WhatsApp Twuitter

Quinta, 28 de dezembro de 2017, 10h05

Ano novo

Como esperar (e agir para) que 2018 seja melhor

Por Daniel Martins de Barros


Antes da festa de ano-novo é bom reforçar algo que provavelmente você já sabia, mas foi cientificamente comprovado: não existe forma de prevenir nem tratar a ressaca. Ah, e vale lembrar que dormir mal nos deixa menos atraentes. E também que comer peru não causa sonolência. Todas essas pesquisas foram publicadas ao longo dos últimos anos na prestigiosa científica British Medical Journal (renomeada BMJ), em sua aguardada e disputada edição de Natal. A revista, cujo fator de impacto passa dos vinte (ou seja, as pesquisas que ela publica são citadas em média por outras vintes pesquisas, o que dá a medida de sua importância), reserva um fascículo por ano, na época natalina, para artigos que, embora rigorosos, sejam também leves, bem humorados ou que de alguma forma carreguem o espírito das festas.

Esse ano a edição comemorativa publicou um editorial encabeçado pelo colega psiquiatra brasileiro Rodrigo Affonseca-Bressan com o sujestivo título Hope is a therapeutic tool (algo como Esperança é um instrumento terapêutico). Realmente propício para o momento.

Diferente do otimista, que acredita que o melhor irá acontecer, o esperançoso acredita que o melhor pode acontecer. E exatamente por não dar o resultado positivo como favas contadas ele se coloca em ação, fazendo o que precisar para aumentar a chance de alcançar sua meta. O otimismo pode até ter o efeito oposto – lembremos o que aconteceu com a lebre na disputa com a tartaruga. O pessimismo, então, nem se fale. Não se trata, portanto, da crença inocente de que tudo sempre dará certo; tampouco da irreal expectativa de que tudo dará errado. É a noção de que existem estratégias a serem colocadas em marcha por nós mesmos, as quais podem influenciar positivamente em nosso destino.

Os autores citam exemplos de como a esperança pode ser útil em casos de doenças crônicas, como asma e até esquizofrenia, e por isso destacam seu papel terapêutico. Ressaltam, então, que a capacidade de transmitir esperança – não falsas expectativas, veja bem – pode e deve ser ensinada aos médicos. Afinal, quando estamos doentes existem duas coisas que queremos saber: o que está acontecendo conosco e se há esperança. Ou seja, se há algo que devamos fazer que possa ajudar no tratamento.

Mas a dica não vale só para profissionais da saúde. Todos nós queremos ter esperança no ano novo. A cada Réveillon desejamos que o ano que entra seja melhor em alguns (ou vários) aspectos. Então fica a lição: não basta ser otimista. É preciso ter esperança – aquilo que nos faz acreditar que algo é possível, definir estratégias e começar. Ou, como disse Paulo Freire, “temos mesmo é de esperançar”.

Feliz 2018 a todos!

 



// leia também

Terça, 16 de janeiro de 2018

11:37 - Me Chame Pelo Seu Nome é um filme sedutor sobre a sedução

Sábado, 13 de janeiro de 2018

15:19 - Projeto Zouk na Praça abre temporada 2018 para os amantes da dança de salão

11:20 - Gary Oldman dá vida ao exuberante Churchill

08:00 - Blocos de rua de Cuiabá lançam carnaval 2018 neste sábado

Quinta, 11 de janeiro de 2018

17:42 - Caminhão tomba e espalha cerveja no rio

10:40 - Festa dos 300 anos da comunidade prossegue com reza e levantamento do mastro

10:30 - O Touro Ferdinando

Terça, 09 de janeiro de 2018

16:26 - Motociclista tenta salvar moto em enxurrada

09:59 - Alguém teve a excelente ideia de colocar gatos em capas de discos famosos

Segunda, 08 de janeiro de 2018

16:50 - Ouvinte da Cultura FM viverá lua-de-mel a bordo do cruzeiro Soberano