WhatsApp Twuitter

Quarta, 11 de outubro de 2017, 13h58

Diretores do BC discutem com Padilha questão da MP 784


O diretor de Relacionamento Institucional do Banco Central, Isaac Sidney, e o diretor de Organização do Sistema Financeiro, Sidnei Marques, estão reunidos com o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, no Palácio do Planalto. A agenda dos dois diretores foi atualizada durante a manhã desta quarta-feira, 11, pelo Banco Central.

O assunto do encontro é a medida provisória 784 (MP da leniência do BC), que estabelece novo marco punitivo para instituições financeiras. Na terça, o BC sofreu um revés na tramitação da matéria, já que não houve quórum suficiente para votação da MP no plenário da Câmara.

Para piorar, o presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), indicou após a sessão de terça que não pretende colocar novamente em pauta a MP 784 até que seja votada a PEC que regulamenta a tramitação de medidas provisórias no Congresso. Isso significaria, na prática, o fim da MP 784, cujo prazo para aprovação - no plenário da Câmara e também no Senado - vai até o dia 19 de outubro.

Além de tratar do acordo de leniência - espécie de colaboração premiada para empresas - a MP 784 estabelece novas regras de punição a instituições financeiras e instituições do mercado de capitais, reguladas pelo BC e pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Entre outros aspectos, determina parâmetros para a cobrança a de multas de bancos e define as infrações que podem ser punidas. Pelo texto, delitos administrativos podem ser obrigados a pagar multa de até R$ 2 bilhões ou 0,5% da receita de serviços e de produtos financeiros. O limite anterior era de R$ 250 mil.

A MP é vista pelo BC como uma ferramenta para modernização do arcabouço punitivo das instituições no Brasil, em sintonia com o que é adotado em outros países.



// leia também

Sábado, 16 de dezembro de 2017

10:40 - Tesouro reduzirá intervalo de leilões de títulos prefixados por causa da eleição

09:17 - Odebrecht faz ofensiva para pagar dívida

08:49 - Retração na construção leva Montago ao segmento de transmissão de energia

08:32 - Pesquisa aponta que 21% dos jovens de MT não estudam e nem trabalham

08:07 - Para evitar fraudes, fundos de pensão terão regras similares às de bancos

Sexta, 15 de dezembro de 2017

18:00 - Caixa espera que na próxima semana socorro do FGTS seja sancionado

17:45 - Leilão de linhas de transmissão de energia deve gerar investimentos de R$ 8,7 bi

14:38 - Setor de serviços recua 0,8% de setembro para outubro, diz IBGE

14:29 - Acordo entre poupadores e banco vai beneficiar 3 milhões

10:34 - Alckmin é o mais equilibrado, mas não faz reformas, afirma CNI