WhatsApp Twuitter

Quarta, 04 de janeiro de 2017, 09h18

Economia

Preço médio dos imóveis teve queda real de 5%


O preço médio nominal dos imóveis residenciais subiu 0,13% em dezembro em comparação com novembro, de acordo com dados do Índice Fipezap. No ano, a alta foi de 0,57%.

Tanto no mês quanto no ano, o crescimento nominal dos preços foi inferior às projeções para a inflação, evidenciando desvalorização dos imóveis em meio à retração da economia brasileira. A inflação medida pelo IPCA deve ser de 0,41% em dezembro e de 6,40% em 2016, de acordo com projeções do Boletim Focus, do Banco Central.

Os dados indicam, portanto, que o preço médio das moradias fechou 2016 com queda real de 5,48%. A variação real, no entanto, só será conhecida após a divulgação do IPCA de dezembro pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na próxima semana.

Cidades

A pesquisa realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) considera os anúncios na internet de casas e apartamentos em 20 cidades e regiões. Em sete localidades, o preço dos imóveis teve queda nominal em dezembro: Rio de Janeiro (-0,06%), Distrito Federal (-0,11%), Goiânia (-0,12%), Fortaleza (-0,05%), Curitiba (-0,02%), Vitória (-0,09%) e Contagem (-0,15%). As demais cidades tiveram aumento nominal inferior à inflação projetada para o mês. A exceção foi Belo Horizonte, com alta nominal de 0,99%.

Já no acumulado do ano, quatro localidades tiveram queda nominal no preço das residências: Rio de Janeiro (-2,08%), Niterói (-1,76%), Goiânia (-2,67%) e Distrito Federal (-1,15%), o que evidencia uma situação mais crítica nesses mercados. As demais regiões registraram alta nominal nos preços, mas nenhuma superou a inflação.

A cidade de São Paulo, maior mercado imobiliário do País, também passou pelo mesmo movimento de desvalorização. A alta no valor das unidades atingiu 0,14% em dezembro e 0,41% no ano.

Ao final de 2016, o valor médio do metro quadrado anunciado das 20 cidades foi de R$ 7.662. Apesar da queda, o Rio de Janeiro se manteve como a cidade com o metro quadrado mais alto do País (R$ 10.214), seguida por São Paulo (R$ 8.641), Distrito Federal (R$ 8.497), Niterói (R$ 7.434) e Florianópolis (R$ 6.592).
 



// matérias relacionadas

Terça, 18 de julho de 2017

10:51 - Preço médio do aluguel sobe no semestre, mas cai 1% em um ano

Sexta, 23 de junho de 2017

09:43 - Feirão expõe 2 mil imóveis a preços variados

Segunda, 19 de junho de 2017

09:01 - Venda de imóveis residenciais novos sobe 2,5% em abril, diz Secovi-SP

Terça, 30 de maio de 2017

10:44 - Venda de imóveis volta a subir após soluço com nova crise política

Segunda, 29 de maio de 2017

11:48 - Para atrair cliente, incorporadora paga condomínio e até conta de luz

Sexta, 19 de maio de 2017

10:19 - Crise política adia perspectiva de melhora no varejo e no setor imobiliário

Quinta, 04 de maio de 2017

08:06 - Queda do preço dos imóveis chega a 3,32% nos últimos 12 meses

Domingo, 02 de abril de 2017

09:04 - Inadimplência sobe 118% em MT e mais de 7,3 mil estão em atraso

Sexta, 25 de novembro de 2016

10:35 - Número de imóveis alugados caiu no Brasil em 2015, revela IBGE

Terça, 08 de novembro de 2016

09:31 - Governo destinará R$ 5.000 para baixa renda


// leia também

Quinta, 19 de outubro de 2017

17:44 - Emprego na construção civil cresce pelo segundo mês seguido

17:35 - Salário médio de admissão tem alta real de 5,59% em setembro, mostra Caged

15:30 - Governo autoriza criação de 1,9 mil vagas de trabalho em universidades federais

15:01 - Arrecadação em setembro soma R$ 105,595 bi, alta de 1,17% ante agosto

13:38 - Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

13:21 - BC lança campanha para uso consciente do cartão de crédito

08:37 - Entenda como a nova regra do governo dificulta a fiscalização do trabalho escravo

08:25 - PIS será pago a partir de hoje para 3,5 milhões de pessoas em todo País

Quarta, 18 de outubro de 2017

14:40 - Com avanço de reestruturação, Eletrobras prevê alavancagem abaixo de 3x

14:27 - Multas de trânsito poderão ser pagas com débito ou parceladas no crédito