WhatsApp Twuitter

Terça, 30 de maio de 2017, 10h44

Venda de imóveis volta a subir após soluço com nova crise política


A crise política detonada no último dia 17 causou um ‘soluço‘ no mercado imobiliário, que teve queda nas vendas como reflexo das incertezas entre consumidores e empresários sobre os rumos do País. A pressão negativa, entretanto, explicam executivos de várias incorporadoras, durou apenas alguns dias, sinalizando que os efeitos da nova crise devem ser limitados, ao menos, enquanto o País não tiver novas surpresas na esfera do governo federal.

A Eztec registrou queda de 50% nas vendas entre 20 e 21 de maio, fim de semana que sucedeu as denúncias contra o presidente Michel Temer. Já no fim de semana seguinte, de 26 e 27, as vendas voltaram ao volume considerado normal.

‘Percebemos que houve um susto, mas depois a situação se normalizou‘, disse o diretor de finanças e relações com investidores da Eztec, Emílio Fugazza. Ele afirmou que as vendas líquidas da incorporadora neste trimestre estão positivas, em decorrência de melhora nas vendas totais e estabilidade no volume de rescisões.

O copresidente da Even, Dany Muszkat, relatou uma situação semelhante, marcada por volume de vendas um pouco mais fraco entre 20 e 21 de maio e recuperação nos dias seguintes. ‘Mesmo com o cenário mais conturbado, as vendas ficaram dentro do esperado, o que nos deixou satisfeitos.‘

Para Muszkat, ainda é cedo para traçar perspectivas, mas ele não espera um freio acentuado na demanda enquanto o imbróglio no governo não tem um desfecho.

O economista-chefe do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP), Celso Petrucci, corroborou a avaliação de que o mercado teve um soluço. ‘O País continua andando e se acostumando com essas crises. Parece um absurdo dizer isso, mas é o que estamos vendo‘, acrescentou, citando normalização de mercado imobiliário, Bolsa, câmbio e juros depois da volatilidade apresentada nos primeiros dias após as denúncias contra Temer.

Petrucci acrescentou que está mantida a projeção do sindicato de crescimento de 5% a 10% do mercado paulistano este ano.

Alta renda

O solavanco nas vendas afetou mais o mercado de alto padrão, segundo o diretor de relações com investidores da Cyrela, Paulo Gonçalves. ‘Algumas vendas que estavam encaminhadas não aconteceram entre o público que procura um upgrade‘, disse, referindo-se às famílias que já têm moradia e buscam uma residência maior ou mais bem localizada. 



// matérias relacionadas

Terça, 18 de julho de 2017

10:51 - Preço médio do aluguel sobe no semestre, mas cai 1% em um ano

Sexta, 23 de junho de 2017

09:43 - Feirão expõe 2 mil imóveis a preços variados

Segunda, 19 de junho de 2017

09:01 - Venda de imóveis residenciais novos sobe 2,5% em abril, diz Secovi-SP

Segunda, 29 de maio de 2017

11:48 - Para atrair cliente, incorporadora paga condomínio e até conta de luz

Sexta, 19 de maio de 2017

10:19 - Crise política adia perspectiva de melhora no varejo e no setor imobiliário

Quinta, 04 de maio de 2017

08:06 - Queda do preço dos imóveis chega a 3,32% nos últimos 12 meses

Domingo, 02 de abril de 2017

09:04 - Inadimplência sobe 118% em MT e mais de 7,3 mil estão em atraso

Quarta, 04 de janeiro de 2017

09:18 - Preço médio dos imóveis teve queda real de 5%

Sexta, 25 de novembro de 2016

10:35 - Número de imóveis alugados caiu no Brasil em 2015, revela IBGE

Terça, 08 de novembro de 2016

09:31 - Governo destinará R$ 5.000 para baixa renda


// leia também

Quinta, 19 de outubro de 2017

17:44 - Emprego na construção civil cresce pelo segundo mês seguido

17:35 - Salário médio de admissão tem alta real de 5,59% em setembro, mostra Caged

15:30 - Governo autoriza criação de 1,9 mil vagas de trabalho em universidades federais

15:01 - Arrecadação em setembro soma R$ 105,595 bi, alta de 1,17% ante agosto

13:38 - Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

13:21 - BC lança campanha para uso consciente do cartão de crédito

08:37 - Entenda como a nova regra do governo dificulta a fiscalização do trabalho escravo

08:25 - PIS será pago a partir de hoje para 3,5 milhões de pessoas em todo País

Quarta, 18 de outubro de 2017

14:40 - Com avanço de reestruturação, Eletrobras prevê alavancagem abaixo de 3x

14:27 - Multas de trânsito poderão ser pagas com débito ou parceladas no crédito