WhatsApp Twuitter

Segunda, 19 de junho de 2017, 11h33

Retomada da economia pode ser mais (ou menos) demorada que a antecipada, diz Ilan


O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, disse nesta segunda-feira, 19, em São Paulo, que a retomada da economia pode ser mais (ou menos) demorada que a antecipada. O comentário, feito a uma plateia de investidores em evento do Bradesco, retoma ideia contida nos comunicados mais recentes do BC.

De acordo com Ilan Goldfajn, ‘a manutenção, por tempo prolongado, de níveis de incerteza elevados sobre a evolução do processo de reformas e ajustes na economia pode ter impacto negativo sobre a atividade econômica‘.

Desde que estourou a crise política trazida pelas delações de executivos da JBS, o BC tem externado preocupações quanto ao efeito da turbulência sobre o andamento das reformas - em especial, da Reforma da Previdência, que tramita na Câmara.

‘O fator de risco principal é o aumento de incerteza sobre a velocidade do processo de reformas e de ajustes na economia‘, disse Ilan. ‘Isso se dá tanto pela maior probabilidade de cenários que dificultem esse processo quanto pela dificuldade de avaliação dos efeitos desses cenários sobre os determinantes da inflação.‘

Entre os determinantes da inflação, Goldfajn citou a atividade econômica, as expectativas de inflação, as estimativas da taxa de juros estrutural e os preços de ativos financeiros relevantes.

‘É necessário acompanhar possíveis impactos do aumento de incerteza recente sobre a trajetória prospectiva da inflação‘, disse o presidente do BC. ‘Por um lado, a manutenção, por tempo prolongado, de níveis de incerteza elevados sobre a evolução do processo de reformas e ajustes na economia podem ter impacto negativo sobre a atividade econômica e, portanto, desinflacionário. Por outro lado, o impacto da incerteza sobre a formação de preços e sobre as estimativas da taxa de juros estrutural pode ter impacto oposto‘, disse. Para ele, as projeções condicionais do Copom envolvem hoje maior grau de incerteza.

Em outro ponto de sua fala, ele reafirmou que a desinflação de alimentos e de preços industriais pode ter efeitos ‘secundários‘ na inflação. ‘Notadamente, pode contribuir para quedas adicionais das expectativas de inflação e da inflação em outros setores da economia‘, disse.

Ao abordar o cenário externo, Ilan Goldfajn retomou a ideia de que, apesar de favorável no momento, ele apresenta ‘considerável grau de incerteza e pode dificultar o processo de desinflação‘.

China

O presidente do Banco Central citou que existem hoje incertezas sobre a China, a evolução dos preços das commodities e o apetite ao risco por ativos de economias emergentes.

Além disso, pontuou que persistem as incertezas quanto à implementação e às possíveis repercussões externas da política econômica do novo governo nos Estados Unidos, na área do comércio internacional, de estímulos fiscais, desregulamentação financeira e outros.

Em seu discurso, ele afirmou ainda que, a despeito das incertezas sobre o cenário externo, tanto os EUA quanto outras economias centrais vêm retomando o crescimento.

Ao mesmo tempo, ele voltou a destacar o balanço de pagamentos confortável do Brasil, o câmbio flutuante como ‘primeira linha de defesa contra choques externos e as reservas internacionais, que ultrapassam os US$ 375 bilhões. 



// leia também

Domingo, 22 de abril de 2018

08:57 - Redução da taxa de juros torna poupança mais atrativa, mostra estudo

08:50 - Receita espera por 14 milhões de declarações do IR até 30 de abril

Sábado, 21 de abril de 2018

18:00 - Governo diz que terá de adiar reajuste de servidor para fechar contas em 2019

17:30 - Projeto que limita salário será retomado

16:00 - Após 4 anos, Eudora amplia aposta no varejo e volta a abrir lojas

15:30 - Neoenergia eleva proposta para compra da Eletropaulo

11:31 - Presidente da ANFAC destaca função social das factorings

08:58 - Entenda quando é possível fazer pedido de revisão da aposentadoria

08:55 - O que muda com o fim da Medida Provisória da reforma trabalhista?

Sexta, 20 de abril de 2018

13:59 - Brasil terá perda de 30% nas exportações de frango para a Europa