WhatsApp Twuitter

Quinta, 12 de outubro de 2017, 18h54

Brasil e Argentina puxarão PIB da região este ano


Depois de uma desaceleração de seis anos e uma contração econômica de 1,3% em 2016, a América Latina e o Caribe voltarão a crescer a partir deste ano, puxados pela expansão da Argentina e do Brasil, previu relatório sobre a região divulgado ontem pelo Banco Mundial. Mas a fragilidade fiscal continua a ser a principal debilidade da região, com déficits em quase todos os países, o que demanda programas de ajuste.

Usando projeções do mercado, a instituição espera aumento do PIB de 1,2% em 2017 e de 2,3% em 2018. O estudo diz que o movimento será impulsionado pela ‘robusta recuperação‘ nos dois principais sócios do Mercosul. O Brasil deverá registrar expansão de 0,6% neste ano e de 2,3% no próximo. Na Argentina, os índices esperados são de 2,8% e 3,0%, respectivamente.

A frágil situação fiscal da maioria dos países é o principal risco do ponto de vista macroeconômico, disse o relatório. Dos 32 países analisados, 28 terão um balanço negativo em 2017. Na América do Sul, o déficit fiscal médio será de 6% do PIB, depois de um crescimento de 5,1 pontos porcentuais de 2011 a 2017. No Brasil, o déficit deve ficar pouco acima de 8% do PIB, segundo as projeções do Banco Mundial. O índice esperado para México, América Central e Caribe é de 1,5%.

O desequilíbrio levou ao aumento da dívida pública na maioria dos países, para uma média de 59% do PIB. Com um índice de quase 80%, o Brasil está entre os 16 países que superam esse patamar. Na avaliação da instituição multilateral, o País precisará de um ajuste fiscal equivalente a 7% do PIB para estabilizar a trajetória da dívida, o terceiro maior porcentual, atrás apenas de Trinidad e Tobago e Equador. Mas o economista-chefe da instituição para região, Carlos Vegh, ressaltou que é necessário gradualismo nesse processo, em razão do baixo nível de crescimento da região. ‘Não é preciso um choque.‘

Na avaliação do Banco Mundial, fatores externos, como o preço de commodities, terão impacto ‘neutro‘ sobre a evolução do PIB, o que demandará o fortalecimento de fontes domésticas de crescimento. ‘Reformas no mercado de trabalho e educação, mais gastos em infraestrutura e o enfrentamento da situação fiscal serão chave.‘



// matérias relacionadas

Sexta, 15 de dezembro de 2017

14:38 - Setor de serviços recua 0,8% de setembro para outubro, diz IBGE

14:29 - Acordo entre poupadores e banco vai beneficiar 3 milhões

Quinta, 14 de dezembro de 2017

17:30 - Bradesco vê tendência de queda para inadimplência da pessoa física e PME

Quarta, 13 de dezembro de 2017

19:00 - Juros fecham em queda, em reação a data de julgamento de Lula, varejo e PSDB

15:30 - Produção de carne de frango e de porco aumenta em 2017, diz ABPA

14:11 - Opep eleva projeção para PIB brasileiro em 2017 de 0,7% para 0,8%

14:01 - Número de imigrantes com contrato de trabalho formal caiu 13% no Brasil em 2016

Terça, 12 de dezembro de 2017

19:00 - Produção de motos cresce 18,2% em novembro ante igual mês de 2016, diz Abraciclo

13:52 - Servidores são 5% da população, diz Dyogo, em audiência sobre reforma

Domingo, 10 de dezembro de 2017

17:30 - 'Encontro de contas' do INSS frustra prefeitos


// leia também

Sábado, 16 de dezembro de 2017

10:40 - Tesouro reduzirá intervalo de leilões de títulos prefixados por causa da eleição

09:17 - Odebrecht faz ofensiva para pagar dívida

08:49 - Retração na construção leva Montago ao segmento de transmissão de energia

08:32 - Pesquisa aponta que 21% dos jovens de MT não estudam e nem trabalham

08:07 - Para evitar fraudes, fundos de pensão terão regras similares às de bancos

Sexta, 15 de dezembro de 2017

18:00 - Caixa espera que na próxima semana socorro do FGTS seja sancionado

17:45 - Leilão de linhas de transmissão de energia deve gerar investimentos de R$ 8,7 bi

10:34 - Alckmin é o mais equilibrado, mas não faz reformas, afirma CNI

10:18 - Com recessão, mais jovens nem estudam nem trabalham, revela IBGE

10:12 - Um quarto da população brasileira vive com menos de US$ 5,50 por dia