WhatsApp Twuitter

Quarta, 11 de abril de 2018, 09h58

intervenção

Ataque químico matou 70 na Síria e queremos acesso aos afetados, diz OMS


A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que 500 pessoas foram afetadas por agentes químicos na cidade síria de Duma, em Ghouta Oriental. Desses, 70 morreram. Os dados são os primeiros apresentados por uma entidade internacional desde que, no fim de semana, os ataques químicos na Síria reabriram o debate internacional sobre a possibilidade de uma intervenção militar americana no país, que já entra em seu sétimo ano de guerra civil.

Num comunicado emitido nesta manhã em Genebra, a OMS afirma estar ‘profundamente alarmada diante dos relatos do uso de agentes tóxicos em Duma‘. No sábado, o cálculo oficial da entidade era de que 500 pacientes se apresentaram aos serviços médicos da região apresentando sinais ou sintomas consistentes com a ‘exposição a químicos tóxicos‘.


Ilustrativo  

‘Em especial, houve sinal de severa irritação de membranas mucosas, falta de ar e impacto no sistema nervoso central daqueles expostos‘, disse.

A constatação da OMS também revela que mais de 70 pessoas morreram diante dos ataques, mesmo estando em porões. ‘Quarenta e três delas tiveram sintomas consistentes com a exposição a químicos altamente tóxicos‘, disseram. Dois centro de atendimentos de saúde também foram alvo de ataques.

No comunicado, a OMS alertou que é obrigação de todas as partes num conflito evitar ataques contra hospitais e médicos. A entidade também reforçou que o uso de armas químicas é ‘ilegal sob o direito internacional‘.

‘Precisamos estar indignados diante das imagens horríveis de Duma‘, disse Peter Salama, vice-diretor da OMS e responsável por operações de emergência. ‘A OMS pede um acesso imediato às áreas afetadas para garantir atendimento às vítimas, avaliar o impacto à saúde e desenvolver uma resposta ampla no setor de saúde‘, afirmou.

Desde 2012, porém, a OMS aponta que diversos casos de ataques químicos já foram registrados na Síria. Por isso, a entidade mantém no país estoques de antídotos para a distribuição em hospitais. Nos últimos anos, ela ainda treinou 800 médicos para lidar com ataques químicos. 



// matérias relacionadas

Sábado, 21 de abril de 2018

12:30 - Rebeldes sírios deixam mais três cidades e governo assume regiões

09:34 - FBI oferece recompensa de US$ 1 mi por jornalista desaparecido na Síria

09:30 - Síria - EUA abandonaram Raqqa após vitória na cidade, dizem moradores

Terça, 17 de abril de 2018

09:09 - Ofensiva na Síria foi resposta necessária a ataque com armas químicas, diz G-7

Segunda, 16 de abril de 2018

13:05 - Ações militares na Síria foram tomadas como último recurso, diz Theresa May

10:38 - Ministro russo diz que inspetores não podem acessar a Síria sem permissão da ONU

Domingo, 15 de abril de 2018

15:30 - Ministro do Irã condena ataques de EUA, Reino Unido e França à Síria

14:00 - Após ataques aéreos, Assad lança nova ofensiva contra rebeldes na Síria

10:36 - TV estatal da Síria diz que 5 mil soldados foram enviados a Douma, após ataque

Sábado, 14 de abril de 2018

11:38 - Líderes europeus mostram apoio a ataque contra Síria


// leia também

Sábado, 21 de abril de 2018

13:30 - Membro do Hamas é morto na Malásia, um dia após ameaça de Israel

Sexta, 20 de abril de 2018

18:30 - Democratas processam campanha de Trump, seu filho, genro, Rússia e Wikileaks

15:40 - Cambojano mata ex-mulher e transmite seu suicídio no Facebook

15:20 - Anotações de Comey mostram que Trump falou com ele sobre prostitutas russas

09:43 - Kim cede em exigências para se desarmar, diz presidente da Coreia do Sul

Quinta, 19 de abril de 2018

20:00 - Díaz-Canel promete continuidade ao assumir como presidente de Cuba

15:59 - Youtuber chinês pode ir para a prisão por pegadinha com morador de rua

15:22 - Suspeito dos ataques de 11 de setembro é detido na Síria

10:22 - Coreia do Norte busca desnuclearização, diz líder sul-coreano

10:18 - Trump deixa em aberto possibilidade de abandonar reunião com líder norte-coreano