WhatsApp Twuitter

Segunda, 24 de outubro de 2016, 10h06

Cresce procura por imóveis de quatro dormitórios em SP


A retração do mercado imobiliário ocasionada pelo desemprego e perda de renda dos brasileiros não é um comportamento uniforme entre todas as classes sociais. Um levantamento exclusivo para o Estado do portal de classificados online Zap mostra que as buscas por imóveis de quatro dormitórios na Grande São Paulo acumulam crescimento de 11% de janeiro a setembro deste ano. De 2014 para 2015, o interesse havia avançado bem menos: 4%.

‘O desemprego está muito alto, mas quando você faz um corte por renda você verifica que, nas classes mais altas, a desocupação tende a ser menor. Além disso, a liberação de crédito para esse perfil de alta renda é mais fácil‘, afirma Eduardo Schaeffer, CEO do Zap.

Ele ainda lembra que a Caixa Econômica Federal aumentou recentemente o valor máximo de financiamento de imóveis pelo Sistema Financeiro Imobiliário (SFI), de R$ 1,5 milhão para R$ 3 milhões. Segundo ele, o movimento do banco estatal pode servir de pressão para que as instituições privadas, se houver aumento da demanda, também passem a trabalhar nessa faixa.

Os resultados do estudo ainda sugerem que agora pode ser a hora de encontrar oportunidades de barganha nesses imóveis maiores antes de uma nova pressão nos preços.

Isso acontece porque há um descompasso entre o aumento da procura e os lançamentos dessas unidades nos últimos quatro anos. De acordo com dados da Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp), a participação dos imóveis de quatro dormitórios no total de unidades lançadas vem perdendo espaço. Em 2013, eles representaram 5% os lançamentos e, neste ano, apenas 2%.

‘Com a demanda em alta e a oferta em baixa, a tendência é que esses imóveis fiquem mais caros‘, afirma o estudo do Zap.

O levantamento ainda mostra que a valorização do metro quadrado nos imóveis de quatro dormitórios está desacelerando. A alta foi de 7% de 2014 para 2015 e só de 2% na comparação deste ano com 2015.
Schaeffer também destaca que, com novo Plano Diretor de São Paulo, a tendência é que diminua o potencial de construção para terrenos comprados fora dos Eixos de Estruturação Urbana. O efeito disso é que os empreendimentos maiores tendem ficar cada vez mais e caros.

O bairro paulistano de Moema é o que reúne a maior quantidade de imóveis de quatro dormitórios, seguido por Campo Belo, Morumbi, Perdizes e Higienópolis.

O estudo levou em conta dados anuais de 2013 a 2015 e uma projeção para 2016 com base nas informações de janeiro a setembro. 



// matérias relacionadas

Terça, 18 de julho de 2017

10:51 - Preço médio do aluguel sobe no semestre, mas cai 1% em um ano

Sexta, 23 de junho de 2017

09:43 - Feirão expõe 2 mil imóveis a preços variados

Segunda, 19 de junho de 2017

09:01 - Venda de imóveis residenciais novos sobe 2,5% em abril, diz Secovi-SP

Terça, 30 de maio de 2017

10:44 - Venda de imóveis volta a subir após soluço com nova crise política

Segunda, 29 de maio de 2017

11:48 - Para atrair cliente, incorporadora paga condomínio e até conta de luz

Sexta, 19 de maio de 2017

10:19 - Crise política adia perspectiva de melhora no varejo e no setor imobiliário

Quinta, 04 de maio de 2017

08:06 - Queda do preço dos imóveis chega a 3,32% nos últimos 12 meses

Domingo, 02 de abril de 2017

09:04 - Inadimplência sobe 118% em MT e mais de 7,3 mil estão em atraso

Quarta, 04 de janeiro de 2017

09:18 - Preço médio dos imóveis teve queda real de 5%

Sexta, 25 de novembro de 2016

10:35 - Número de imóveis alugados caiu no Brasil em 2015, revela IBGE


// leia também

Domingo, 20 de agosto de 2017

18:00 - Falta de linhas vai limitar geração de Belo Monte

16:30 - Governo tenta retomar reforma da Previdência

15:00 - Não vamos escapar de aumento de impostos, diz presidente do Insper

13:55 - Morre ex-presidente da CVM Luiz Leonardo Cantidiano

13:39 - Programas criador por Temer podem perdoar dívidas tributárias de R$ 78 bi

10:10 - Mega-Sena não tem vencedores e acumula prêmio de R$ 32 milhões

Sábado, 19 de agosto de 2017

16:05 - Restaurantes sugerem gorjeta superior a 10%

15:30 - Caixa Econômica anuncia retomada de obras em Mato Grosso

14:41 - Intenção de consumo das famílias cuiabanas encolhe

11:38 - Governo federal prevê economia de R$17 bilhões com fim de fraudes