e o país em uma situação menos desconfortável diante da crise financeira que se abateu sobre o Brasil nos últimos 3 anos, demonstrando que o agronegócio é a "salvação" da economia nacional.

Apesar dos bons números das atividades desenvolvidas no campo e da grandiosidade que eles representam no cenário nacional e internacional, outros dados também provenientes de grandes extensões de terras, não são tão positivos e causam vergonha aos mato-grossenses. O desmatamento e as queimadas estão entre as ações realizadas pelo homem tanto no campo quanto na área urbana (no caso do fogo) que têm derrubado a reputação de Mato Grosso e acendido a luz amarela dos órgãos fiscalizadores.

Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) apontam que Mato Grosso caiu da 1ª para a 2ª posição no ranking nacional de queimadas do ano passado para cá. Segundo o levantamento, de 1º de janeiro a 9 de julho de 2018 foram registrados 54,814 mil focos de calor no Estado, 25,5% a mais que no mesmo período do ano passado, quando foram 43,648 mil focos, que colocaram o Estado no topo da lista.

Este ano, Mato Grosso perdeu a posição de líder em queimadas para Roraima, que soma nada menos que 58,318 mil focos de calor, respondendo por 22,6% do total registrado no país, de 258,296 mil registros. A participação de Mato Grosso, como 2º colocado, é de 21,2%. Para surpresa de quem acompanha a estatísticas de queimadas, o Pará, que revezava com Mato Grosso a posição de maior "incendiário" do país, pulou para a 5ª posição, com 13,525 mil queimadas. Em todo o país, o número de queimadas é 44,5% maior este ano do que em 2017, quando foram 178,668 mil.

Em Mato Grosso, as queimadas no meio rural são as mais graves e causam mais transtornos. Em geral, elas ocupam maiores extensões territoriais e causam mais estragos, atingindo áreas de reserva ambiental, parques nacionais e áreas de proteção permanente. Pode durar semanas e há dificuldade no combate às chamas por causa do acesso complicado a alguns locais incendiados. A fumaça acaba chegando à cidade e junta-se à poluição originada pela queimada urbana, que leva o caos às unidades de saúde.

Infelizmente, entra ano sai ano, a cena se repete e muitas vezes com mais gravidade, trazendo prejuízo incalculável ao meio ambiente e à saúde das pessoas. Pesquisas apontam que cerca de três quartos das emissões de gás carbônico no Brasil são provenientes das queimadas e incêndios florestais. Elas degradam o ambiente, causa danos aos ecossistemas, afeta diretamente a saúde e a economia.

Diante do tamanho do problema e da dificuldade dos órgãos fiscalizadores em atuar, não há ninguém mais estratégico para vigiar essas ações do que a população. Cada cidadão pode ter sua parcela de contribuição para mudar esse cenário e diminuir a cortina de fumaça do horizonte. Não atear fogo em lixo doméstico ou na beira da estrada são algumas das ações mais simples. Outra forma de contribuição é por meio de denúncias.

O cidadão pode entrar em contato com o Ibama pelo telefone 0800 61 8080, de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h para denunciar queimadas. Órgãos de segurança pública também recebem denúncias. Ao Corpo de Bombeiros basta ligar no 193 (para relatar ocorrência de focos de incêndio). Para denunciar queimadas ilegais ou balões é só acionar a Polícia Militar pelo 190. As denúncias são fundamentais para reverter esse quadro, pois os causadores desses estragos podem ser identificados e punidos, em nome do bem de toda a sociedade.



// leia também

Quinta, 19 de julho de 2018

00:00 - Adão sob pressão

00:00 - Uma agenda para os advogados

00:00 - Monstro da inadimplência

00:00 - Crianças podem desenvolver TOC

00:00 - Compliance na agricultura

Quarta, 18 de julho de 2018

09:16 - Dia do NÃO

00:00 - Adão sob pressão

00:00 - Uma agenda para os advogados

00:00 - Monstro da inadimplência

00:00 - Crianças podem desenvolver TOC