WhatsApp Twuitter

Terça, 15 de agosto de 2017, 21h15

Governo espera obter R$ 14,5 bilhões com aumentos de tributos em 2018


Para evitar uma elevação maior da meta de déficit primário para o próximo ano, o governo elevará tributos para reforçar o caixa em R$ 14,5 bilhões em 2018, anunciaram há pouco os ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Planejamento, Dyogo Oliveira. Para 2017, não estão previstos novos aumentos de impostos.

Fundos de investimento

A principal medida será a mudança na tributação para fundos exclusivos de investimentos, que deverá render R$ 6 bilhões no próximo ano. Destinados a grandes clientes, esses fundos, que são fechados e não têm livre adesão, pagam, atualmente, Imposto de Renda apenas no fechamento ou no resgate das cotas. O imposto passará a ser cobrado todos os anos, como ocorre com os demais fundos de investimento.

Reintegra

A segunda mudança é o adiamento da elevação da dedução do Reintegra, programa por meio do qual o governo devolve parte do faturamento das exportações a empresas que vendem ao exterior. A fatia de dedução, que subiria de 2% para 3% em 2018, continuará em 2% no próximo ano. O governo espera obter R$ 2,6 bilhões com o congelamento do programa.

Folha de pagamento

A equipe econômica espera obter ainda R$ 4 bilhões com o fim da desoneração da folha de pagamento para 46 setores da economia. De acordo com o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, esse valor leva em conta a perspectiva de que o projeto só será aprovado perto do fim do ano ou no início de 2018. Por causa da noventena, prazo de 90 dias para aumentos de contribuições existentes entrarem em vigor, a desoneração só seria eliminada a partir do segundo trimestre do próximo ano.

Previdência

Para completar os R$ 14,5 bilhões, o governo pretende reforçar o caixa em R$ 1,9 bilhão com a elevação da contribuição da Previdência dos servidores federais de 11% para 14%. Medida semelhante foi aplicada em estados afetados pela crise financeira, como Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul.

Sem as elevações de tributos, a meta de déficit primário para 2018 teria de ser aumentada em R$ 44,5 bilhões, de R$ 129 bilhões para R$ 173,5 bilhões. As medidas tributárias, explicou Meirelles, permitiram que o valor final da meta ficasse em R$ 159 bilhões.

À exceção do Reintegra, que pode ser definido por decreto presidencial, todas as medidas precisam de aprovação do Congresso Nacional. Por causa da Constituição, a mudança na tributação sobre os fundos de investimentos precisa ser aprovada antes do fim do ano para entrar em vigor em 2018.

Segundo o ministro da Fazenda, a equipe econômica trabalha com a expectativa de aprovação das medidas após um dia de reuniões com os líderes da base aliada. “Num primeiro momento, todos são contra mudança na meta, inclusive eu. Num momento em que é mostrada a evolução da receita, todos [governo e parlamentares] são responsáveis, realistas e consideram realmente o que é a revisão fiscal como consequência da revisão das expectativas de inflação”, declarou Meirelles.



// matérias relacionadas

Quinta, 19 de outubro de 2017

15:01 - Arrecadação em setembro soma R$ 105,595 bi, alta de 1,17% ante agosto

Quinta, 12 de outubro de 2017

16:36 - Fiesp lutará contra aumento de PIS/Confins e fará protestos com pato

10:07 - Decisão sobre PIS/Cofins deve sair na semana que vem, diz Meirelles

Terça, 10 de outubro de 2017

19:10 - Volume de impostos pagos pelos brasileiros sobe 8% em 12 meses

Terça, 26 de setembro de 2017

12:43 - Receita aumenta fiscalização a empresas e espera recolher R$ 461 milhões

Domingo, 20 de agosto de 2017

15:00 - Não vamos escapar de aumento de impostos, diz presidente do Insper

Terça, 08 de agosto de 2017

21:00 - Planalto diz que não vai enviar proposta de aumento do IR ao Congresso

Sexta, 28 de julho de 2017

16:09 - Petrobras reajusta GLP industrial e comercial em 8%

Quarta, 26 de julho de 2017

11:26 - Facmat mobiliza associações comerciais para combater aumento de impostos

Segunda, 24 de julho de 2017

22:30 - Ministro da Fazenda não descarta novos aumentos de impostos


// leia também

Sábado, 16 de dezembro de 2017

10:40 - Tesouro reduzirá intervalo de leilões de títulos prefixados por causa da eleição

09:17 - Odebrecht faz ofensiva para pagar dívida

08:49 - Retração na construção leva Montago ao segmento de transmissão de energia

08:32 - Pesquisa aponta que 21% dos jovens de MT não estudam e nem trabalham

08:07 - Para evitar fraudes, fundos de pensão terão regras similares às de bancos

Sexta, 15 de dezembro de 2017

18:00 - Caixa espera que na próxima semana socorro do FGTS seja sancionado

17:45 - Leilão de linhas de transmissão de energia deve gerar investimentos de R$ 8,7 bi

14:38 - Setor de serviços recua 0,8% de setembro para outubro, diz IBGE

14:29 - Acordo entre poupadores e banco vai beneficiar 3 milhões

10:34 - Alckmin é o mais equilibrado, mas não faz reformas, afirma CNI